• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

São Miguel dos Milagres (ou o paraíso fica em Alagoas)

Praia do Morro, uma das muitas de São Miguel

Eu queria porque queria passar a lua-de-mel na Europa (o noivo também) mas eis que as Viajantes Reba e Alícia ponderaram: com o dinheiro que você vai gastar na Europa, faz uma viagem digna de lua-de-mel pelo Nordeste. Tendo as duas como organizadoras da lista de contribuições, embarquei nessa. Destino vai, destino vem e ficou definido que faríamos um tour de carro pela região, começando com um lugar bem paradisíaco, reservado e sem crianças por perto. E foi aí que surgiu São Miguel dos Milagres.

O mar, visto da piscina

Em Alagoas, a pouco mais de uma hora de Maceió e a duas de Recife, bem do ladinho de Maragogi, São Miguel tem as piscinas naturais que renderam a fama da vizinha mas seu acesso não muito fácil garante a tranquilidade necessária para quem quer tomar só uma decisão por dia: lagosta, peixe ou camarão?

Partimos de Recife em direção a São Miguel e, entenda como é escondido o negócio: no ponto da BR onde se deve entrar para pegar uma estrada secundária, ninguém sabia dizer ao certo se entrávamos à esquerda ou se seguíamos em frente. Para chegar a São Miguel é preciso entrar em Japaratinga, seguir até o rio, atravessá-lo de balsa até Porto de Pedras e lá perguntar de novo. São Miguel é apenas uma das praias principais de Porto da Rua, um vilarejo que é basicamente uma estrada cortando coqueirais.
Parada certa: Côté Sud – Nossa temporada digna de lua-de-mel teve por base a pousada Côté Sud. De proprietários belgas, tem vários bangalôs charmosos, uma piscina de onde se vê o mar, um restaurante superagradável e, o mais importante, um staff de uma gentileza ímpar.

Nosso ‘quintal’ na Côté Sud

A Côté Sud não faz parte de nenhum roteiro de charme ou afim mas bem que merecia. Porque Corinne, uma das donas, é delicada, simpática e sempre atenciosa. Atendendo a pedidos das organizadoras da viagem, nos ofereceu mimos de boas-vindas: vinho na primeira noite e, na segunda noite, canapés de lagosta e drinques preparados pessoalmente por ela. Além disso, depois de cogitarmos jantar no gramado e não no restaurante, passamos a encontrar todos os dias uma mesa nos esperando ao ar livre para o café-da-manhã ou o jantar.

As refeições, aliás, merecem destaque, especialmente porque a pousada funciona em esquema de meia-pensão. O café da manhã não era bufê (não sei se por estarmos na baixa temporada) mas era bem farto e incluía sempre (entre outras coisas) um suco diferente de frutas da região, uma geleia caseira maravilhosa (lembro até hoje da de banana) e uma surpresa, que podia ser tapioca, coalho grelhado, panquecas doces… Para o jantar, marcávamos o horário e deixávamos nosso prato já escolhido. As surpresas da noite eram a entrada e a sobremesa – apenas bebidas ficavam fora do pacote. Lembro perfeitamente do sabor da mousse de couve-flor com creme de beterraba, geladinha e refrescante, e do petit gateau de doce de leite com coco, ambos da nossa primeira noite lá.

 

 

 

 

São Miguel e outras praias – Mas voltemos às praias: estávamos em São Miguel na transição da lua cheia para a lua minguante. Nos primeiros dias víamos o mar regredir absurdamente na vazante da maré. Depois, com a mudança de lua, as marés eram menos radicais e nos desaconselharam a fazer o passeio das piscinas naturais por isso mas tinha também uma vantagem: não havia momento do dia em que a praia ficasse seca, embora estivesse sempre rasa.

Com um carro à nossa disposição, acho que curtimos São Miguel da melhor forma possível. Todos os dias pela manhã saíamos pra um passeio pelos arredores. Assim fomos até a Praia do Morro, um paraíso de areia branca e mar clarinho que só não achei melhor porque tenho agonia das algas agarrando meu pé. Ainda na pousada fomos avisados: na Praia do Morro mal se encontra sombra, que dirá água para beber. Devidamente munidos de uma garrafa, fizemos uma longa caminhada pela areia, descansamos numa palhoça, tomamos um banho no rio Camaragibe – que tivemos que atravessar para chegar à praia e comemos uma refeição caseira e superfarta no primeiro restaurante-pousada que se avista na barra do rio.

A deserta praia do Patacho

Outro dia, outro passeio, desta vez pelo outro lado da estrada, onde paramos nas praias da Lage (ou Laje, ou Lajes, cada um chama de um jeito) e no Patacho. No Patacho tivemos companhia por apenas 15 minutos. Depois que o pescador concluiu seu trabalho éramos só eu, meu marido, sol, areia e mar. O Patacho consegue ser mais deserto do que a Praia do Morro. E é ainda mais paradisíaco, só indo para ver.

Peixe-boi – A cidade de Porto de Pedras (porta de entrada para São Miguel) tem o peixe-boi como símbolo. Lá há um programa ambiental pela preservação do bicho e, pelo que pude ver, é levado razoavelmente a sério. Razoavelmente porque, infelizmente, há barqueiros e pescadores que não respeitam as regras e mantêm os motores dos barcos ligados mesmo tendo chegado à distância mínima do animal. Perdem eles e os turistas que levam. Na jangada em que eu estava, o peixe-boi chegou bem pertinho e até subiu para respirar ao nosso lado. Em São Miguel apenas um casal estava livre no rio, os outros espécimes ainda estão mantidos em cativeiro.

‘Nosso’ peixe-boi

Nosso guia explicou que foi difícil convencer a população local de que o peixe-boi não é um predador. Apesar de seu tamanho – pode chegar a 4 metros de comprimento e 800 quilos – ele é manso, mas assutava pescadores e suas mulheres que lavavam roupa à beira do rio. A pesca predatória quase extinguiu o animal na região mas aos poucos eles estão recuperando a população do bicho. E é muito legal ver esse trabalho de perto e conhecer verdadeiros fiscais da natureza, gente que passa o dia em barcos fiscalizando se os turistas estão respeitando as regras.

 

Praia do Lage, Laje ou Lajes?

Possível para muitos bolsos, mas por pouco tempo – Diferentemente de algumas outras paradas paradisíacas do Nordeste, São Miguel é acessível para muitos bolsos. Havia diversas pousadas bem mais caras e bem mais baratas que a Côte Sud e a diversão ali é a mesma não importa quanto você tenha para gastar: praia, muita praia. Como o vilarejo é bem pequeno, também são poucas as opções de restaurantes e, fora das pousadas, impera a tradição nordestina de pratos fartos a preços módicos.

Mas uma conversa recorrente nas praias que cercam São Miguel dos Milagres é que diversos trechos de coqueirais foram vendidos para grupos estrangeiros que pretendem construir resorts ali. Só de pensar nessa possibilidade dá um arrepio na espinha. Então, se aceita uma dica, planeje ir para lá assim que possível, antes que o paraíso se transforme.

Quer imprimir este post? Clique aqui!

Personal Trip

About the Author

Flávia tem viagens planejadas para os próximos cinco anos, pelo menos. Só tem um porém: todas precisam de uma parada em Paris.

8 Respostas para “ São Miguel dos Milagres (ou o paraíso fica em Alagoas) ”

  1. Janaina,
    eu estive apenas por uma noite em João Pessoa e quatro noites em São Miguel dos Milagres. Eu e meu marido adoramos, mas começamos a ficar um pouco entediados porque não havia nada para fazer à noite. Em João Pessoa acho que vocês terão algum programa para fazer à noite, nem que seja a cada dia jantar num restaurante diferente. Além do mais, vi pouquíssimas crianças em São Miguel – basicamente turistas estrangeiros. Como são dois lugares de praias de águas quentes e calmas, acho que você pode fazer sua escolha baseada nesse ‘agito’ noturno (que é pouco em João Pessoa e zero em São Miguel).
    Espero ter ajudado.
    Abraços

  2. Um dilema que, acredito, você possa me ajudar. Meu filhote de 6 anos ADORA praia quentinha e calminha. Estão na lista para janeiro de 2012: hotel Ouro Branco em João Pessoa e Pousada Riacho dos Milagres, em São Miguel. Serão 10 dias. Por qual decidir? Gostamos de sossego……

  3. Oi Raquel, tudo bem?

    O mar da região é bem calmo nessas praias. Fique tranquila quanto a isso. Boa viagem.

  4. Oi,estarei indo para lá em fevereiro/2011.As praias da região em especial patacho,laje, toque,riacho e são miguel continuam com o mar calminho,mesmo na maré alta?

  5. Oi Ximena,

    Como disse no post, a minha temporada em Sâo Miguel dos Milagres foi planejada por duas amigas, então eu não orcei preços. Mas são apontadas como opções mais baratas de hospedagem: Pousada Costa das Pedras (82 3298-1176); Fazenda Chalés de Camaragibe (82
    Hotel Fazenda Cambará (82 3241-4645); Pousada do Caju (82 3295-1103); Pousada do Sonho (82 9910-9221) e Pousada Origami, apontada como um bom custo-benefício (82 9963-2223).

    Tomara que você encontre uma hospedagem que caiba no seu orçamento.

    Abraços

    Flávia

  6. Oi, tudo bem? Você tem dicas de pousadas mais baratas em Sao Miguel dos Milagres? Todas que encontrei praticam preços absurdos!
    Obrigada!

  7. Vc. já pegou bicho de pé? pulga? poque vc. se preocupando com a inclusão de resorts no paraíso, e tem nojo de algas?? PQP temos que rezar para que estes resorts e este tipo de pessoas que nem você fiquem longe do paraíso, pois as pessoas verdadeiras do paraíso é o pescador pisdaor de algas!!!

  8. Que tortura, e eu aqui a 7 graus…

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>