• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Restaurantes em Búzios: entre o pé na areia e a sofisticação

Relax no Anexo Praia

Há alguns anos, num fim de semana primaveril, peguei o carro (eu ainda tinha um) com a viajante Flávia Motta rumo a Búzios. Fazia muito tempo que eu não pisava na cidade (só tinha ido lá quando era criança) e na programação tínhamos duas paradas obrigatórias, recomendadas por uma amiga dela super local: o Bar do Zé, que fica na Orla Bardot, 382, e o Bar dos Pescadores em Manguinhos, de cuja cozinha saíam pratos com pescados fresquíssimos e um pastel de camarão dos deuses. Esses lugares ainda existem hoje e continuam bombando, mas, muita coisa mudou desde 2003. O primeiro continua descolado mas subiu muito de preço (não se engane pelo nome de boteco, o dress code lá é “praia sofisticada”) e o segundo… Bem, abaixo eu conto o que aconteceu com o segundo.

Passei anos (de novo) sem voltar a Búzios e quando voltei com meus pais (que compraram casa lá e agora são locais também) tomei um choque. O restaurante dos pescadores, que ficava perto de Geribá, num terreno escondido, aonde íamos de chinelo (pé na areia feelings) agora é parte de um megacomplexo gastronômico onde há vários restaurantes e bares. Ele continua no estilo simples (só que com preços mais altos) e confesso que na hora em que vi não curti muito, mas hoje me rendo. O Centro Gastronômico Porto da Barra, em Manguinhos (agora com nome e tudo), ficou o máximo e é um dos lugares mais bacanas da cidade para ver o pôr do sol. O meu bar/restaurante preferido ali é o Anexo Praia. Existe também o Anexo Bar, na Orla Bardot, que é bacaninha (lembro que depois do Bar do Zé eu e a Flávia fomos tomar umas nesse Anexo), mas tunch-tunch-tunch noturno dele não se compara com clima o lounge relax da versão praiana. Para brindar o fim do dia lá, voto pedir um clericot, drinque da moda no verão passado no Rio, uma espécie de sangria feita com vinho branco ou espumante.

Clericot antes do anoitecer

Se a ideia é comer mesmo, a lista é enorme, mas aqui vão os meus favoritos. O Peixe Vivo fica também na Orla Bardot, de cara para o mar (em dia de ressaca não fique nas mesas da beira), e, apesar do nome caiçara, é um italiano delicioso. Outro de massas e de comida mediterrânea próximo a ele é o Deck, que fica no hotel Casas Blancas, do outro lado da Orla Bardot (número 714). Se o estômago pedir comida típica (sempre vale a pena levar os amigos gringos a Búzios), vá sem pestanejar ao Restaurante Gisele (Avenida José Bento Dantas, 5.100), em Geribá. Gisele Corrêa, mineira, trabalhou no Bar dos Pescadores (foi a responsável por seu sucesso lá no início dos anos 2000), mas abriu seu negócio há algum tempo. Fofo, fica em meio a um jardim (a chef também é paisagista) e a especialidade é comida mineira. Gisele faz questão de trazer tudo da sua terra, de linguicinhas a carnes, mas sem abrir mão dos pescados locais da Região dos Lagos. Meu petisco preferido: o pastel de angu. E a feijoada dos sábados é uma das melhores que provei na vida.

Outro restaurante que me tem como habituée é o Sol de Geribá, que fica na Avenida Geribá, 78 . Uma das poucas opções boas e baratas da cidade, o lugar tem comidinha da vovó, mas muuuito caprichada, pois o dono foi chef do top top Satyricon (na Orla Bardot). Pedir o peixe do dia empanadinho (sequíssimo) com arroz, feijão, batatas e farofa faz me sentir em casa.

Uma das primeiras vezes que provei comida tailandesa foi em Búzios, no Sawasdee. É bem verdade que tomei um pouco de implicância com esse restaurante depois que me senti maltratada na filial do Fashion Mall, no Rio de Janeiro, mas a de Búzios é uma graça. E a comida, muito boa.

E aqui vão três dicas de restaurantes que não conheço ainda, mas que foram aprovados pelos meus pais. Acredite, eles são exigentes. São: o argentino Estância Don Juan, para os amantes de carnes (“a picanha de cordeiro é maravilhosa”, segundo minha mãe), a trattoria Parvati (Búzios virou meca de italianos, como você pode ver) e o Salt (Orla Bardot, 468), que fica numa casa antiga e tem culinária contemporânea.

Desde que virou queridinha dos estrangeiros (franceses e argentinos, na maioria), Búzios sentiu a necessidade de adaptar-se também à mesa. E já deu para perceber que os preços acompanharam o sucesso. Uma boa época para conhecer esses e muitos outros restaurantes da cidade por um preço mais razoável é durante o Festival Gastronômico. O deste ano já rolou (em julho), mas fique ligado no ano que vem.

Imprima este post aqui.

Personal Trip

About the Author

Depois de três anos morando na Europa, Clarissa foi multada ao voltar ao Brasil. Motivo: excesso de bagagem. Mas não se arrepende. Afinal, eram muitas histórias e dicas para trazer na mala e ela não queria deixar nenhuma para trás.

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>