• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Paris com pouco dinheiro

O Louvre oferece descontos em visitas noturnas

O fato de Paris ser oficialmente uma das cidades mais caras do mundo pode fazer com que muita gente pense que uma temporada por lá seja daqueles projetos difíceis de executar. Eu não vou negar que Paris é cara mesmo, mas me sinto na obrigação de dizer que se você quer conhecer a cidade mas acha que não tem dinheiro para isso, esse post vai fazer você repensar seus conceitos.

Nas quatro vezes em que estive em Paris meu orçamento era apertado. Resultado: eu não tenho nenhuma dica de um bistrozinho incrível num bairro charmoso. Mas sei onde fazer um piquenique inesquecível e garanto que certos inpedimentos econômicos nunca me fizeram menos feliz em Paris do que em outras cidades. Agora, chega de blá-blá-blá e vamos às dicas.

No Orsay a entrada é gratuita no primeiro domingo de cada mês

DESCONTOS E GRATUIDADES – Se você é professor ou jornalista, esteja sempre com sua carteira profissional (aquela do sindicato) à mão: esses dois tipos de profissionais não pagam entradas nos museus da cidade. Se você não é professor nem jornalista, mas tem menos de 25 anos, sempre pergunte sobre o desconto ‘moins 25 ans’: em boa parte dos principais pontos turísticos, quem ainda não chegou aos 26 anos tem descontos razoáveis nas entradas.

Não se enquadra em nenhum destes casos? Pois saiba que há lugares que oferecem preços especiais, mais baixos, em determinados horários. O Louvre, por exemplo, oferece a visita noturna (18h às 21h45) por 6 euros, 3,50 a menos que a visita normal. Além disso, praticamente todos os museus de Paris têm um dia de visitação gratuita. Basta você dar a sorte de eles baterem com a época da sua viagem. O Louvre e o Musée d’Orsay têm entrada livre no primeiro domingo de cada mês. Para se informar melhor, não perca tempo e vá à tenda de informação turística oficial mais próxima, elas dão pequenos guias da cidade, com informações fundamentais.

O Sena visto do alto da Torre Eiffel

EVITANDO GASTOS DESNECESSÁRIOS – Como eu já disse em outro post aqui no blog, a tentação de ver Paris de cima em todo canto é grande. Mas se a ideia é economizar, você vai ter que resistir. E eu juro que a única subida que realmente vale o investimento é a da Torre Eiffel. O topo da torre é o ponto mais alto de Paris e você não terá vista mais ampla da cidade. Se tiver fôlego, você ainda pode economizar subindo a parte baixa da torre de escadas e só pegando elevador para o topo. Eu já fiz essa economia e achei que o cansaço não compensa alguns euros, (mas eu sou a sedentária de Ibitipoca…).

Agora que você economizou vendo o Arco do Triunfo só de baixo (é a parte mais rica mesmo) e visitando apenas o interior da Notre Dame (a não ser que você ame gárgulas, que só estão lá em cima), vai poupar fugindo do funiculaire de Montmartre. Como o nome sugere, é um plano inclinado que leva para a Basílica do Sacré Coeur, no alto do monte. Diferentemente da subida à Torre, essa pode e deve ser feita a pé. São bem menos degraus e a vista compensa.

A riqueza de detalhes da parte baixa do Arco do Triunfo

MONTMARTRE: HOSPEDAGEM COM CHARME E BOM PREÇO – Montmartre é uma região pela qual eu tenho muito carinho em Paris. É onde surgiu a boemia parisiense no início do século XX e tem ilhas de tranquilidade ao alcance de quem desviar da trilha da horda de turistas. Além disso, quando se busca hospedagem em Paris, o 18º é o arrondissement que costuma ter as opções mais econômicas seja de hostels, hotéis, B&Bs ou apartamentos de temporada. Mas tenha sempre em mente: uma hospedagem realmente econômica em Paris nunca será boa.

A avenida principal que margeia a região, o Boulevard Rochechouart, é bem agitado: de dia tem uma intensa circulação de gente e até ambulantes, à noite tem um clima mais jovem e underground – é endereço de uma das mais antigas casas de shows de Paris, o La Cigale.  O tempo todo você vai esbarrar em sex shops e em muitos imigrantes e descendentes de imigrantes, especialmente africanos e árabes. Assim, não se espante ao cruzar com mulheres usando hijab (véu muçulmano) ou vestindo trajes típicos africanos.

*ATUALIZAÇÃO: Uma nova lei francesa proíbe o uso em público de símbolos religiosos, como o hijab e o quipá judaico. A determinação entrou em vigor no fim de abril e alguns cidadãos ainda resistem.

ÀS COMPRAS COM POUCO – Também é em Montmartre onde você vai poder aproveitar para comprar lembrancinhas com pouco. Esqueça as superlotadas Rue Briquet e Rue de Steinkerque. É no Rochechouart que estão as pechinchas dos souvenirs clássicos: chaveiros da Torre, ‘bolas de neve’ do Arco do Triunfo, imãs das placas de rua. Se você gosta de garimpar, vai se perder na Sympa, uma loja meio muquifenta mas que me rendeu a saia mais elogiada da minha vida.

*ATUALIZAÇÃO: A Sympa da esquina do Rochechouart fechou e sobrou uma filial mais acima na Steinkerque. Ainda mais muquifenta que a anterior.

Em frente à Sympa: para quem gosta de garimpar

Agora, se você não tem pena do cartão de crédito, pode dar uma esticada no Chic Outlet Shopping. Na vizinha Marne La Vallée, a 40 minutos de Paris, reúne pontas de estoque de grifes como Calvin Klein, Givenchy e Diesel. Eu nunca fui,  mas soube que uma camisa Anne Fontaine – que no Brasil pode passar de R$ 1.500 – lá você encontra por 70 euros (menos de R$ 200). Dá para ter uma ideia de que tipo de turista pode ser feliz lá, né?

COMER E BEBER SEM GASTAR MUITO – O mais tradicional guia francês, o “Le Routard“, tem uma edição especial “Restos et Bistros de Paris”. Para quem quer frequentar só restaurantes, é a melhor opção para escolher sem medo. Eu tenho boas lembranças da Crepe Rit du Clown, uma creperia, na Rue des Canettes (6º arrondissement) que  oferece fórmulas de salada, crepe de bretagne, sobremesa e cidra. Já faz tempo, por isso não sei dizer dos custos de hoje.

Place des Vosges: lugar para fazer nada gastando... nada

Mas não tem jeito: os crepes e sanduíches que você compra para levar (‘a emporter’) são a opção mais econômica, especialmente nas lojas e tendas mais distantes de pontos turísticos. E se você é do tipo que encara fast food numa boa, sempre há um McDonalds ou Quick (o McDo francês) por perto.

*ATUALIZAÇÃO: Uma nova casa causou burburinho oferecendo sanduíches a partir de 1 euro (os mais caros custam 3 euros) elogiados até por crítico gastronômico: é a Goutu, no 9º arrondissement.

BARATO CHIQUEVinho provavelmente é a coisa mais barata que você vai encontrar em Paris. A boa é procurar nos supermercados e em lojas especializadas como a rede Nicolas, que oferece vinhos próprios a partir de 2,85 euros – boa maneira de investir aqueles 3,50 que você economiza se visitar o Louvre à noite. Nos restaurantes, a opção mais econômica é sempre o vinho da casa.

Também é possível economizar nos restaurantes pedindo água, em vez de uma garrafa d’água ou de mineral. Como a água das torneiras de Paris é potável, os restaurantes servem dela. Eu nunca passei mal com isso.

Dos lugares que eu mais gosto para fazer um lanche ou fazer nada – e que são absolutamente gratuitos – estão oJardim de Luxemburgo e a Place des Vosges. Nos subúrbios de Paris, o Parc de la Villettepode ser uma boa para quem está com crianças, já que é o maior parque de Paris, tem um museu de ciências e brinquedos. Outro indispensável é Versalhes: um piquenique nos jardins do palácio onde viveu o rei Luís XV é mais inebriante que qualquer vinho.

Pular as roletas das estações do metrô de Paris é muito fácil e em alguns lugares você vai ver várias pessoas – mais jovens, claro – fazendo isso. Não tente fazer igual. Já vivi a experiência de ver alguém sendo multado por agentes policiais no metrô e não há jeitinho que resolva. Se você não tem dinheiro, eles têm máquina de cartão de crédito; se você enrolar muito, eles ameaçam te levar a uma delegacia, onde você vai pagar multa e taxa extra. Além disso, a multa custa mais do que dez viagens de metrô. Ou seja: respeite a lei e evite dar vexame ou ter gastos desnecessários.

No metrô. Nem pense em pular a roleta, ok?

ENFIM, ECONOMIZANDO NO TRANSPORTE – Foi em Paris que surgiu a figura do ‘flanêur‘, aquela criatura que passa a vida caminhando pela cidade e observando os costumes. Assim, a melhor forma de conhecer a cidade – e não só Paris – é caminhando mesmo. Como no fim do dia sempre bate um cansaço animador, eu sugiro: trace um roteiro de véspera para ser percorrido a pé e com pausas; chegando ao fim do passeio, retorne de metrô. Vai ser só um bilhete por dia. Mas se você não se importa em conhecer parte da cidade pelo subterrâneo, pode comprar o passe de dez viagens.

ATUALIZAÇÃO: Em abril de 2011 o bilhete normal de metrô custava €1,70, contra €1,20 no passe de dez viagens, que na verdade são dez bilhetes que podem ser compartilhados.

COMENDO NA RUA – Um dos grandes baratos de Paris (sem trocadilho) é fazer um piquenique. É superagradável sentar-se na grama para saborear queijos, pães, frutas vermelhas… Mas vinho não pode ser tomado em lugares públicos. Descobri isso depois da minha última visita e creio que por isso recebi muitos olhares nos jardins de Versalhes.

Piquenique em Versalhes: o vinho não podia estar aí

Quer imprimir este post? Clique aqui

Personal Trip

About the Author

Flávia tem viagens planejadas para os próximos cinco anos, pelo menos. Só tem um porém: todas precisam de uma parada em Paris.

33 Respostas para “ Paris com pouco dinheiro ”

  1. Chegarei a paris dia 06 de março e saio no dia 09.
    Como é o tempo nesta epoca ? Qual a temperatura média ?

    Adoro vinho e pretendo beber bastante e gastar pouco. Ouvi dizer que o “vinho da casa” (de qualquer bar) é muito bom. É verdade ?

    obrigada e parabens pelo espaço

  2. Amei as informações e dicas! Maravilhoso o seu blog. Sou professora e pretendo ir à Europa no ano que vem, estamos preparando o roteiro, lendo blogs de viagem vendo todas as informações e dicas possíveis. Gostei de saber que professor, levando sua identificação profissional, tem direito a descontos nos museus parisienses! Parabéns pelo blog e muito obrigada em compartilhar essas informações!

  3. Oi Luiz Henrique,
    se você for estudante ou professor ou jornalista, recomendo que leve uma identificação. A maioria dos museus de Paris dá desconto ou gratuidade para pessoas que comprovem essas condições. Se tiver menos de 25 anos, não apenas os museus mas alguns outros pontos turísticos (a Torre Eiffel, por exemplo) dão descontos nos ingressos. Com relação a quanto levar para gastar, eu acho que menos de 50 euros vai deixar você bem apertado, ficando meio difícil comer em restaurantes, por exemplo.
    Espero ter ajudado.
    Boa viagem
    Abraços
    Flávia

  4. Olá. Irei a Paris em agosto com um amigo ficarei no máximo 7 dias gostaria de sabre qto levar
    Euros parara esses dias visto que a minha viagem e conhecer visitar museus.

  5. Olá, amei as dicas. Estou indo a Paris pela primeira vez dia 20 de março. Chegarei pelo aeroporto ORLY e ficarei hospedada em frente a Basilica de Saint Dennis. Qual a melhor maneira de transporte? Bjos

  6. Oi Thaís, Beauvais é um aeroporto fora de Paris, que fica a 1h15 de ônibus da cidade. O aeroporto tem transfer por 16 euros para a estação de Porte-Maillot e, chegando lá, você precisará usar transporte público ou caminhar para explorar Paris. O transfer sai para o aeroporto no mesmo ponto onde chega, mas a saída deve ser feita 3h15 antes do seu voo. Você pode ver os horários aqui: http://www.aeroportbeauvais.com/horaire_bus.php?lang=fr
    Espero ter ajudado.Boa viagem
    Abraços
    Flávia

  7. Chegarei em Paris pelo aeroporto BEAUVAIS (BVA) Não li nada sobre ele. gostaria de saber como faço para ir até o centro e ver os principais pontos turísticos partindo dele.

    Obrigada! 🙂

  8. Claudia, a maneira mais econômica é pegar o RER B no aeroporto e seguir até a estação de Chatelet. É uma viagem única, sem baldeações.
    Espero ter ajudado.
    Boa viagem.
    Beijos

  9. preciso de uma dica chego em orly r vou para o hotel victoria de chatelet, como faço para ir de taxi ou trem qual a melhor maneira e economica.

  10. Oi Mary,
    A partir da segunda quinzena de abril o clima já está bem pouco frio em Paris. Já da segunda quinzena de junho até o fim de agosto o verão é forte. A vantagem do período entre abril e o início de junho é que a cidade está bem florida. Sobre a quantidade de euros, sem incluir a hospedagem, eu acho que você se vira bem com 50 euros, para alimentação (com concessões de comer na rua) e passeios (todos os museus são pagos). Se você tiver menos de 25 anos, praticamente todas as atrações turísticas oferecem uma tarifa reduzida. Se você for estudante, leve um documento que comprove e você talvez consiga até gratuidades.
    Espero ter ajudado.
    Boa viagem!
    Abraços
    Flávia

  11. Oi, Flavia,adorei ler teu blog…estou me preparando pra ir a Paris no ano q vem.Queria saber quando faz calor por lá….detesto frio.Qual mes é o melhor?? E qual a quantia de euros devo levar…na economia??/

    Obrigada!!

  12. Parabéns Flavia, teu amor por Paris é contagiante. Em outubro irei a primeira vez pra lá ( espero que a primeira de muitas ). O site é rico em detalhes e dicas, obrigada pela dedicação em deixar seus leitores tão bem servidos! Já é meu site favorito! Continuem assim viu? Grande abraço

  13. Flavia, gostei muito de seu blog, mas tenho algo a questionar: Essa história de não ser de bom tom tomar vinho nos jardins, parques e locais públicos de Paris não é verdade. Eu tenho um amigo parisiense e assim que cheguei por lá fiz esse questionamento, ele me falou que não tem nada ver, que todo mundo faz e que os franceses não veem isso como nenhum tipo de prática inadequada para os costumes locais, etiqueta etc, que é normal. Tomei muito vinho por tudo que era parque, jardins… Não notei nenhum olhar torto.

  14. Oi Ester,
    eu acho que dois dias em Bruxelas e três em Amsterdam estão de bom tamanho. Leve guarda-chuva porque chove com frequência em ambas as cidades. Quando a dicas do que fazer nas cidades, esses dois posts aqui têm exatamente o que você está procurando.
    Amsterdam – http://asviajantes.com/viagem/amsterda-muitas-viagens-em-uma-mesma-cidade
    Bruxelas – http://asviajantes.com/viagem/descubra-motivos-para-conhecer-bruxelas
    Boa viagem!
    Abraços
    Flávia

  15. gostei mt do blog. está + nos favoritos Vou p/ Paris em outubro ficarei 7 dias e suas dicas estão sendo ótimas. Dp vou para Holanda – Amsterdam – qtos dias por lá? Adoro passeios culturais, o q vc me sugeriria? E qtos aos canais? Quais devo visitar?
    E Bélgica qtos dias?
    Obrigada
    Ester

  16. Ola Vi o seu blog e achei as fotos e o tema Paris muito interessante. Voce pretende criar algum topico do tipo lugares para ficar em Paris?
    Tenho uma dica muito boa que tem atendido muitos brasileiros. É a agencia http://www.private-homes.com/paris/
    eles alugam apartamentos mobiliados em Paris para turistas.

  17. ah, não pode beber vinho em lugar público, não? ops.

  18. farei tudo percurso de trem

  19. Estou indo para a europa no dia 08 de abril,vou chegar em genebra ficarei tres dias, em seguida irei para veneza ficarei 2 dias,depois florença 1 dia, nice frança 1 dia,annecy frança 1 dia,dijon frança 2 dias e paris 3 dias e volto para genebra, gostaria de ter dicas de quem ja fez esse trajeto.

  20. Oi Eveline, obrigada.
    Para esse caminho, você deve pegar a linha 4 no sentido Porte d’Orléans e, na estação Strasbourg Saint Denis, trocar para a linha 9. Nela você segue no sentido Pont des Sèvres e desce no Trocadéro.

    Boa viagem!

  21. Oi Flávia,
    Amei as dicas!
    Como eu faço para ir de Gare du Nord para a Torre Eiffel?
    Obrigada!

  22. Adorei as dicas deste blog!

  23. Oi Jorge,
    Para ir de Orly a Saint Denis você vai precisar pegar o RER até Antony e mudar para a linha B, no sentido Charles de Gaulle ou Mitry, até a estação Saint Denis-Stade de France. Com relação a outlets, eu não conheço nenhum. Já os preços dos perfumes não varia muito do free Shop para as lojas. Além disso, as lojas francesas têm uma variedade muito maior que qualquer free shop. De qualquer maneira, você pode ver preços no free Shop na ida para comparar.

    Boa viagem!

  24. Oi Glaucia, gostaria de saber se você sabe uma maneira barata de ir do Aeroporto Orly até Saint Denis, e se tem alguma outlet que vende marcas como Tommy mais barato, só acheiblogs falando sobre a Outlet La Vallée Village mas dizem que la não é muito barato, queria também saber algum lugar que vende perfume barato e se você sabe se é mais barato do que comprar no Duty Free.
    Muito obrigado.

  25. Oi Glauciane, que bom que gostou das dicas. A gente oferece um serviço de roteiro de viagem personalizado, o Personal Trip. Através dele a gente elabora um roteiro sob medida para você. Dá uma olhada no link que explica melhor a ideia e fique tranquila, porque cabe em orçamentos econômicos. 🙂
    http://asviajantes.com/personal-trip

  26. Oi! Estou indo para Paris em abril. amei suas dicas, pois vou fazer uma viagem bem econômica. Se puder me enviar algumas dicas de mais passeios baratos, ficarei grata.
    glau.costa@clik21.com.br

  27. Elton, o clima em outubro em Paris costuma ser chuvoso (a previsão é de precipitações para mais da metade do mês), com temperaturas variando entre 15 graus durante o dia e 8 graus à noite. Por outro lado, dizem que a cidade fica linda neste início do outono.

    Quanto à gratuidade em Madri, o Museu do Prado libera a entrada para professores de arte. Já o Reina Sofia, outro dos grandes na cidade, não oferece essa gratuidade. Sobre Lisboa, infelizmente, eu não sei informar.

    Abs

    Flávia

  28. Eu e minha esposa iremos a Paris em outubro e ficamos encantados com seu entusiamo por Paris. Nos contagiou!!! Somos professores e não sindicalizados… Queria mais informações sobre as benesses de ter gratuidade com esta carteira e se ela tem validade tambem em Madri e Lisboa onde tambem iremos. Ah, uma outra dúvida, em outubro como esta o tempo/clima em Paris?
    Parabens pela clareza de suas informações.
    Obrigado, Elton.

  29. Cara,

    Entrei hoje no blog pela primeira vez e já curti de montão. Me chamo Erica e moro na Itália. No proximo mes eu e meu marido iremos passar um final de semana em Paris e eu queria te pedir umas dicas do que fazer em dois dias? Nunca fomos a Paris e é claro que alguns lugares devem ser vistos como a Torre Eiffel, o Louvre, Versalhes, etc. É como bons mochileiros que somos, nossa viagem será do tipo economica. Eu sou jornalista, mas nao me sindicalizei porque estava saindo do Brasil … pisei na bola. Vc sabe se exite outro doc que eles aceitam que comprove a profissao?

    Poderia me dar dicas de lugares que nao podemos deixar de ver nesses dias?

    Obrigadissima!
    Erica

  30. Otimas dicas!!!!
    Tanti saluti!
    Gi, Roma!

  31. Já anotei tudinho. Será muito útil!

  32. Amei as dicas, as fotos, as descrições!! Senti viajando junto..

  33. Adorei a “sedentária de Ibitipoca”, hahahaha. Como me identifico…

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>