• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Roteiro de carro pela Andaluzia

Pátio do Reales Alcázares, em Sevilha

Cádiz, Jerez de la Frontera, Málaga, Granada, Sevilha e Córdoba: era esse o nosso roteiro inicial para uma viagem de pouco mais de dez dias de carro pela Andaluzia. Granada, Sevilha e Córdoba eram cidades que nos fazíamos questão de conhecer. As outras entraram no caminho como pousos seguros, para não ficarmos horas demais nas estradas.

Nosso ponto de partida foi Algeciras, onde desembarcamos da saída do Marrocos. Chegando à cidade em plena siesta, tivemos que fazer hora por ali, almoçamos, demos uma voltinha e constatamos que a cidade portuária não precisa mesmo de muito mais que isso.

Vista do centro de Cádiz

Pit-stop na escondida Bolonia – A bordo de um Fiat Punto (o carro mais básico da locadora, com ar, direção hidráulica e CD player) seguimos nossa rota rumo a Cádiz, onde chegamos em pouco mais de duas horas. Cádiz é uma pequena cidade litorânea, cujo caminho tem praias escondidas por estradinhas perpendiculares. Seguindo o conselho de um espanhol que conhecemos no trem Marrocos-Tangier, paramos em Bolonia, apontada como uma das mais bonitas da região.

Sim, Bolonia é bonita, mas para quem mora no Rio de Janeiro e já foi
a dezenas de praias no Nordeste, está longe de impressionar. Constatação feita, colocamos o pé na estrada de novo e enfim chegamos a Cádiz. Cidade medieval, a entrada da cidade é marcada por uma espécie de portal que encanta logo na chegada.

A praia de Cádiz

A litorânea Cádiz – O Centro de Cádiz – de frente para o porto – é um labirinto que para nós foi impossível de ser cruzado de carro. Cádiz tem dezenas de bares do tipo mais tradicional na Espanha. Estabelecimentos até que foram abertos séculos atrás. Dizem que um dos pontos mais interessantes da cidade é a Câmara Oscura, uma torre onde existe uma espécie de telescópio que lhe oferece uma vista panorâmica da cidade. Mas boa parte disso a gente só ouviu falar.

Nos hospedamos num quartinho fofo de uma pensão qualquer, que
encontramos batendo perna na rua mesmo e, no dia seguinte, tivemos nossos planos turísticos interrompidos por uma greve geral. Vale dizer que greve geral em Cádiz é geral mesmo: bancos, estabelecimentos comerciais, repartições públicas, nada funcionava. Sem nem ter onde tomar café da manhã, optamos por uma volta na praia – bem mais bonita que Bolonia, diga-se de passagem – e encurtamos nossa estadia por ali.

Arcos de la Frontera: “pueblo blanco”

Almoço em Jerez de la Frontera – A segunda parada foi Jerez de la Frontera, mais conhecida pelo autódromo que abriga provas de automobilismo e testes da Fórmula 1. Quando saímos do Brasil, nossa ideia era passar uns dois dias na cidade. Mas Paco, um espanhol que conhecemos no deserto do Saara, nos demoveu da ideia, convencendo-nos a ir para Arcos de la Frontera.

Como a greve geral de Cádiz teve adesão de diversas cidades da região, só em Jerez, que tem quase 200 mil habitantes, conseguimos um lugar para comer. Depois do almoço, um breve passeio confirmou o que Paco já tinha dito. Não é que Jerez não valha uma visita, mas é que ela não tem tantos “sítios” de interesse quanto outras cidades mais próximas. De barriga cheia, partimos para Arcos.

Pueblos Blancos – A chegada a Arcos de la Frontera impressiona. A cidade compõe uma região chamada Pueblos Blancos de Andaluzia. São séries de casinhas brancas espalhadas por colinas – pense em Santorini mas com oliveiras, vinhedos e campos tomados por moinhos de vento no lugar do mar. Mas, ao vivo, é bem mais bonito do que na sua imaginação, pode ter certeza.

Caracoles, antes e depois: delícia

Arcos não tem nem 30 mil habitantes e é praticamente dividida em parte alta (histórica) e parte baixa. Medieval e cheia de ruelas, a cidade tem um tráfego de carros bem complicado por pura falta de espaço. Mas se você não for a pessoa ao volante, pode até achar isso simpático.

‘Sopa’ de caracoles – Em Arcos ficamos numa pensão bem simples que pertencia ao dono do bar ao lado, o Zindicato. Foi mais um dos lugares em que ficamos sem nenhuma indicação e que acabou sendo uma ótima – embora bem simples – surpresa. O Zindicato tem um dono simpático, boa comida, cerveja a bom preço e toda quarta-feira tem um especial que faz o bar lotar: caracoles. É um caldo de caracóis que, pelo que vi, ao menos umas 100 pessoas tomaram naquele dia.

Ver tanta gente provando a mesma coisa despertou minha curiosidade e meu apetite, e valeu muito a pena. Provei um caldinho quente, superbemtemperado e a ‘brincadeira’ de chupar os caracóis de suas conchas é divertida e saborosa. Pode acreditar.

Málaga vista do alto da Alcaçaba

Do morro para a praia – O “casco” histórico de Arcos de la Frontera traz as fachadas todas pintadas de brancos, muitas com vasos de flores presos à murada. À noite o silêncio na rua permite até que se pense em fantasmas e a iluminação amarelada das ruas favorece e muito o romance. Depois de duas noites, porém, era hora de pegar a estrada de novo, rumo a Málaga.

Málaga também é litorânea e tem como um dos pontos mais
interessantes a Alcaçaba, uma fortaleza que data do Império Romano e no século XI serviu de base para governos mouros durante a invasão árabe. A disputa entre árabes e espanhóis é o que marca a Andaluzia – sua história e sua cultura, já que muitas construções foram concebidas na época dos conflitos e outras trazem uma nítida (e bela) mistura de referências.

Entrada da fortaleza de Alcaçaba

A fortaleza de Alcaçaba – No alto da cidade, a Alcaçaba rende um longo passeio, oferece uma vista incrível da cidade, guarda relíquias, bonitos jardins e muitos arcos e entalhes ricos da cultura árabe. O centro de Málaga, moderno, também é bem interessante, com sua rua para pedestres que tem um caminho de luzes no chão que surpreende.

Mas Málaga não entrou para nossa lista de lugares preferidos da Andaluzia. Com quase 600 mil habitantes, foi a cidade onde nos sentimos mais inseguros – e as manchetes dos jornais sobre invasões de domicílios e roubos de carros reforçaram a sensação. Além disso, a praia, apesar do Mar Mediterrâneo, não é das mais impressionantes. Nada que a visita à Alcaçaba não compense.

Praça em Granada: à noite, luzes coloridas no chafariz

Frustração em Granada – De Málaga, seguimos para Granada, que guarda a mais importante e imponente herança árabe na Espanha: Alhambra. Trata-se de um complexo com mesquita, palácios, banhos árabes, fortalezas e mais eu não sei dizer porque cometi ali o erro mais grave da viagem.

Contrariando todas as recomendações, não comprei ingressos com
antecedência. E não havia nada disponível para os três dias que passamos na cidade. O resultado disso é que Granada não chegou a nos encantar, e acabou virando mais um lugar para deixar o tempo passar com calma e planejar melhor o restante da viagem.

Palácio onde hoje funciona hospital, em Granada

Tourada: a grande roubada – Granada é uma cidade cheia de estudantes, mas nós estivemos lá nas férias de abril. Os dias estavam cinzentos, frios e meio chuvosos e nosso único programa autenticamente espanhol foi uma decepção das grandes. Completamente desavisados, fomos a uma tourada. Nâo sabíamos que se tratava de um massacre de touros, nem de “esporte” tão sanguinário. Acho que foi a soma de todos esses fatores que nos deixou meio bodeados ali e acabou apressando nossa partida para Sevilha.

Sevilha, ao lado de Arcos, é minha cidade preferida na Andaluzia. É
animada, organizada, tem gente simpática e muito bonita, agito
noturno, construções históricas impressionantes e lá também se come
bem e barato. Como chegamos à cidade pouco antes do começo da Feria – a maior festa da cidade – os preços de hospedagem estavam exorbitantes e acabamos ficando muito mal alojados num quarto de pensão ruim com donos bem poucos simpáticos.

La Giralda, a torre se destaca em Sevilha

Sevilha, com direito a futebol – Felizmente, em Sevilha tem-se muito o que fazer e nós ficamos o mínimo possível na pensão. Quarta maior cidade da Espanha, ela guarda duas construções das mais impressionantes: Reales Alcázares (uma fortaleza composta de palácios, pátios e jardins que misturam culturas árabe e espanhola) e a Plaza de España, uma enorme área em semicírculo construída em 1929, que traz representações de todas as províncias espanholas num rico trabalho de azulejos. Não fosse o sol forte, teríamos ficado um dia inteiro ali admirando os detalhes. Também foi na cidade que vi meu primeiro jogo de futebol na Europa: Sevilha 4 x 1 Atlético de Bilbao.

Plaza de España em Sevilha: impressionante

Foi em Sevilha que provei o melhor montadito (pequeno sanduíche, no
pão de leite) da minha vida: camarão com creme de alho e queijo. Até
hoje fico com a boca cheia d’água ao lembrar e só ele já seria um
excelente motivo para voltar a Sevilha. O outro é a Feria, que por
falta de informação deixamos de visitar. Diziam que só valia a pena
se tivésssemos convites para as barracas, mas que eles eram dados e
não vendidos. Quando deixamos a cidade, pela TV, vimos que
apenas ter circulado entre as barracas, visto espanhóis vestidos
como dançarinos de flamenco e provado mais da cozinha da região já
teria sido um programão. Agora, só indo de novo.

Dentro da Mesquita-Catedral de Córdoba

Mesquita-Catedral em Córdoba – Nossa última parada andaluz foi Córdoba, cidade cujo centro histórico faz a gente se sentir no século passado – inclusive pela quantidade de gente circulando por ali. A grande atração de Córdoba é a Mesquita Catedral, uma mesquita construída em 756 e que ao longo dos séculos serviu como lugar de oração de muçulmanos e cristãos.

Logo na entrada do salão principal a geometria de colunas e arcos
árabes impressiona. E impressiona muito também a mistura de
elementos católicos, que datam da retomada da região pelos
espanhóis.

Abóbada dourada dentro do Reales Alcázares

A catedral, sem dúvida, é o principal motivo para se visitar Córdoba, que também tem uma “Plaza Mayor“, entre outros pontos de interesse. Mas depois de mais de dez dias com o pé na estradas, a cidade também foi um ótimo pouso para relaxar, deixar o tempo passar sem pressa. O Hostal Maestre, onde ficamos, foi nossa melhor parada na Andaluzia, a um preço bem melhor que nas outras cidades. Depois de dois dias ali, seguimos para Madri, para a etapa final – e mais mochileira – da viagem.

O bom e o ruim de pegar a estrada – Viajar de carro é uma curtição, mas como tudo na vida tem aspectos positivos e negativos. O melhor é a liberdade de ir e vir, a chance de descobrir um cantinho simpático com uma vista bacana a ser apreciada (Castillo de la Duquesa, no nosso caso) e a possibilidade de deixar na mala toda aquela tralha que não será usada – presentes e roupas sujas, por exemplo.

Torre da Mesquita-Catedral de Córdoba

O lado negativo é o estacionamento e a dificuldade de se transitar
pelos centros históricos das cidades. Não foram poucas as vezes em que nos deparamos com becos sem saída ou ruas tão estreitas que o carro não passava, também nos perdemos um tanto em labirintos
medievais. Mas o pior sem dúvida é encontrar vaga para deixar seu
carro, já que a maior parte dos hostais mais baratos não oferece estacionamento.

Gasto e cansaço que compensam – Em Cádiz e Málaga, pagamos pelo pernoite num subterrâneo (e em Málaga isso nos custaria 24 euros, não fosse o convênio do hostal). Nas outras cidades, conseguimos vagas na rua, mas nos sentíamos obrigados a diariamente ir checar se estava tudo bem com o carro.

Rua na parte alta de Arcos, inacessível para carros

Outra coisa que deve ser avaliada é o desgaste do motorista e o investimento em combustível. Lembro que à época (abril de 2007), os preços do diesel na Espanha equivaliam aos da gasolina no Brasil.
Além disso, fazer a mesma viagem de ônibus, trem ou outros meios de transporte coletivo seria muito mais cansativo.

Para evitar cansaço de quem estava ao volante, fizemos um roteiro em que nosso tempo máximo de estrada foram quatro horas – e já no caminho final, de Córdoba a Madri. No mais, viajar pela Espanha é uma delícia, as paisagens são lindas (muitos campos de margarida) e as estradas são impressionantemente bem conservadas e sinalizadas. Se sua vontade é se jogar na estrada, vai fundo.

Versão deste post para impressão.

Personal Trip

About the Author

Flávia tem viagens planejadas para os próximos cinco anos, pelo menos. Só tem um porém: todas precisam de uma parada em Paris.

44 Respostas para “ Roteiro de carro pela Andaluzia ”

  1. Estivemos em Andaluzia, em maio/14, de carro é maravilhoso, a viagem é inesquecível, voltaremos em 2016.

  2. A Andaluzia é linda mesmo e garante uma viagem inesquecível. Estive lá em novembro de 2014 e estou compartilhando a experiência da viagem:

    http://www.amazonasemais.com.br/outros-destinos/espanha/andaluzia/ronda/perora-dos-pueblos-blancos-da-andaluzia/

  3. preciso de uma dica de viagem, pretendo sair de carro de Madrid no final da tarde em direção à Granada. onde dormir perto de madrid ? pensei em ir pela rodovia A 4 que parece ser mais rápida. alguém tem alguma dica ? vamos em meados de outubro.

  4. Oi Flavia! Olá meninas viajantes!
    Obrigada pelo retorno. Que bom que gostaram do Roteiro! As dicas de vcs me ajudaram muito!
    Então, conforme sugestões, farei assim:
    1) No Dia 09, só vou parar em Setenil de las Bodegas*; em Grazalema* (para almoçar); e em Arcos de La Frontera*. De Arcos de La Frontera, partir para Cadiz ( e dormir em Cadiz);
    2)no dia seguinte (10 dia), passearei pela cidade, darei um pulinho em Vejer e depois já partir para Sevilha. Tentarei ir a Puerto de Santa Maria, conforme Clarissa instruiu.
    3) quanto aos ingressos da Alhambra, estou esperando liberar a compra no site. Irei somente em outubro. Ficarei esperta quanto ao cartão de crédito.
    4)Sairei de Atocha para o aeroporto Barajas no trem da RENFE que vai direto para o terminal 4 (meu vôo sai deste terminal).
    5)Outra coisa: Conversando com pessoas que conhecem a Andaluzia, me recomendaram passar uma noite em Córdoba pq há mais coisas pra fazer além da Mesquita. Nesse sentido, como chego no décimo dia de viagem à Sevilha, no décimo segundo dia (dia 12), no lugar de voltar para o hotel e dormir em Sevilha, pegarei um trem que sai da cidade às 18.25 e chega às 19.07 em Córdoba. Passarei a noite lá e no dia seguinte pego o trem mais tarde que tiver para Barcelona (pelo que vi às 15.42). Então, gostaria de saber se o Hostal Maestre que vcs ficaram, tem quarto de casal com banheiro privativo e se vcs acham que vale a pena para um casal de trinta e poucos anos. Pela internet, consultando o site deles, não entendi muito bem a diferença entre a proposta de Hostal, Hotel e Apartamentos Maestre. Rs.
    Abs.

  5. Vou fazer este roteiro na Espanha, entre 09 a 19/07/14…vocês podem me enviar dicas de como aproveitar melhor o meu passeio, sugerindo lugares para eu visitar nestas cidades…..

    08 – Terça – SP – > Madrid
    09 – Quarta – Madrid
    10 – Quinta – Madrid -> Toledo ( 72 km) -> Córdoba (345 km)
    11 – Sexta – Córdoba
    12 – Sábado – Córdoba -> Sevilha (139 KM)
    13 – Domingo – Sevilha
    14 – Segunda – Sevilha -> Jerez de La Fronteira (91 km) -> Granada (262 Km)
    15 – Terça – Granada
    16 – Quarta – Granada -> Cartagena (294 Km)
    17 – Quinta – Cartagena -> Almeria ( 190 km)
    18 – Sexta – Almeria -> Torremolinos (219 Km) -> Málaga (15 Km)
    19 – Sábado – Málaga
    20 a 26 – Marrocos
    27 – Malaga -> Madrid
    28 – Madrid
    29 – Brasil

  6. Oi Paula! Achamos seu roteiro ótimo. A gente tem apenas algumas considerações, para você avaliar.
    . Achamos que o dia 9 está muito corrido, já que você está programando passar por seis cidades (incluindo Cádiz). Como você deve chegar tarde a Cádiz, talvez seja melhor no dia seguinte passear pela cidade e depois já partir para Sevilha. Quando fui, eu só passei por Jerez de la Frontera porque Cádiz estava em greve geral e não consegui nem tomar café da manhã, mas um espanhol havia me dito que a cidade não estava entre as mais interessantes da região e eu não fiquei muito impressionada mesmo…
    . A viajante Clarissa, que conhece bem a Espanha, sugere que neste 10º dia você tente ir a Puerto de Santa Maria, que é do lado de Cádiz e dizem ser muito bonita
    . Não sabemos sobre restrições a carros nessas cidades menores espanholas, como acontece na Itália. Nunca tivemos problemas com isso, mas pode ter sido apenas sorte nossa
    . Com relação a Alhambra, além de ter que comprar os ingressos com antecedência, você precisa levar o mesmo cartão de crédito usado na compra para poder retirar os bilhetes lá
    . Para encerrar, a Clarissa também recomenda que você saia de Atocha para o aeroporto de metrô, em vez de ônibus. Por causa do horário, você pode pegar muito trânsito nesse deslocamento
    Esperamos ter ajudado.
    Boa viagem!
    Abraços
    Flávia

  7. Oi Meninas,
    Tudo bom? Nunca postei aqui, mas admiro muito o blog de vcs. É o seguinte: estou indo pela primeira vez para a Espanha em outubro. Comprei passagens indo e voltando por Madri pq se tratava de uma megapromoção! Então, tomei a liberdade de colar o roteiro aqui em baixo pra que vcs, se puderem, possam dar sugestões.
    Minhas maiores dúvidas são as seguintes: 1) dá pra chegar em Cadiz de carro ou a gente leva multa igual na Itália que tem áreas históricas em que é proibida a circulação de carro? 2) Vcs acham que devo passar a noite em Arcos de La Frontera, Cadiz ou Vejer de La Fronteira? A princípio, optei por Cadiz; 3)Meu roteiro é factível? No mais, abraços e obrigada. Segue o roteiro:
    Dia 01 – chegada à Madrid
    Dia 02 – Madri –
    Dia 03 – Madri –
    Dia 04 – Madri – Toledo – Madri
    Dia 05 – Madri
    Dia 06 – Madri – Granada (dormir em Granada)
    Dia 07 – Granada (Fazer Alhambra) – dormir em Granada
    Dia 08 – De Granada para Ronda
    Plano: Alugar carro em Granada – De Granada para Ronda (de carro) – Parar em Antequera para almoçar ou tapear – Dormir em Ronda
    Dia 09- De Ronda à Cadiz pelos Pueblos Brancos (de carro) – total de 232 km
    Plano: Parar em Setenil de las Bodegas*; em Grazalema* (almoçar em Grazalema); em Ubrique* (para ver as ruínas romanas e tomar um café); e parar em Arcos de La Frontera*. De Arcos de La Frontera, partir para Cadiz (dormir em Cadiz).
    Dia 10 – De Cadiz à Sevilha – total de 214km
    Plano: Parar em Vejer de La Frontera ; Partir para Jerez (almoçar em Jerez ); De Jerez para Sevilha . Entregar o carro em Sevilha.
    Dias 11 e 12 – Dois dias inteiros em Sevilha
    Dia 13 – De Sevilha para Barcelona (trajetos de trem)– Fazendo pitstop em Córdoba para ver a Mesquita – Plano: Pegar trem de Sevilha para Córdoba (45min) (09:45-10:26). Pegar trem de Córdoba para BCN (4h10min)(17h-21h10) – dormir em Barcelona
    Dia 14 – BCN
    Dia 15 – BCN
    Dia 16 – BCN
    Dia 17 – BCN
    Dia 18 – BCN para Madrid (trem de alta velocidade para Madrid – Renfe – trem de 15h às 17h45) – ônibus da estação Atocha para o aeroporto Barajas – avião de Madrid para Brasil(vôo 21:35).
    O que vcs acham? Abs,

  8. Oi Antonio, tudo bem?
    Eu acho que três dias inteiros em Sevilha são um ótimo período para você conhecer a cidade sem pressa. Mas se você fizer questão de conhecer mais uma cidade próxima, pode considerar ir a Córdoba, que fica a pouco mais de 140km de distância e é pequena, você pode visitar em um dia. A viagem de trem leva pouco mais de 40 minutos entre uma cidade e outra e no site da Renfe você pode ver os preços. Só sugiro não comprar em cima da hora porque os preços costumam aumentar. Carro pode ser uma opção se você tiver alguém com quem dividir os custos de aluguel e combustível. Não sei opinar sobre ônibus.
    Espero ter ajudado.
    Boa viagem.
    Abraços
    Flávia

  9. Olá, ficarei em Sevilla de 04/06 (à tarde) até 08/06 (meio dia). Depois volto pra MADRID e depois Brasil. Como vê terei pouquíssimo tempo na Andaluzia. É possível nesse período de tempo apertado a Granada (bate volta)? Ou a algum outro local recomendado na Andaluzia?
    Carro, ônibus, trem?

  10. Olá, parabéns pelo blog!

    Estou indo pra Espanha (pela 3a vez) final de maio e quero conhecer a andaluzia. Vou de avião para Sevilha e ficar uns 3 dias. Daí pensei em ir até Málaga e fazer de lá minha base para ir até Marbella e outras cidedas próximas. O que vc sugere? Li que vc não gostou das praias em Málaga, pq? Tem alguma diga de cidade imperdível por aquelas bandas? Obrigado

  11. Legal, boa viagem!

  12. obrigada, clarissa. acabei fazendo o contrário. chego em lisboa, vou pra barcelona, madri e depois andaluzia (estou muuuuito inclinada a fazer um roteiro de carro de cinco dias, para conhecer cidadezinhas e tal, só estou com medo do lance dos estacionamentos). vou estudar com mais calma. =)
    obrigada!

  13. Oi, Rebeca. Olha, acho que seria mais prático ir mesmo de Lisboa para Sevilha, fazer a Andaluzia e ir subindo pra Madri e BCN, isso se pensarmos que quanto menos deslocamentos, melhor, e geograficamente é a melhor opção. A gente nunca fez este primeiro trajeto de trem, então, acho que para saber se vale a pena, só mesmo comparando os preços no site da renfe.es e os aéreos (um buscador legal é o trabber.es ou o Skyscanner) para você montar o roteiro para ver o que vale mais a pena em termos de tempo e dinheiro. Boa viagem! Abs

  14. oi, pessoal,
    vou fazer uma viagem portugal e espanha. na espanha pretendo visitar andaluzia (sevilha, córdoba, granada), madri e barcelona. ainda não consegui organizar a ordem de visita e os transportes. saindo de lisboa, é melhor ir pra sevilha de trem? ou ir para madri de avião, depois descer pra sevilha e as outras cidades e terminar em barcelona (indo de avião)? como podem ver, estou bem confusa. obrigada!
    beijos,
    rebeca

  15. Olá, vou fazer uma viajante semelhante a de vocês aqui em Dezembro.

    Sou estudante e o orçamento está apertado…vcs tem dicas de estacionamento (de preferência gratuitos) na cidade? Não me importo de ser longe do centro…pq gosto muito de caminhar!

    Muito obrigado!

  16. Oi Therezinha, obrigada pela colaboração.
    Abraços
    Flávia

  17. Realmente Sevilha é lindíssima e muito agradável, estive lá por 2 dias e meio e adorei. Além do centro histórico que é um dos mais bonitos que já vi, apresenta opções variadas de lazer, no verão seus habitantes e visitantes se divertem com programações ao ar livre, tornando o lugar acolhedor e muito jovial. As opções de hospedagem são muito boas e percebi que a grande maioria dá acesso a locais de diversão. é uma cidade organizada, bonita, com um bom atendimento ao turista. Os Jardins de Maria Luiza, Praça de Espanha, enfim é tudo muito especial. Reparei que embora no verão apresente altas temperaturas, mas percebi que é também um lugar muito legal para passear com as crianças. A facilidade de alimentação em restaurantes agradáveis e descontraídos, também faz a diferença.
    Madrid é uma cidade linda e muito charmosa, sugiro não deixar de fazer a paradinha na Puerta del Sol e desfrutar do agito.

  18. Oi Carlos, não sei sobre taxas, mas qualquer simulação que você faça nos sites das locadoras vai te dar os valores com essas taxas.
    Espero ter ajudado.
    Abraços
    Flávia

  19. Ei,Tudo bem?
    Eu e minha namorada vamos em setembro para lisboa e depois para sevilha. Pensamos em alugar um carro para ir de lisboa a sevilha. Estamos em duvida a respeito das taxas para devolver o carro na espanha. Vc sabe algo sobre isto?
    Abracos
    Carlos.

  20. Flavia
    Esqueci de mencionar, de repente de Madrid, conseguimos fazer um day trip ou mesmo passar uma noite em Salamanca, o que acha ?
    Obg

  21. Oi Daniela, por partes: 🙂

    1. Eu não sei opinar sobre Andorra, porque não conheço; mas Barcelona é uma cidade bem rica em atrações, então ficar mais do que 4 dias não seria um problema
    2. Acho que para optar entre Andaluzia ou San Sebastian, você deve se orientar pelo Weather Channel. Isso porque no verão as temperaturas ficam em torno dos 40°C na Andaluzia. Por outro lado, como San Sebastian é bem ao norte da Espanha, as temperaturas em meia estação (primavera ou outono) tendem a ser mais baixas
    3. Eu não teria como opinar com relação a outras regiões da Espanha, porque não fui além de Madri e Barcelona, mas acho essa programação 3-2-1 bem boa para a Andaluzia. E essa é uma região muito rica, por conta do período de dominação árabe. É uma mistura interessante.
    4. Sobre uma day trip para a Salamanca, são umas duas horas e meia de estrada, se vocês forem de carro. Aí cabe a vocês avaliarem, mas meu marido, por exemplo, não encara cinco horas de estrada mais um dia explorando uma cidade. Acho que pernoitando é mais confortável.
    Espero ter ajudado
    Boa viagem
    Abraços
    Flávia

  22. Oi Flavia,
    Obrigada pela resposta.
    A minha ideia é passar 2 dias inteiros em Sevilla. Teremos tempo para isso. Quais são as minhas dúvidas:
    1) Fico mais tempo em Barcelona – Mais do que 4 dias inteiros e visito Andorra ou mesmo as caves;
    2) Ao invés de ir para Andaluzia – vamos para San Sebastian;
    3) Dedico mais tempo para Andaluzia – Com 3 dias inteiros em Sevilla, 2 dias inteiros em Granada e 1 dia em Cordoba.
    Ufa, é isso.
    Obrigada mais uma vez pela pronta resposta.
    Hoje ligarei para uma amiga que morou em Madrid e Barcelona. Ficou uns 3 anos na Espanha. Ainda fez o Mestrado em Salamanca
    Bjs e obg

  23. Oi Daniela, fico muito feliz que tenha gostado do post.
    Eu acho que você está dedicando pouco tempo a Sevilha. Se não entendi errado, você chega de Barcelona, pernoita, passa um dia, pernoita de novo e vai embora. É isso? Se for, acho pouco. Sevilha é, na minha opinião, a cidade mais legal da Andaluzia. É viva, tem muito registro da época da dominação moura e é um lugar bem boêmio também (eu curto). Se sua passagem por Granada não incluir a visita a Alhambra (precisa comprar antecedência), eu pularia a cidade. Reservaria mais um dia para Sevilha e outro para Córdoba que é bem pequenininha mas tem a catedral que é maravilhosa. Seria um dia bem tranquilo, de descanso mesmo.
    Sobre esticar em Cádiz, eu tenho dúvidas. Acho que depois de Sevilha e Córdoba, pode ser meio decepcionante. E seu intenção é curtir praia, se não estiver no verão mesmo, pode complicar, porque a água é fria e venta muito. Confesso que minha percepção da cidade foi meio comprometida porque chegamos num fim de tarde e no dia seguinte era greve geral – tudo fechado, não tínhamos nem onde tomar café da manhã. Então eu posso estar sendo injusta. Arcos de la Frontera, por exemplo, me emocionou bem mais.
    Não sei se você viu no blog o post da Clarissa, que aborda várias cidades que você está pensando em visitar: ela, por exemplo, gosta mais de Granada do que eu. 🙂 http://asviajantes.com/viagem/espanha-em-tres-roteiros-basico-gourmet-e-praiano
    A Clarissa também foi a San Sebastian, o post dela pode te ajudar a decidir: http://asviajantes.com/viagem/pais-basco-ongi-etorri
    Espero ter ajudado.
    Boa viagem!
    Abraços
    Flávia

  24. Oi Flavia,
    tudo bem ?
    Eu e meu marido ficaremos 13 noites na Espanha.
    A ideia é fazer 3 noites em Madrid
    Ir de Trem AVE para Barcelona, passar 4 noites, talvez incluir mais um dia para ir até Andorra e dormir lá.
    Pegar avião de Barcelona para Sevilla, ficar 2 noites, alugar um carro e ir para Granada, passando por Cordoba, dormir uma ou 2 noites, retornar, passar por Toledo e entregar o carro em Madrid e ir para o aeroporto.
    O que vc acha ? Tentaria reduzir o tempo em alguma cidade e acrescentar outra, como Cádiz por exemplo.
    Ou mesmo ficar mais ao norte e incluir San Sebastian, de repente.
    O seu post é muito bom, disparado o melhor que encontrei na web, está de parabéns.
    Obrigada

  25. Oi Lorena,
    Nós achamos as estradas excelentes, muito bem cuidadas e muito bem sinalizadas. Essa foi nossa primeira viagem de carro fora do país e lembro que ficamos muito bem impressionados. Infelizmente, eu não sei dizer por quais estradas passamos. Mas posso te garantir que foi bem fácil. Na época o GPS não era algo corriqueiro (nem lembro se existia) e nos orientamos pelas placas e pelo trajeto sugerido pelo viamichelin.com. Esse site é ótimo, você coloca os destino e ele aponta o caminho a ser seguido, indicando o tempo de viagem, o custo estimado de combustível e até se tem pedágios no seu caminho. Recomendo você colocar seu trajeto nele. Sobre voltar de Granada para Madri de carro, são quase cinco horas de viagem e a chegada em Madri é bem confusa (foi onde nos enrolamos mais). Talvez mais confortável ir de ônibus mesmo ou devolver o carro em Sevilha e ir de AVE (trem de alta velocidade) até Madri. Sobre dirigir na neve, eu nunca vivi essa experiência mas já li em diversos lugares que é bem perigoso, que a pista fica muito escorregadia. Mas quanto a chuva não me preocuparia, pegamos bastante água indo de Córdoba para Madri e deu tudo certo.
    Espero ter ajudado.
    Boa viagem.
    Abraços
    Flávia

  26. Olá, Flávia!
    Estamos planejando, meu marido e eu, uma viagem no final do ano e a nossa ideia é passar 6 dias na andaluzia. Pensamos em chegar de avião por Sevilha, alugar um carro para seguir até Granada, parando em Arcos e Ronda; devolver o carro em granada e pegar um ônibus noturno para Madrid (ou seguir de carro). Não pretendemos descer ao litoral porque será muito frio. O que você achou das estradas? Vocês sabe me dizer por qual(is) vocês passaram? Estamos considerando tudo, sobretudo o fato de que pode estar chovendo ou nevando.
    Lorena

  27. Oi, Everaldo, foi mal, acabei te recomendando o contrário. Se você for pela A5, vale dar uma paradinha em Mérida, na Extremadura, que é linda e está a umas duas horas de Sevilha. Se você for pela A4, pode parar em Córdoba (que é perto de Sevilha, a mais ou menos 1h45 de lá) ou desviar um pouco do caminho e parar em Toledo (dá pra chegar a ela pela A5 e A4), já mais próxima a Madri (porém, serão umas cinco horas de estrada). Bem no meio de Sevilha e Madri está Ciudad Real, mas não é uma cidade tão interessante quanto as que eu mencionei. Para visualizar melhor, clique aqui: https://maps.google.com.br/maps?saddr=Sevilha,+Reino+da+Espanha&daddr=Madri,+Reino+da+Espanha&hl=pt-BR&ll=38.899583,-5.042725&spn=4.411463,7.064209&sll=38.71258,-5.206995&sspn=4.423129,7.064209&geocode=FfBpOgId-YCk_ymRYr4UEWwSDTFIVv4cYhjwNA%3BFbO1aAIdh4nH_ynJZjc4fShCDTF9mVDtwJxGrQ&oq=Madri&mra=ls&t=m&z=7
    Um abraço!

  28. Oi, Everaldo!

    A cidade maiorzinha que fica bem no meio é Ciudad Real, que não é muito interessante. Você poderia sair por volta de 8h/9h de Madri e chegar a Córdoba mais ou menos na hora do almoço. Isso se você pegar a A4. Se você pegar a A5, vai passar pela Extremadura e pode parar em Mérida, que é uma cidade bem bonita, eu adoro. Abraços!

  29. Olá,
    Estou planejando numa viagem pela Espanha, fazer o trecho Servilha-Madri de carro, em um dia. Onde vale a pena parar para fotos e almoçar? Preciso de atenção especial com a segurança? Existe mais de uma rodovia?

  30. Gostei da descrição da viajem pela Andaluzia mas aconselho a passar mais tempo em Jerez de la Frontera para visitar as bodegas do Tio Pepe e a Pedro Domecq e o fantástico espectáculo da Real Escuela Andaluza de Arte Equestre.Os hóteis fazem as marcações.
    Para passear de automóvel pela Europa é fundamental um bom GPS actualizado e na marcação do hotel incluir o estacionamento do veículo.O GPS TonTon LIVE é uma óptima companhia.

  31. Oi Carolina!
    Quando fui, usei como guia as orientações do site http://www.viamichelin.com. Fui preenchendo meu itinerário cidade a cidade, imprimi as indicações e usei como guia. Não foi complicado, mas acho que o GPS é mais confortável, vale o investimento se você puder fazer. Das cidades onde vocês estarão de carro, eu só passei por Granada e Málaga. Em Granada nós conseguimos encontrar uma vaga numa rua um pouco afastada do hotel onde não havia parquímetro. Em Málaga nossa única opção foi um estacionamento subterrâneo pago mas que tinha convênio com nossa pensão. Se os hotéis não tiverem estacionamento, muito provavelmente vocês terão que pagar para estacionar o carro ou estarão sujeitos a multas.
    Entre Sevilha e Granada, não sei qual seria a melhor parada. Málaga tem construções históricas bem interessantes, mas se a ideia for curtir a praia, não indico.
    Espero ter ajudado.
    Abraços e boa viagem!
    Flávia

  32. Oi Flavia!
    Em setembro agora vou com meus pais e avô para Espanha.
    Depois de Barcelona-Madri-Sevilla (que faremos de trem), pegaremos um carro em Sevilla, de onde iremos para Granada (tenho dúvidas de onde parar no caminho RONDA – MARBELLA – MALAGA?). Ficaremos então duas noites em Granada (um dia reservado e comprado La Allambra, rs!), Murcia (duas noites)e Valência (onde entregamos o carro).
    Não aluguei GPS porque achei muito caro, vc acha necessário?
    Outra dúvida que tenho é se nessas cidades é tranquilo estacinamento para o carro.
    Obrigada!
    Carolina

  33. Oi Julia, que bom que gostou do blog.
    Pela vivência que eu tive nessas cidades, passaria oReveillon em Sevilha. Achei essa a cidade mais animada da Anadaluzia. Outro fator a considerar é que Granada é uma cidade com muitos estudantes, que podem ter viajado para passar as festas de fim de ano com suas famílias.
    Espero ter ajudado.
    Boa viagem
    Abraços
    Flavia

  34. Oi, Flávia.
    Gostei muito do seu blog e estou usando suas dicas para montar meu roteiro de viagem que farei no final do ano. Seremos eu, meu marido e meu filho de 13 anos. Chegarei em Madri no dia 26/12 e retornamos por Lisboa no dia 11/01. Nossa idéia é fazer um roteiro pela Andaluzia, alugando um carro a partir de alguma cidade que chegaríamos por trem de alta velocidade vindo de Madri. A minha dúvida é se é melhor fazer Madri-Córdoba-Granada-Ronda-Sevilha-Évora-Lisboa ou Madri-Córdoba-Sevilha-Ronda-Granada-Évora-Lisboa. Na primeira opção, passaríamos o Reveillon em Granada e na segunda opção, em Sevilha. O que você acha? Alguma outra sugestão?
    Bjs e obrigada!

  35. Oi Debora, que bom que gostou do blog!
    Eu adorei Arcos, mas acho que Sevilha valeria até mais do que esses dois dias que você vai passar lá. Eu acho a cidade mais viva.
    Boa viagem!
    Abraços
    Flávia

  36. Bom dia! adorei o blog! vou para espanha em agosto, passarei 1 dia em granada (ja comprei minha entrada para alhambra) e 2 dias em sevilha…vi a parte de arco de la frontera e fiquei afim de ver…vale a pena tirar um dia de sevilha para ir para la?obrigada!

  37. Oi Juliana, claro que lembro de você!

    Eu acho que vale a pena esse bate e volta até Arcos sim. Se tiver a oportunidade, prove o caldo de caracoles do El Zindicato, que é um bar ótimo de tapas. Não sei se eles servem o prato todo dia e soube que mudaram de endereço recentemente, indo para a parte mais baixa da cidade. Mas dizem que a cozinha continua excelente.
    Recomendo que fique atenta quanto às proibições a tráfego de carros e estacionamento. Como a cidade é histórica, há um bocado de restrições no centro.
    Aproveite a viagem!

    Beijos

  38. Oi Flavinha,
    Tudo bem? Lembra de mim? Então… queria tirar uma dúvida com você. Vou fazer um roteiro de carro pela Espanha – saindo de Madrid, vou a Sevilha, Cordoba, Granada, Valência e Barcelona – e queria saber se você acha que vale, estando em Sevilha, fazer um bate e volta até Arcos. Vi que é 1h30 até lá… e vou agora em junho, quando os dias já estão bem longos. O que vc acha?

  39. Oi Fabiola, que bom que você gostou dos relatos. Quanto à sua dúvida, Madri é uma cidade beeeem diferente de Barcelona e eu acho que 4 dias é um tempo bem razoável para conhecê-la. Gosto mais de lá do que de Barcelona. Já para percorrer a Andaluzia eu acho quatro dias pouco, algumas cidades merecem mais do que um dia de visita. Mas se você estiver disposta a fazer um roteiro enxuto pela região, eu sugiro três dias em Sevilha (minha cidade preferida na Espanha) e um em Córdoba. As construções mouras valem a pena.
    Espero ter ajudado. Boa viagem!
    Beijos, Flávia

  40. Olá Flávia!

    Parabéns, ando viajando nos seuu relatos de viagem. Muuito bom!!

    Tenho um grande dilema: Madrid ou Andaluzia??
    Ficarei obrigatoriamente 5 dias em Barcelona e disponho de mais 4 dias para “passear” pela Espanha (que não conheço).
    Como Barcelona já é uma “capital”, pensei em perder Madrid e me aventurar pela Andaluzia..
    Acha que a troca compensa?

    Obrigada

  41. Oi Rodrigo,

    de Sevilha para Córdoba são 138 km, então a gente acha que dá uma boa day trip sim. Até porque a cidade é bem pequena e um dia é tranquilo para conhecer. Já para Granada desde Sevilha são 256 km, o que a gente acha um pouco demais para ir e voltar no mesmo dia. Com relação às estradas, não se preocupe, elas são ótimas e muito bem sinalizadas.

    Esperamos ter ajudado.

    Boa viagem!

  42. Olá,

    gostaria de saber se vcs acham que dá para ir a Granada e voltar no mesmo dia partindo de Sevilha?

    As estradas permitem uma viagem rápida??

    E para Córdoba, dá para ir e voltar??

    Grato,

    Rodrigo.

  43. Muuito legal, os dois primeiros posts atuais são viagens que quero muito fazer. De novo parabéns pelo blog. Bjos

  44. Adoro todos esses lugares e a boa realmente é alugar um carro e desbravar a Anda Luzia, imperdível!

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>