• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Riviera Maya: o Caribe mexicano

Tulum: ruínas de frente pro mar

Quando eu entrei para a faculdade e me apaixonei por tequila, fiz com as minhas amigas um pacto de que nossas primeiras férias depois que nós já tivéssemos nosso salário seria no México. Já faz alguns anos que eu estou de posse do meu diploma, minha carteira de trabalho foi assinada e a tal promessa – sempre renovada diante de muitos shots da tradicional bebida mexicana – nunca foi cumprida.

Na verdade, foi um casamento que me levou ao México. O desejo da minha cunhada de selar seus votos diante do mar azul turquesa do Caribe permitiu essa viagem há muito tempo sonhada e planejada. O tempo era curto: uma semana. E o destino já estava programado: a Riviera Maya, que é onde fica a parte caribenha do México e um dos destinos preferido dos brasileiros – Cancun.

Quem quer conhecer o mar azul turquesa do Caribe mexicano tem três opções de destino: Cancun e toda as suas opções de facilidade e diversão, Playa del Carmen, a cidade vizinha que é infinitamente menor e oferece um pouco mais de originalidade e os imeensos resorts que ocupam toda a praia depois de Playa de Carmen. Estes são perfeitos para quem prefere o estilo sombra e água fresca com all inclusive.

O site oficial da Riviera Maya é também super explicadinho.

PLANEJANDO

Casamento no Caribe mexicano

Recentemente o governo mexicano aboliu a necessidade de visto para brasileiros que têm visto americano. O mesmo vale pra quem tem passaporte europeu. Se não você não se enquadra em nenhuma das duas categorias precisa tirar o visto. Os consulados do Rio e de São Paulo oferecem a possibilidade de um visto eletrônico.

As companhias aéreas são a outra parte chata de chegar até o México. Quem sai do Rio ou faz escala em São Paulo e segue para cidade do México com a Mexicana, ou faz escala no Panamá com a Copa Airlines ou pior nos EUA (nesse caso é preciso ter visto americano, mesmo que você faça apenas o translado). Seja qual for a opção a viagem acaba sendo mais longa e cansativa do que deveria. A não ser que você consiga uma daquelas promoções de última hora a Copa costuma ter tarifas mais em conta, o chato é precisar encarar horas de espera pra conexão no cidade do Panamá.

Lembrando que se você tiver mais de seis horas de espera pode sair do aeroporto, caso contrário terá que se contentar em passado tempo nas lojas do free shopping.

Veja dicas do Panamá aqui.

UMA REGIÃO, MUITOS TIPOS DE VIAJANTE

Como eu já disse escolher onde ficar vai depender do seu perfil. Em Cancun você encontra todas as redes internacionais de hotéis. Já se for mochileiro ou preferir uma viagem mais original deve optar por Playa del Carmen, que tem um perfil bem parecido com algumas pequenas cidades brasileiras como Búzios, aqui no Rio. Já os fãs de resort poderão se fartar.

Momento all inclusive

Independentemente para onde você for, a saída do aeroporto é chata. Para Cancun os táxis demoram em média vinte minutos, para Playa del Carmen o tempo é mais que o dobro. Já nós, que ficamos no resort onde o aconteceria o casamento, encaramos quase 1 hora em um transporte fretado do próprio hotel. Esse tipo de serviço não está incluído no pacote mas é absolutamente necessário já que chegar aos resorts de ônibus é o primeiro passo para começar sua viagem de mau humor.

Além das opções de lazer dentro do local onde você optou por se hospedar – Cancun e seus restaurantes, praias e opções de lazer, Playa del Carmen com seus bares, feiras e o passeio até a Ilha de Cozumel, e os resorts com tudo que um lugar assim pode oferecer – há também uma série de passeios que podem ser feitos na região da Riviera Maya. Quem gosta de parques aquáticos, parques de diversão com aquelas atividades de aventura vai se fartar em Xcaret, Xplor e Xel-Ha. Já quem prefere passeios a sítios arqueológicos vai amar Tulum e Chichén Itzé. Para os amantes da natureza mergulhos (de snorkel ou garrafa), Cozumel, Isla de la Mujeres  e uma visita aos Cenotes são obrigatórios. Eu sugiro que se faça tudo, não importa o seu perfil.

Não importa onde você esteja hospedado para conseguir fazer chegar a esses lugares ou vai precisar alugar um carro ou então vai contratar um tour fechado com guia e translado. De novo eu recomendo que se faça tudo. Pra visitar os Cenotes e Chichén Itzá  o melhor é um tour mesmo porque as distâncias são grandes e o acesso complicado e você vai perder muito tempo tentando chegar lá. Já para Tulum é bom ir de carro pra ficar o tempo que quiser, aproveitar a praia que fica ao lado e rodar por ali sem pressa. No caso dos parques vale a conta aluguel do carro + ingresso X preço do pacote fechado.

CENOTE? X O QUÊ???

Playa paradiso, precisa falar mais alguma coisa?

Na Riviera Maya eles adoram um X. Guias, funcionários do hotel e folhetos turísticos nos contaram que a letra faz referência aos ancestrais que viveram lá. Os três maiores parques de diversão não fogem à tradição e acabaram com nomes esquisitos: Xcaret, Xplor e Xel-Ha. A junção dos fatores falta de tempo e atração por outros programas me fez abrir mão dos parques. Mas as impressões de quem se esbaldou entre piscinas de ondas, corredeiras e afins dão conta de que Xcaret é o maior e tem a maior quantidade de atrações. Por outro lado, Xel- Ha tem mais natureza e menos construções que deixam o parque mais bonito e dizem os guias que ficam em Xel-Ha o maior aquário natural do mundo. Xplor é bom pra quem já tem crianças um pouco maiores já que o forte são os esportes de aventura como tirolesa e corredeiras nada pacatas.

A caminho dos cenotes

Os parques ficaram em segundo plano porque eu quis explorar algo de que nunca tinha ouvido falar até pisar na Riviera Maya: os cenotes. Eles são uma espécie de rios/lagos subterrâneos formados pelo gotejamento do lençol freático. Um processo de milhões de anos que criou um ecossistema absolutamente incrível. Os cenotes só são acessíveis através de um tour organizado. Isso porque a grande maioria fica em uma área privada. Depois de ir de van até o início da propriedade a segunda parte é fazer um rali numa  espécie de buggy que é pilotado por você mesmo. Você pode optar em ir de carona com um dos guias – e vai pagar um pouco mais caro por isso – mas o meu conselho é que você mesmo vá dirigindo, essa é uma das melhores partes do passeio. O terreno é absolutamente irregular – com morros e pequenos rios no caminho – e a velocidade também é grande mas o veículo é super estável e a chance de você capotar ou algo assim é praticamente nula. Chegando ao destino você desce em uma caverna – capacetes com luzes – estão incluídos. A quantidade de estalactites e estalagmites impressiona mas nada comparado aos cenotes. Os rios e pequenos lagos têm um azul tão azul que deixam o azul turquesa do mar do Caribe até meio sem graça. Depois de caminhar no meio dos riachos você vai chegar a uma enorme lagoa onde poderá mergulhar. Você vai ficar dentro da caverna por aproximadamente 1 hora ou pouco mais, mas é o suficiente para fazer do passeio algo absolutamente inesquecível.

HISTÓRIA DOS MAIAS

Praia, parques, cavernas ou… ruínas

A Riveira Maya é o ponto de partida para visitar dois dos sítios arqueológicos mais importantes da civilização Maia: Tulum e Chichén Itzá. Tulum é a única cidade maia à beira mar e a combinação de ruínas e mar azul, azul, azul faz do programa algo absolutamente imperdível. O parque é bem organizado, com estacionamento e fica a mais ou menos uma hora de Playa del Carmen em uma estrada bem sinalizada e ótimas condições. Depois de visitar os sítios a boa é descer até a praia que fica logo abaixo para um mergulho. Como era de se esperar o local fica lotado e em busca de privacidade nós dirigimos mais 20 minutos O destino? Uma praia chamada Paradiso que faz jus ao nome. Lá dividimos espaço apenas com 2 quiosques que serviam bebida e comida. Vale o passeio.

Já para Chichén Itzá são três horas para ir e mais três para voltar. Ficamos sem tempo mas vale o registro aqui já que a pirâmide é não só o monumento maia mas famoso mas também um cartão de visitas mexicano.

Personal Trip

About the Author

Destinos exóticos e desconhecidos. É em lugares assim que Reba prefere passar as férias. Isso deve ser uma desculpa para poder passar os outros 11 meses do ano planejando a viagem.

7 Respostas para “ Riviera Maya: o Caribe mexicano ”

  1. estive em riviera maya mes passado, e lindo, maravilhoso, um mar lindissimo, povo hospitaleiro, vale a pena visitar.

  2. Oi Débora,
    Obrigada pela dica.
    Beijos

  3. Boa tarde!
    Gostaria de deixar uma dica para Leticia…
    Estivem em Cancún em Fevereiro, e simplesmente me apaixonei, porém não gostei de Playa Del Carmen. De todos os lugares que fui foi a praiai mais suja e sem graça que encontrei. Fica quase que uma hora de Cancun. Sujiro a Zona Hoteleira. O hotel sujiro Oasis Palm Baech. É simplesmente fantástico!

  4. Oi Letícia,
    Minha cunhada se casou no Barceló de Playa del Carmen A cerimonia foi linda!! O hotel é quem organiza tudo mas sinceramente eu não tenho noção do preço. Ela mora nos EUA e fechou todo o pacote por lá, o que certamente faz diferença no custo. De qualquer forma o site tem as instruções, dê uma olhada lá. E prepare-se, é uma experiência realmente inesquecível.
    Beijos!

  5. Olá Reba,
    Estou planejando passar 10 dias na Playa del Carmem. Pensamos em ficar em um resort, e fazer uma cerimonia de casamento. Como vamos nos casar no civil no Brasil, gostaria só de fazer a cerimonia mesmo, só nos dois, em frente ao mar.
    Vc tem alguma dica de hotel?
    obrigada,

  6. Estando em Playa del Carmen, uma boa opção também é pegar uma barca pra Cozumel, ilhota a poucos quilômetros dali e um dos melhores lugares do mundo para mergulhar. Outro programa legal é alugar uma scooter e dar a volta na ilha. Vale a pena.

  7. Volveremos.

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>