• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Tiradentes: história, comida e cachoeira

Um pedaço da história do Brasil

Cinco dias de folga, um casal, um pré adolescente de 12 anos, a mãe e avó dele, uma brasileira que mora nos EUA, um bebê de dois anos e uma missão: conseguir um destino que agradasse a todos de forma igual. Depois de muito pensar e pesquisar uma ideia me salvou: Tiradentes, uma das cidades históricas de Minas.

Leia mais sobre as cidades históricas de Minas aqui!

A quatro horas do Rio pela excelente – e cara – BR 040, a cidade também é um destino fácil pra quem sai de São Paulo e, claro, de Minas. Tiradentes tem a melhor estrutura hoteleira das cidades históricas com muitos hotéis que oferecem ar condicionado, piscina e todos os outros luxos que viram fundamentais quando um bebê é integrante da tropa viajante. Além do mais, ela é super pequenininha e segura o que permite voos solitários de um pré adolescente de saco cheio de adultos e está recheadas de detalhes deliciosos que fazem história parecer a matéria mais interessante de todo o currículo escolar. Junte a isso dezenas de lojinhas cheias de coisas lindas e charmosas que agradam mulheres de todas as idades e uma pracinha cercada de bares onde homens bebem cerveja enquanto elas decidem se levam um ou dois tapetes. Pra completar Tiradentes é um dos destinos gastronômicos mais estrelados do Brasil. Jantares a luz de vela e comida da melhor qualidade transformam a cidade num lugar pefeito pra casais em busca de privacidade e romantismo. E por fim, a tradicional comida mineira que é a melhor coisa do mundo pra qualquer gringo ou brasileiro exilado no exterior. Ufa, resumindo: Tiradentes é um ótimo programa pra qualquer tipo de viajante!!

O PRIMEIRO PASSO: ONDE FICAR?

Tiradentes é a cidade mais cara do circuito histórico de Minas. E isso começa nos hotéis. As diária são bem maiores do que das vizinhas São João del Rei e Ouro Preto. Mas ainda assim é possível encontrar preços ok pra bolsos mais econômicos. Pra quem está em busca de hotéis de melhor qualidade sem se preocupar muito com o preço lá é o destino certo. A dica é: a não ser que você pretenda fazer do hotel o programa, como uma espécie de spa – sim, há algumas opções dessas lá – fique perto do centro. Tiradentes não é uma cidade para se andar de carro e eu confesso que até fiquei surpresa de como isso não é proibido no centro. O chão ainda conserva pedras colocadas pelos escravos que fazem a suspensão de qualquer carro querer chorar. Depois vem o problema número 2: estacionar. Além do mais Tiradentes é linda pra andar a pé e sentir aquele clima descansado do interior. Com exceção dos hotéis logo na entrada da cidade, na grande maioria você consegue ir a pé pra todas as atrações sem grandes traumas. Mas se o seu grupo é formado por crianças muito pequenas talvez valha a pena investir em algo absolutamente central. Carrinhos de bebês também encontram dificuldades e podem se tornar um trambolho em distâncias não muito curtas. Experiência própria.

Não confie muito nas distâncias indicadas pelos sites dos próprios hotéis
. A maioria diz que fica a 600 metros do Centro. Uma boa referência é olhar o mapinha e ver a distância da rodoviária, que é bem central.

Nossa morada foi a Pousada Vivenda, que é um pouco distante do centro mas que permitia que a gente fosse a pé com uma caminhada de 10 minutos. O lugar é bem legal pra ir de casal. São quartos super bem arrumados, decorados, um staff absolutamente atencioso, tranquilidade e privacidade. E um pouco mais barato do que os outros hotéis que se apresentam da mesma forma. Já não é tão bom pra crianças porque a piscina é bem pequena e não há aquelas outras parafernálias como salão de jogos e afins que deixam eles entretidos longe da TV. A distância também pode ser motivo de resmungo dos pequenos. O café da manhã é apenas ok. Com produtos fresquissímos mas sem uma variadade enorme que se espera de qualquer coisa em Minas.

O QUE FAZER?

Tiradentes enche muito aos sábados e domingos. Nós estivemos lá no meio da semana e na sexta já parecia outra cidade. A tranquilidade atrai mas o visitante que abrir mão de conhecer a cidade durante o fim de semana deve saber que muita coisa – lojas inclusive – sequer abrem nos outros dias.

O roteiro inclui visita a todas as igrejas
como a da Matriz (a principal e mais linda da cidade), N. Senhora do Rosário dos Pretos, N. Senhora das Mercês dos Pretos Criolos, São Francisco de Paula e santuário da Santíssima Trindade. Além do chafariz – que é perfeito pra uma parada estratégica durante o verão – e a antiga cadeia (que estava fechada quando eu fui).

Quem está com crianças deve considerar fazer o circuito a bordo de uma charrete. Há várias na praça principal. Durante a semana vale a pena barganhar, nós conseguimos até 40% de desconto.

Um outro passeio muito falado é a visita desses lugares com um guia noturno. Há um bem famoso que circula por lá de bicicleta. Bem, eu tinha um cartãozinho lindo que acabei perdendo mas em todos os restaurantes da cidade, na bem organizada secretaria de turismo – que fica ao lado da praça – e nas agências de turismo é possível encontrar porque é bem famoso. Dizem que ele conta histórias incríveis e que o clima noturno dá uma outra cara aos pontos turísticos. Nós não fizemos, culpa de estarmos lá no meio da semana.

Porque é de pequeno que se aprende a gostar de história

Outro passeio clássico é a maria fumaça até São João del Rei que está disponível só aos sábados e domingos. Dura 35 minutos e custava também 35 reais por pessoa.

Quem busca algo diferente deve saber que Tiradentes está cercada pela Serra São José e que por isso é também um destino pra quem curte caminhadas e cachoeiras. Nós estivemos na Cachoeira do Bom Despacho, que fica bem pertinho da estrada e por isso não é necessário andar por nenhuma trilha. Pra chegar lá é só ir de carro pelo caminho da estrada Real ao invés da estrada principal. A queda fica ao lado de um grande marco do caminho da estrada Real. Tem uma piscina, perfeito pra ir com crianças. É bom apenas evitar durante os fins de semana quando, segundo os moradores, fica lotada.

Cachoeiras

Há ainda a cachoeria do Carteiro, onde se chega depois de uma hora de caminhada, e do Mangue, que tem um caminho de 30 minutos a pé e piscinas de águas cristalinas. Nenhuma das caminhadas é sinalizadas mas, segundo os moradores, não são tão complicadas de se fazer quando você descobre onde é o início da trilha. As agências de viagem têm passeios com guias que custam em média 40 reais por pessoa. Há também passeios noturnos pelo que eles chamam de via dos vagalumes. As fotos nas agências são todas incríveis.

Quem tiver tempo sobrando ou curtir muito artesanato deve considerar ir a Bichinho, que é um distrito de Tiradentes. É de lá que vem a maioria das peças de artesanato vendidas na cidade. É preciso ir de carro e são mais ou menos 7 kms, a grande maioria de estrada de terra. Há algumas placas no centro que indicam o caminho mas o melhor é perguntar, todo mundo conhece. Parece que antigamente os preços eram muito mais em conta. Atualmente eu não vi grandes variações mas é verdade que Bichinho tem muito mais variedade. E barganhar por lá também é mais fácil. De novo é melhor deixar pra ir perto do fim de semana. Muitos ateliês nem abrem segundas, terças e quartas.

COMER: O MELHOR DOS PROGRAMAS
Tiradentes é um dos destinos com o maior número de restaurantes estrelados, segundo o Guia 4 rodas. Isso faz da hora da refeição um programa e tanto. Os preços no cardápio assustam na primeira olhada mas é bom saber que mesmo a meia porção costuma ser dividida por 2. Na porção inteira comem pelo menos 3 pessoas. Ainda assim não é exatamente barato, mas pode valer cada centavo.

 

Quem adora experimentar novidades culinárias não pode deixar de provar os pratos com ora pró nóbis, um vegetal bem típico do lugar. Me lembrou um pouco espinafre. O frango ora pró nóbis é rei em todos os cardápios da cidade.

A última edição do guia deu estrelas para cinco restaurantes: Pau de Angu, Tragaluz, Theatro da Villa, Estalagem do Sabor e Virada´s do Largo.

O primeiro fica na estrada para Bichinho e estava fechado quando estivemos lá (na semana do Natal) mas é uma ótima opção pra antes ou depois de se esbanjar em compras de artesanato. O próprio guia o indica como uma ótima relação custo benefício.

Tragaluz e Theatro da Villa são restaurantes mais sofisticados com um clima à luz de velas e inovações dentro da comida mineira. A proposta é usar os já conhecidos ingredientes em combinações completamente novas. Excelente pra quem está em busca de um clima romântico. Mas é bom saber que ambos são caros.

A Estalagem do Sabor impressiona logo na entrada pela foto do chef abraçado ao Lula. Fica bem pertinho da praça principal. A linguiça de entrada deixou muitas saudades mas eu confesso que o prato principal não foi exatamente uma comida dos deuses. O ambiente é simpático.

comida em panela de barro

A nossa grande experiência gastrônomica de Tiradentes ficou por conta dos Virada´s do Largo ou, pros íntimos, restaurante da Beth. Fica bem pertinho do chafariz e qualquer pessoa que você pergunte vai saber te indicar o caminho do restaurante que nos levou aos céus. Assim que você entra fica impressionado com a quantidade de prêmios e recomendações que o lugar ganhou. Apesar disso, o restaurante é simples com um ambiente gostoso, garçons absolutamente atenciosos e a Beth, que além de super simpática, vem à mesa pra bater um papo super gostoso e te indicar o que ela tem de melhor no cardápio. De entrada nós pedimos uma linguiça divina que logo que descobrimos que podia ser encomendada fizemos questão de trazer pra casa. Acompanhada de cerveja beeem gelada já teríamos ficado muito felizes aí. Mas ainda nos deliciamos com um frango ora pró nóbis que não poderia ser uma melhor apresentação para o típico ingrediente da cidade, meia porção porque lá tudo é super bem servido. Por fim uma novidade da casa: sorvete caseiro de queijo com goiabada quente. E uma conversa com a Beth que durou umas três horas. Definitivamente a gente precisa voltar a Tiradentes só pra poder comer lá de novo.

Nós ainda tivemos outras maravilhosas experiências em dois não estrelados pelo guia mas que se dependessem de mim já têm seu lugar no céu: o Ora pró nóbis e o Trattoria Via Destra.

O Ora pró nóbis fica bem do ladinho do chafariz e tem uma das varandas mais chamosas de Tiradentes e a cerveja mais gelada que a gente bebeu lá. Da sua mesa é possível ver a cozinha de onde saem pratos de comida mineira e também pratos que agradam às crianças. Atendimento atencioso e ótimo pra passar a tarde saboreando.

A Trattoria Via Destra foi a salvação das mamães que já não aguentavam mais implorar aos filhos pra experimentar o feijão tropeiro. Comida italiana gostosa meeesmo e uma cozinha flexível, o sonho de toda mãe. Estivemos lá com o nosso grupão mas também vimos vários casais saboreando um vinho e tendo uma noite romântica. Para quem quiser uma altenativa à comida mineira é uma ótima pedida. Fica na Rua Direita.

e artesanatos lindos

Pra quem acha que Minas é sinônimo de goiabada dizem que a de Bichinho é a melhor do Brasil. Bem, se é mesmo eu não sei mas pelo sim ou pelo não nós compramos e aprovamos.

E não importa se você gosta muito ou pouco de doces. A visita ao Chico Doceiro é obrigatória. Chico é um senhor de mais de 70 anos que desde a década de 60 comanda panelonas de cobre cobertas de doces. Ele mesmo vem te atender na maior simpatia. O mais famoso é o canudinho de doce de leite mas foram as cocadas que me fizeram esquecer o sinônimo da palavra dieta.

Por fim vale a dica de evitar qualquer restaurante da praça principal
. Estivemos em três e todos absolutamente decepcionantes. Comida ruim (como podem transformar comida mineira em algo ruim eu ainda estou tentando descobrir), atendimento ruim e conta nas alturas. Com tanta opção boa é no mínimo desperdício gastar uma refeição por lá.

Siga asViajantes no twitter

Personal Trip

About the Author

Destinos exóticos e desconhecidos. É em lugares assim que Reba prefere passar as férias. Isso deve ser uma desculpa para poder passar os outros 11 meses do ano planejando a viagem.

2 Respostas para “ Tiradentes: história, comida e cachoeira ”

  1. Oi Julia, depende de quando você vai e de onde você mora. Eu, como carioca, sinto frio no inverno de Minas. Se você for de São Paulo, talvez não sinta tanto. No site do Climatempo acredito que você encontre uma resposta mais exata.
    Boa viagem
    Abraços
    Flávia

  2. LA EM DEL REI É MUITO FRIO?

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>