• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Eu já… dormi no Deserto do Saara

Quando saí do Brasil rumo ao Marrocos em abril de 2007, uma coisa era certa: eu tinha que ir ao Saara e tinha que andar a camelo. E num passeio de três dias, que cabia perfeitamente num bolso mochileiro, vivi uma das minhas experiências mais felizes de viagem.
Pensar em deserto traz à minha mente imagens áridas, amareladas e aquele ar trêmulo que se ressente do peso do calor. E eu me deparei com tudo isso no Saara, mas no caminho até lá também vi neve, um vale incrível à beira do rio e senti um bocado de frio.

Neve no caminho do deserto: inesperado

Neve no caminho – De Marrakech para o Saara, é preciso encarar uma estrada cheia de curvas acentuadas, de onde se vê a neve no pico das motanhas. Acordar de repente no meio da viagem – a soneca depois do despertar antecipado é inevitável – chega a ser surpreendente.

Por que esse começo de viagem é o oposto da imagem que vem à mente quando se pensa em deserto: é muito verde, um tanto frio e traz belissimos picos nevados emoldurando a paisagem. Mas logo o verde sai de cena e dá lugar à areia rosada que colore Marrakech. Rápida parada para conhecer o kasbah de Aït Benhaddhou e uma parada tão rápida quanto para o almoço em Ouarzazate.

Sessão de música no hotel

Jam session marroquina – O primeiro dia de viagem acaba no Vale do Dades, possivelmente o lugar mais frio em que eu já dormi na vida mas onde tive o prazer de presenciar funcionários do hotel numa jam session descompromissada de autêntica música marroquina. (Tem um pedacinho disso e mais de viagens nesse vídeo, amadorzão)

O segundo dia começa tão intenso quanto o primeiro e mais impaciente: em algumas horas chegaremos ao deserto. Assim, o curto passeio por Tineghir – com uma visita (aka tentativa de extorsão) a uma fábrica de tapetes – e a visita ao Gorges du Todre não servindo nem como aperitivo para nossa ansiedade.

A caravana se organiza

O deserto pede silêncio – Mas a paisagem anuncia que o deserto está chegando. O verde vai rareando, pequenas dunas vão surgindo à beira do asfalto e de repente a van para em Merzouga. Agora seremos nós, os dromedários (pois é, o Marrocos não é terra de camelos) e nosso guia berbère para nossa noite no deserto.

Éramos 11 numa caravana multicultural que me deixava de boca aberta com seu reflexo na areia. O deserto convida ao silêncio e depois da excitação inicial do começo da ‘cavalgada’ todos perceberam isso e passaram a ouvir o vento, o que fez a nossa chegada ao acampamento, no entardecer, ainda mais especial.
No alto da duna – Nosso acampamento resumia-se a duas tendas: meninas para um lado, meninos para o outro. Banheiro não existia e a água foi levada por nós mesmos. Era uma excursão de mochileiros, afinal, mas onde comemos o tajine mais saboroso que provamos em toda a viagem.

Silêncio no caminho entre dunas

Depois do jantar, um tour pelas redondezas culminando na sofrida subida à duna altíssima em cuja base ficavam nossas tendas. Com meus pés afundando na areia mais do que eu gostaria, pensei em desistir várias vezes, mas nem o guia nem o restante do grupo deixou. A insistência me proporcionou um raro momento: sentada no topo da montanha de areia, ouvindo apenas o silêncio, tive a certeza de que ninguém no Brasil sabia onde eu estava àquela hora.

Solidão acompanhada – Pode parecer angustiante, mas é reconfortante ter um momento só para você no mundo. Enquanto pensava nisso e curtia o prazer de uma solidão acompanhada, admirava bem ao longe as luzinhas da fronteira do Marrocos com a Argélia.
O sono em si, confesso, não foi dos mais renovadores: a cada movimento no tapete que me servia de cama, sentia ‘toneladas’ de areia ao meu redor. Também tenho que admitir que meu lado medroso ficava sobressaltado a cada rajada de vento um pouco mais forte ou movimento dos nossos ‘camelos’.

Amanhecendo no deserto

Amanhecer no deserto – Mas a noite passa rápido e o despertar no deserto acontece quando ainda nem amanheceu direito. Ainda inchados de sono e sem conseguir fazer uma toilette decente, tomamos o rumo de volta para casa. E vimos, com o despertar do sol, um deserto em tonalidades bem diferentes das que havíamos visto na chegada.

O Saara fica a dez horas de distância de Marrakech. A viagem de três dias que nós fizemos é um bocado corrida e às vezes entediante. O ir e vir em cima de um camelo também foi desconfortável para muitos do nosso grupo. Mas essa experiência vale cada grão de areia no rosto. Eu recomendo sem dúvida; mas se você puder pagar, com mais conforto.
Quer imprimir este post? Clique aqui
Personal Trip

About the Author

Flávia tem viagens planejadas para os próximos cinco anos, pelo menos. Só tem um porém: todas precisam de uma parada em Paris.

10 Respostas para “ Eu já… dormi no Deserto do Saara ”

  1. Oi Alessandra, fico feliz que tenha gostado das dicas.
    Quem me ajudou a fechar o passeio foi o pessoal da riad onde fiquei hospedada. Eles tinham contatos de agências que fazem esse passeio com diferentes tipos e preços. Eu acabei fechando um estilo mais mochileiro, numa riad vizinha e o pessoal da minha me confirmou que era uma equipe séria, em que eu podia confiar.
    Espero ter ajudado.
    Abraços
    Flávia

  2. Olá, ótimas dicas e fotos. Você fechou o passeio no deserto do Brasil ou só no Marrocos?! Tem alguma agência ou guia para me indicar?! Obrigada.

  3. Oi Jonatans,
    eu fechei esse passeio através de indicação do meu hotel. Sugiro que você procure um agência lá no Marrocos mesmo. Você terá maior poder de barganha e poderá checar no seu hotel a idoneidade dela.
    Boa viagem!
    Abraços
    Flávia

  4. Olá, minha e esposa e eu pretendemos visitar o deserto do Saara em setembro de 2012. Alguem tem algum contato para que possamos reservar este passeio?
    Obrigado.

  5. Oi Paula,
    Muito obrigada pela atualização.
    Beijos!

  6. Ola,minhas filhas que moram em Dublin estão fazendo um mochilão que começou no Marrocos,exatamente esta viagem,dormiram a noite passada la no deserto e ainda não tive noticias mas o passeio todo descrito aqui neste blog custou 83 euros segundo elas me disseram antes de ontem

  7. Oi Allan, já faz quase 5 anos que eu fiz essa viagem e não me lembro os valores exatos, mas creio que custou o equivalente a 120 euros por pessoa. Nós fechamos com uma Riad que tinha um esquema meio de albergue e eu me lembro que o proprietário da nossa Riad achou barato demais, mas disse que as pessoas do lugar eram confiáveis. Foi um passeio beeem mochileiro mesmo, mas nós não nos arrependemos. O que eu recomendo é que você tente fechar o passeio logo, pq ele só partem com um mínimo de pessoas e nós tivemos que esperar dois dias para conseguir completar o grupo. Boa viagem!
    Abs
    Flávia

  8. gostaria de saber quanto custou essa experiencia maravilhosa no deserto, eu e minha esposa estamos querendo ir a marrakesh em maio de 2012 e achamos caro alguns passeios 4×4…gostaria de algo mais mochileiro(em conta)ja fomos a 10 paises e o que mais marca é sempre a aventura do que o comforto…guardamos a grana pra comer e comprar…aguardo dicas e agradeço,vlw!!

    ALLAN E PAT

  9. Quero muito visitar o deserto do Saara ! Adorei suas fotos !

  10. Muito legais as fotos ! Super bacana a iniciatica de compartilhar isso com os interessados no assunto ! Parabéns!

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>