• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Cidade do México: Um roteiro apimentado por sua história e arte

piramide da lua teotihuacan cidade do méxico

A Pirâmide da Lua na cidade de Teotihuacan

Tinha dez dias de férias e já tinha combinado com minha mãe que faríamos juntas a próxima viagem. Aí, resolvi conciliar um destino que não fosse óbvio para quem é adepta de excursões, como ela, e que não estivesse nos planos a dois com o marido. Como os dias eram poucos e o México é enorme, resolvemos não ceder aos encantos da correria e tentar ver um pouco de tudo e focamos na Cidade do México e arredores.

Leia também: Transporte, hospedagem e compras: dicas básicas para se virar na Cidade do México

A escolha não poderia ter sido melhor. A capital mexicana é repleta de cores, odores e sabores incríveis e, de quebra, ainda pode render umas boas compritchas – o real vale 7 vezes o peso mexicano. Em resumo, é uma região ótima para quem gosta de gastronomia, história e arte. Entre uma coisa e outra você vai encontrar muitas caveiras. Elas são a representatividade da vida, da renovação na cultura mexicana.

Na maior parte das atrações turísticas, chegar cedo é uma boa opção se você, como eu, não é fã de multidões de gente se acotovelando pra tirar fotos ou zoneando o lugar. Isso só vai ser um problema se você quiser fazer compras de feirinhas e artesanato, não há camelô no México que comece a trabalhar cedo.

templo mayor cidade do méxico

As ruínas do Templo Mayor, que deram origem à Cidade do México e, ao fundo, a catedral construída pelos espanhóis

Pirâmides – Esse é O passeio para qualquer visitante à cidade do México. Mesmo quem só tem três dias na cidade, vale se virar pra arrumar um pra ir lá (é passeio para um dia inteiro, principalmente pra quem for de ônibus e precisar fazer baldeação. A outra opção é fechar um valor fixo com um táxi). Fica a cerca de uma hora da capital. Além da construção arquitetônica em si, o impacto é ainda maior ao descobrir que está lá desde antes de os Maias e os Astecas. Até hoje ninguém sabe ao certo quem as construiu, porque e porque abandonou a cidade. Mas os astecas a consideraram sagrada ao encontrá-la e lhes deram o significado que hoje encontramos nos livros de história e guias de turismo. Tem um post inteirinho sobre as pirâmides aqui.

Zocalo, Catedral, Templo Mayor, Palácio Nacional – Nosso primeiro dia foi no Centro Histórico. Você pode fazer tudo junto, mas dá pra fazer em dois dias, se gostar de ver as coisas com calma, parar pra comer algo com calma ou comprar alguma coisinha – em várias lojinhas atrás do Zócalo. As coisas são todas uma do lado da outras e, uma vez lá, você se desloca entre elas a pé.
*Facilmente acessados por ônibus ou metrô

Bosque Chapultepec e Museu de Antropologia – O Bosque é enorme. A gente deu uma passeada por ele até chegar ao museu, já que saltamos numa estação do metrô que nos proporcionou essa caminhada até a entrada. Mas ele tem outras atrações e dá pra gastar mais tempo por lá – pra quem tiver dias livres e paciência. O museu é OBRIGATÓRIO. Além de lindo e enorme (guarde uma manhã ou tarde inteiros pra ele), lá você vai entender um pouco da história mexicana, os astecas, os maias etc.
*Facilmente acessados por ônibus ou metrô

xochimilco barcos cidade do méxico

O colorido dos barcos alegram os canais de Xochimilco

Xochimilco e Museu Dolores Olmedo – Xoxhimilco é um bairro distante das principais zonas que hospedam turistas na Cidade do México, mas dá para chegar de trem. O bairro tem uma peculiaridade bem especial: é lá que acontecem os passeios em embarcações por canais que funcionam como rua para alguns de seus moradores – há quem goste de dizer que é a Veneza mexicana. O local é uma opção de almoço de domingo para as famílias mexicanas, que fazem dos barcos coloridos, um mesão para colocar os assuntos em dia. Éramos só eu e minha mãe no barco que alugamos e escolhemos o passeio de menor tempo, que durou entre uma e duas horas e foi mais do que suficiente.

No mesmo bairro, mas não dá pra ir a pé, fomos ao Museu Dolores Olmedo. Era uma visita despretensiosa, mas o lugar é muito legal. Mansão da família Olmedo que virou museu, além de um jardim lindo (com pavões e patos) tem acervos incríveis dessa que era uma grande colecionadora de arte. Grande amiga de Frida kahlo e Diego Rivera, o museu tem uma ala dedicada especificamente ao famoso casal mexicano e um outro setor voltado para contar os principais folclores da história do país. Vale a visita.

Palácio bellas artes cidade do méxico

Exposições, murais e espetáculos são algumas das atraçoes do Palácio de Bellas Artes

Bellas Artes, Plaza Garibaldi, Museu da Tequila, Casa dos Azulejos e Torre Latinoamericana – Coloquei esses programas juntos porque eles ficam praticamente um ao lado do outro. Dose a sua disposição e tempo disponível pra decidir se usa um ou dois dias por ali (eu fiz em dois dias, mas dá pra fazer em um). Bellas Artes é um palácio lindo, que além de exposições e murais lindos, abriga também espetáculos à noite. Aqui, duas dicas importantes: o museu cobra um preço à parte para quem quer tirar fotos lá dentro e, se for comprar ingressos, leve em dinheiro (eu não consegui comprar com cartão internacional).

Bem em frente fica a Casa dos Azulejos, que é uma construção antiga linda, que agora abriga uma loja de conveniência tradicional e restaurantes. Do outro lado da rua, a Torre Latinoamericana tem um panorama bem legal da cidade. Na mesma rua, andando no sentido contrário dos carros no sentido Plaza Garibaldi tem o Museu da Tequila. Bem pequenino, mas charmoso, conta a história da típica bebida do país e, no final da visita, rola uma degustação no bar no terraço, que é um charme. Lá embaixo, na Plaza Garibaldi mesmo acontecem volta e meia shows de mariachis e tem um mercado de comida típica bem popular que é bacana. Se for de metrô, evite saltar na estação Garibaldi. Apesar do nome, ela fica um pouco distante e num lugar meio estranho da região.

Feira San Angel – É um charme. Escolha um sábado para ir lá, que é quando rolam duas feiras de arte e artesanato e os ateliês se abrem. Na praça principal você encontra barraquinhas com pinturas, esculturas, produtos de casa. Ali também é a porta principal do Bazar de Sábado, que reúne um monte de ateliês bacanas, e restaurante. Se você for subindo a rua vai encontrar ai final outra praça menor, com muitas barraquinhas de  bijuterias, bolsas, além de alguns ateliês pelo caminho. Nós fomos no mesmo dia de lá, pro Museu Frida Kahlo. Chegamos por volta das 11h, mas é depois do meio-dia que a coisa começa a ferver.

museu da tequila cidade do méxico

A história e os sabores do México reunidos no Museu da Tequila

Museu Frida Kahlo – A história dessa artista que virou representante da cultura mexicana é incrível (eu recomendo até ver o filme antes de viajar). A casa em que ela cresceu e depois viveu com Diego é repleta de poesia em cada canto. Mas eu achei o espaço de visitação apertado e, como fui num fim de semana, tava muito cheio.

Diego Rivera – Eu vi um pouco da obra de Rivera no México (no Palácio Nacional e no Museu Dolores Olmedo). Mas são muitas. Infelizmente acabei não conseguindo ir ao Museu Mural Diego Rivera (que não encontrei, mas também não procurei com tanto afinco pelo avançado da hora) e a Casa Diego Rivera, que foi desenhada pelo mesmo e parece ser beeem legal.

Basílica de Guadalupe – Tem gente que faz esse passeio no mesmo dia das pirâmides. Como eu tinha tempo, usei um dia inteiro pra cada um e não me arrependo. Fomos de metrô e o acesso é bem fácil. Além da basílica nova a da original, há capelas menores e os locais onde a Virgem teria feito as aparições que motivaram a construção do santuário. Eu fui também num museu de arte sacra que fica nos fundos da Basília original. Vale a pena também subir as escadarias lá do fundo para ver a vista.
*Facilmente acessado por metrô

Personal Trip

About the Author

De moto, barco, carro, avião, trem ou ônibus, para Alícia o importante é viajar, conhecer lugares novos, sem deixar de desbravar o Brasil.

4 Respostas para “ Cidade do México: Um roteiro apimentado por sua história e arte ”

  1. Obrigada!! 😉 😉
    Ana Paula

  2. Oi Ana Paula, que bom que você gostou do post. Transporte público lá, no geral, é bem barato. O preço do táxi é meio parecido com o daqui, mas é bom ter cuidado na hora de pegar um. Nesse post daqui, eu destrincho mais dicas sobre transportes na cidade. Vê se te ajuda.

    http://asviajantes.com/viagem/transporte-hospedagem-e-compras-dicas-basicas-para-se-virar-na-cidade-do-mexico

    bjs e boa viagem!

  3. Ola, Alicia!
    Estou me programando para conhecer o Mexico e claro nao vou deixar a Cidade do Mexico de fora (sou louca por cidades grandes e suas historias).
    Seu post foi um dos melhores q li sobre o destino. Bem bacana mesmo.
    Tenho uma pergunta…Voce levou dolares ou reais? Foi facil trocar pelos pesos mexicanos?
    Outra coisa, o custo de ingressos e transporte na cidade ‘e alto? Ainda nao cheguei nessa parte da minha pesquisa…
    Super obrigada!
    Ana Paula

  4. Gostei das dicas! Parabéns pelo post.

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>