• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Maiorca: para começar bem o verão na Europa

Sant Elm. Paraíso.

O verão está prestes a começar. Mais precisamente dia 21 de junho (amanhã). Tô falando do verão no Hemisfério Norte, claro. Ao contrário do que acontece em grande parte do Brasil, país que felizmente tem o luxo de contar com calorzinho até no inverno (ele começa nesta terça do lado de cá do Equador, lembra?), na Europa a chegada do verão é mais que comemorada. E um dos países que mais atraem turistas no continente nessa época é a Espanha.

Os espanhóis se espalham pela costa inteira, como eu já relatei por aqui, no roteiro praiano pelo país. Mas os gringos (ingleses, alemães e nórdicos, principalmente) preferem virar pimentão em Barcelona, cidade mais visitada da Espanha, e nas deliciosas ilhas espanholas. O arquipélago das Canárias e o arquipélago das Baleares são os preferidos da galera.

No ano passado fiz uma viagem espetacular pela costa da Catalunha (que em breve será descrita por aqui), com uma parada de alguns dias em Maiorca.  A terra onde nasceu o tenista Rafa Nadal me surpreendeu. E também vai surpreender você, se seguir umas dicas básicas.

Es Trenc. Praia nudista que também atrai banhistas vestidos. Mas nada de fotografar ou ficar “manjando” os que optarem pelo naturismo.

Regra 1: fuja de resorts ou de turismo nesse estilo. É o primeiro passo para gostar da ilha. Tinha certo receio porque é um dos destinos preferidos dos viajantes mais “maduros” nas Baleares (o povo jovem corre todo para a lotada Ibiza), mas constatei que no verão ela fica repleta de representantes de 20 e poucos anos (alguns meio arruaceiros, convém dizer) e um pouco de tudo. Casais alemães de meia-idade, recém-casados espanhóis de 30 anos, universitários ingleses que enchem a cara todos os dias, por exemplo.

Regra 2: evite o mês de agosto. É o mês oficial das férias, o equivalente a janeiro por aqui. Além de encontrar tudo muito mais caro, você vai dar de cara com praias lotadas, restaurantes com fila, engarrafamentos e gente estressada. Além disso, é comum na Europa que alguns estabelecimentos fechem durante esse mês inteiro. Acredite, é frustrante ler sobre um bar incrível ou aquele restaurante de comida caseira, chegar lá e dar de cara com a porta fechada. Junho e setembro são os meses mais agradáveis para visitar Maiorca, mas, com um pouco de paciência, dá para ir em julho também – o segundo mês mais concorrido.

Regra 3: alugue um carro. Ao contrário das cidades da Península espanhola, que podem ser desbravadas a pé ou de metrô, as ilhas exigem esse investimento. Maiorca, a maior das Baleares, tem praias fantásticas aonde a gente só chega de carro. Se você for ficar só na capital, Palma de Maiorca, não será necessário, mas você não vai a Maiorca só para isso, né?

‘Avarques’, sandálias típicas de Menorca, mas que são vendidas também em Maiorca e na Costa Catalã

Regra 4: fique no mínimo quatro dias. Uma semana seria o mais legal, mas não passe menos que quatro noites por lá. Em um mesmo dia é possível ir a duas, três, quatro praias, dependendo de sua disposição, mas ficar pouco tempo por lá vai dar aquela sensação de correria de gincana. Lembre-se que viagens a ilhas não são tão simples, o deslocamento nunca é igual ao de cidades no continente.

Algumas praias e cidades bacanas:

No oeste: Port d’Andratx (não confundir com a cidade de Andratx), Sant Elm (de mar turquesa),  Estellencs (sem praia, mas com construções fofas), Cala de Estellencs (as calas são pequenas prainhas, de pedra ou areia), mirador de Ses Ànimes (parada para uma vista linda), Deià e Cala de Deià, Valldemossa e Port de Valldemossa (é uma descida longa e chatinha, mas vale a pena).

No norte-leste: Cala de Sant Vicenç (uma das praias mais bonitas da ilha), Cap de Catalunya (outro ponto de super vista), Cap de Formentor (fica lá na pontinha leste, tem uma serra longa, mas seu farol é lindo). Também vale uma passada na Badia de Pollença (ponto de kitesurf) e na medieval Alcúdia.

Porto de Palma de Maiorca com a catedral ao fundo

No leste – sul: Demos uma passada em Artà, que fica no interior, e nos assustamos com a quantidade de coisas em alemão. É que esse povo a-do-ra Maiorca e praticamente colonizou a ilha (o que contribuiu para o aumento dos preços por lá). Fomos na simpática Platja de Picafort (é, é esse nome mesmo), mas não curtimos muito sua vizinha Platja de Santa Margalida.  Era meio farofa, mas contava com vários restaurantes. Aliás, fica a dica: nas praias os restaurantes são sempre mais caros e de qualidade duvidosa. Vale a pena escolher uma cidade do interior para almoçar. A Cala de Figuera (uma das poucas com faixa de areia branquinha e extensa) e a paradisíaca (e nudista) Es Trenc completam o roteiro. Mas a minha favorita é a Cala de Llombards, cuja água é de um azul lindo.

O ideal é dividir seu dia por essas regiões, assim você não fica cruzando a ilha nem perde tanto tempo na estrada. Mas essas são apenas algumas sugestões. São dezenas de praias, calas e cidades interessantes.

Veja também: Croácia, uma joia na região do Mediterrâneo

Em Palma: a cidade é bem gostosinha e com uma vida cultural intensa. Por lá há uma CaixaForum (espécie de CCBB espanhol) bem bonita e com exposições bacanérrimas. E a sensacional catedral, que fica de cara para o mar, além do porto. De sonho.

Port de Sóller: o trem é uma graça, mas vale mais a pena ir de carro

Passeio furado- O charmoso trenzinho que liga Palma até Sóller se revelou frustrante. Caro, bem caro, e nada demais. Melhor visitar a cidade de carro mesmo. E dar uma passada no Port de Sóller no fim do dia.

Achei bacana fincar a base em Palma mesmo. Me hospedei em um hotel bem simpático, chamado Horizonte. Fica bem perto de uma das saídas da cidade. Para ir ao centro era só pegar um táxi ou ônibus. E o melhor, fica numa área residencial, onde é bem mais fácil de estacionar seu carro alugado. No centro de Palma é um pouco complicado encontrar vaga.

Dicas de local- Dei a sorte de coincidir lá com uma ex-colega de trabalho, Isa, nascida e criada em Maiorca, mas que já viveu em vários países e sabe o que a cidade tem de mais autêntico e cosmopolita ao mesmo tempo. Nos deu duas dicas imperdíveis: S’esponja, restaurante onde é possível comer o melhor pa amb oli (espécie de torrada regada com azeite e com diferentes toppings) e a horchatería C’an Joan de S’Aigo, onde é feita a melhor ensaïmada (doce que lembra uma rosquinha fechada, de massa muito leve e fofa, com muito açúcar) de Palma.  Dois lanchinhos típicos imprescindíveis por lá. E não deixe de provar também qualquer coisa que leve como recheio a sobrassada, pasta de carne de porco.

Quer imprimir este post? Clique aqui.

Personal Trip

About the Author

Depois de três anos morando na Europa, Clarissa foi multada ao voltar ao Brasil. Motivo: excesso de bagagem. Mas não se arrepende. Afinal, eram muitas histórias e dicas para trazer na mala e ela não queria deixar nenhuma para trás.

5 Respostas para “ Maiorca: para começar bem o verão na Europa ”

  1. Oi, Debora. Eu gostei de ficar em Palma de Maiorca mesmo, acho mais prático por ser a capital, principalmente porque você não pode dirigir. É uma pena, pois alguns lugares não são acessíveis de ônibus ou trem. Dê uma olhada no site de transportes da ilha para fazer o roteiro: http://www.tib.org/portal/web/ctm/mapa-simbolic

    Abs

  2. Oi Clarissa
    Eu li seu post e voce fala que é melhor alugar um carro. Mas eu estou pretendendo ir para Maiorca sozinha e nao dirijo. Voce sabe se da para se locomover pela ilha de onibus e se sim como funciona?
    Onde voce aconselha eu ficar hospedada considerando o que escrevi acima.

    Obrigada
    Debora

  3. Oi Clarissa,
    Muito obrigada. As suas informações foram as melhores que eu obtive até agora de Maiorca. Eu vi umas fotos de hotel na praia de Palma e vi que é uma praia cheia e não tão bonita. Vi uns na Cala Maior e achei legal, mas não sei se essa Cala Maior é muito isolada. Voce conhece? Tem uns em Lletas. Onde fica isso? No centro? E tem o hotel Punta Negra (em costa den Blanes) que tambem me interessou, mas estou com medo de ficar muito longe de tudo. Me fala se voce conhece esses lugares que eu citei. Pelas suas dicas, já sei que tenho que alugar carro. Pretendo ir na gruta del Drac ver o concerto. Tem dia certo e horário para o concerto acontecer? É melhor eu reservar daqui esse passeio?
    Obrigada por sua atenção.

  4. Oi, Norma.

    Nós não recomendamos hotéis que não conhecemos. E o que eu sugiro acima não é em frente a nenhuma praia (apesar de ter vista para o mar). Sugiro você pesquisar de acordo com sua preferência nos sites http://www.booking.com/index.pt.html?aid=335647 ou http://www.mundi.com.br/#affid=2029tagid=widget, que são os que usamos nas nossas pesquisas pessoais. O lugar mais bem comunicado é Palma de Maiorca mesmo, a capital, e eu sempre acho uma boa se hospedar lá para não ficar isolado. Mas não vi praias lindas na cidade. Eu vi uma certa estrutura hoteleira em Port D´Andratx, em Sant Elm e na Cala de Sant Vicenç, belas praias, mas em termos de facilidades, nada se compara com ficar em Palma. Até porque, de carro, tudo fica fácil. De qualquer maneira, consultei uma amiga espanhola que nasceu lá, mas ela ainda não me respondeu. Se ela me passar alguma dica mais específica, volto aqui para contar. Abraços.

  5. Eu gostaria de saber onde devo me hospedar. Queria ficar em frente a praia. Gostaria que fosse um hotel 4 estrelas. Nâo sei qual é a praia boa. Com aguas claras e ao mesmo tempo não tão isolado de tudo. Vou com meu marido.
    Obrigada
    Norma

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>