• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Sobre viagens e cinzas – O que fazer se o Eyjafjalla cruzar o seu caminho

Estava demorando para uma de nós ter que viver algum contratempo causado pelo vulcão islandês Eyjafjalla. Quando ele entrou em erupção, faltavam três semanas para minha sonhada viagem a Malta. Durante os primeiros dias, fiquei acompanhando o noticiário e a evolução das cinzas por grande parte do território europeu. Em pouco mais de uma semana, com os voos regulados, a imprensa deixou de falar no assunto. Mas uma notícia me preocupava: a de que o fenômeno poderia durar meses.

Não deu outra. Três dias antes da minha partida, as cinzas voltaram a preocupar as autoridades. Fecharam o espaço aéreo irlandês e os ventos sopravam para a Península Ibérica (meu voo partia de Madri). Na véspera, quase não dormi acompanhando os boletins da Ryanair. Meu voo era um sábado às 9h e a companhia cancelou todas suas saídas de Madri nesse dia a partir das 12h. Escapamos por pouco.

A culpa é dele

Ou não. Depois de passar quatro dias desconectada na ilha, fui dar uma olhada na internet para ver se poderia voltar pra casa. O último boletim que vi dizia que só Portugal e Irlanda estavam com problemas. Mas, ao chegar ao aeroporto no dia seguinte, dei de cara com o assustador “cancelled” na tela de partidas.

O que fazer? Bom, confesso que não foi um problema ficar mais uns dias em uma ilha paradisíaca. Mas o desespero de outros passageiros do meu voo me contagiou e, até conseguir falar com a minha chefe, não sosseguei. Antes de tudo, saiba que a companhia tem a obrigação de reembolsar a passagem ou mudar o dia ou local de destino. Porém, você não terá direito a outras compensações, como dinheiro para gastos extras com uma nova hospedagem, por exemplo.

O primeiro passo é decidir qual é a sua prioridade. Se precisar voltar de qualquer maneira por compromissos inadiáveis, você pode começar procurando alternativas dentro da sua companhia. Minha história, como eu disse, foi com a Ryanair, que é uma das que mais cancelam voos (acredito que seja porque tem aviões menores que, provavelmente, voem mais baixo). Primeiro perguntamos que voos dela saíam para a Europa, com a ideia de ir até alguma cidade de onde se pudesse partir rumo a meu destino (nem todos os voos para Madri estavam cancelados). Depois, consideramos ir até Barcelona por outra companhia low cost que saía de lá, a Vueling. Mas, como bem se sabe, comprar uma passagem no mesmo dia pode sair muito caro. Decidimos ficar. A Ryanair remarcou nossa passagem para dois dias depois (que era quando saía o seguinte voo para Madri).

Há alguma maneira de evitar esse contratempo? Não. O vulcão pode voltar a soltar cinzas a qualquer momento e as condições metereológicas podem levá-las justamente para o espaço aéreo de seu destino. O que eu aconselho fazer para diminuir os problemas é o seguinte:

–  Antes de viajar, converse com os responsáveis pela legislação da sua empresa. Eles podem lhe orientar sobre seus direitos no caso de possíveis atrasos no seu voo de volta para o Brasil que impliquem em faltas ao trabalho. No meu caso, eu vou ter que compensar os dias. 🙁

– A maioria das companhias aéreas coloca boletins atualizados com informações sobre voos cancelados em seus sites, o que pode evitar uma ida desnecessária ao aeroporto, já que é possível pedir reembolso pela internet ou pelo telefone. Se não encontrar informação na página da aerolinha, procure o site do aeroporto da sua cidade. Os da Espanha, por exemplo, contam com a Aena.

–  Evite gastar até o último centavo e, principalmente, não estoure o limite de seus cartões de créditos durante a viagem. O meu Visa me salvou, já que eu tinha viajado com pouco dinheiro e poucas roupas.

O resultado de meus dias extras em Malta.

–  É sempre chato ter que mudar o roteiro. No caso do vulcão atrapalhar sua chegada à Europa ou algum deslocamento entre países europeus, encare como um desafio ao seu poder de improvisação. As cinzas nunca ficam muitos dias sobre um mesmo destino e você vai conseguir chegar até o seu de alguma maneira. Pode ser uma oportunidade de conhecer melhor outros lugares.

– Não se esqueça de avisar aos hotéis e transfers contratados sobre seu atraso. Eles não têm a obrigação de saber o que está acontecendo com os voos de todos os seus clientes. Se tiver contratado um pacote, a agência pode resolver seu problema, mas, se for uma viagem independente, você terá que comunicar o atraso ou cancelamento. A maioria dos hotéis e albergues cobram 10% de multa por não avisar alguma mudança com 48h ou 24h de antecedência (leia com atenção antes de contratar um). Mas sempre há uma esperança de negociar esse prejuízo.

–  Os trens e os ônibus entre cidades europeias são uma opção mais lenta e até mais cara, mas mais seguras nesta época de incertezas.

–   É difícil para qualquer um, mas tente levar esses obstáculos com humor. Lembre-se que você está de férias.

Clique aqui para imprimir este post.

Personal Trip

About the Author

Depois de três anos morando na Europa, Clarissa foi multada ao voltar ao Brasil. Motivo: excesso de bagagem. Mas não se arrepende. Afinal, eram muitas histórias e dicas para trazer na mala e ela não queria deixar nenhuma para trás.

Uma resposta para “ Sobre viagens e cinzas – O que fazer se o Eyjafjalla cruzar o seu caminho ”

  1. a gente já conversou sobre isso, mas não consigo deixar de ficar tensa com esse vulcão a cada dia q se aproxima minha viagem. q essa coisa de nome impronunciável não se pronuncie mais tão cedo!

    bjos

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>