• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Um roteiro por Buenos Aires: o que ver e fazer na capital argentina

Bandeira tremula no alto da Casa Rosada

Bandeira tremula no alto da Casa Rosada

Eu era o tipo de pessoa que não via o mesmo filme duas vezes para preservar a lembrança da primeira e boa impressão. O mesmo valia para lugares, não apenas por esse motivo, mas porque me atraía a idéia de conhecer um destino novo a cada viagem. Mas o acaso mudou tudo e me levou a Buenos Aires. Da primeira vez fui com amigas solteiras e animadas como eu. Da segunda vez optei por uma viagem romântica. E da terceira fiz da cidade o ponto de partida e de chegada para uma espécie de rali por estradas argentinas. Tudo isso para dizer que Buenos Aires é um destino que não se esgota e vale sempre a pena uma nova visita. Além de próxima para os brasileiros, a cidade é convidativa: come-se, bebe-se e diverte-se muito por lá.

TRANSPORTE
Os voos diretos se proliferam e nos separam de Buenos Aires por poucas horas. Um fim de semana prolongado pode ser uma boa desculpa para conhecer monumentos, parques, feiras, museus, restaurantes e casas noturnas. Já consegui passagens pela Pluna por pouco mais de R$ 500,00 ida e volta, incluindo taxas. Melhor impossível.
No metrô

No metrô

O verão era pleno e o sol estava a pino nas três vezes que fui a Buenos Aires, por isso consegui conhecer muito da cidade a pé: Palermo, Recoleta, Retiro, Centro, Puerto Madero, San Telmo. Espero que seja possível fazê-lo também com frio. Caso contrário, os meios de transporte são fartos, com preços acessíveis.

Os táxis são baratos na cidade. Mas atenção quando chegarem ao aeroporto: evitem táxis piratas, que rodam sem taxímetro e abordam turistas já no desembarque. Cilada. Dê preferência às cooperativas, que fazem corridas tabeladas. Outro alerta é que, uma vez no perímetro urbano, tomem cuidado para não serem enrolados por taxistas que dão voltas desnecessárias e prestem atenção ao troco em notas de dinheiro falsas, porque são muito comuns por lá. Até notas baixas – como dez pesos – são falsificadas. Os alvos são preferencialmente turistas, claro.

Ainda há a opção do metrô, que está por todos os lados. Conhecido como subte, foi o primeiro da América Latina e conta com várias linhas, no mesmo modelo de malha metroviária de cidades como Londres, Barcelona e Paris. O bilhete custa apenas 1,10 peso argentino.

Outra bela forma de explorar Buenos é pedalando. Empresas que alugam bicicletas para turistas sugerem vários roteiros, destacando pontos de interesse no meio do caminho.

HOSPEDAGEM

Os melhores bairros para se hospedar em Buenos Aires são Recoleta (caro), Palermo (mais charmoso e na moda) e Centro (mais barato e perto de tudo). San Telmo parece uma boa pedida para quem gosta de boemia e aprecia edificações antigas, cheias de história, mas pouco conservadas. Os hostels nessa área costumam ser ligeiramente mais baratos.

Há albergues com cama de casal e banheiro privativo no site www.hostelworld.com. Mas não deixem de procurar por hotéis de duas e três estrelas também, porque os preços não costumam ser muito diferentes dos de quartos privativos em hostels.

De barco pelo delta do Rio Tigre

De barco pelo delta do Rio Tigre

Para solteiros, a boa é aproveitar o agito dos albergues mesmo, que indicam as melhores baladas para cada dia da semana e ainda patrocinam um agito nas áreas comuns antes da noitada. No Centro, recomendo o Portal del Sur e o Milhouse, onde tive uma semana animadíssima com mais quatro amigas. Para uma estadia a dois, achei o Hostel Suítes Palermo bom e muito bem localizado, apesar do barulho excessivo de hóspedes mais festivos. Já o Alma Petit Hostal, em Las Cañitas, tinha um serviço muito bom e era mais reservado, mas teve a infelicidade de ter a estrutura do charmoso prédio comprometida por infiltrações. O cheiro de mofo era enlouquecedor.

COMIDA

Argentina é famosa pela carne, alfajores, doce de leite e empanadas. Numa das transversais da Avenida Santa Fé, na altura da Recoleta, está um restaurante que tem as melhores empanadas da Argentina. O nome é San Juanino (Calle Posadas 1515). Mas, no geral, comer nos restaurantes da Recoleta pode sair caro, nem sempre implicando em qualidade. Por isso vale a pena dar uma andadinha até Palermo, que tem restaurantes novos, modernos, charmosos, aconchegantes, badalados e com preço mais acessível.

Num Café Havana

Num Café Havana

Puerto Madero também é excelente para quem quer comer bem. Apenas fuja das churrascarias, sobretudo a Siga La Vaca. É famosa, mas é uma roubada. Na minha opinião, muita comida normalmente acaba em pouca qualidade. Prefira menus turísticos em bons restaurantes, que incluem entrada, prato principal e sobremesa da melhor qualidade.

Se optarem por carne em algum restaurante, experimentem o bife de chorizo e o ojo de bife. São cortes muito macios, embora normalmente venham com gordura e sem tempero, que vem numa cazuela separada para que o freguês coloque a seu gosto.

No Centro, por indicação de um amigo do meu amigo Samuca, as meninas e eu descobrimos um restaurante italiano simples, mas gostoso chamado Broccolino (Calle Esmeralda, 776). Pedi um filé de peixe com molho de vinho branco e camarões que estava perfeito e ainda deu para dividir com minha companheira de blog Alicia Uchôa.

A cerveja local

A cerveja local

No geral, abusem dos vinhos argentinos, bebam muita cerveja Quilmes (servida em garrafas de 1 litro), comam empanadas, tomem sorvete Freddo, provem doce de leite e alfajores. Os melhores alfajores são os do Café Havanna (há vários espalhados pela cidade, a exemplo das sorveterias Freddo), embora sejam mais caros.

COMPRAS

Buenos Aires é ótima para fazer compras! Como o câmbio tem ficado favorável para os brasileiros, o peso está valendo bem menos que o real. As taxas de importação lá também são menores, então é mais fácil encontrar marcas internacionais por um preço muito mais acessível. As lojas da Puma costumavam ser excelentes, mas ficaram “cool” demais e deram uma encarecida. As da Lacoste idem. Mas as liquidações ainda valem a pena.

A Calle Florida é a rua onde os turistas vão mais às compras, então o preço não é muito bom. Sugiro não comprarem vinhos por lá, porque são bem mais caros. Prefiram adegas de supermercados. Gostei particularmente da adega do Carrefour que fica na “principal” avenida de Buenos Aires, a 9 de Julio – é uma avenida cheia de pistas que separa o Centro da Recoleta. As adegas de supermercados não costumam ter vinhos de muito boa qualidade, normalmente só vendem os mais baratos. Mas essa do Carrefour é especialmente boa, porque os vinhos que por aqui achamos razoáveis, lá são vendidos por uma pechincha, enquanto que os vinhos muito bons têm ótimo preço.

Voltando à Calle Florida, vale um passeio para apreciar o movimento. Há muitas lojas de couro e lã, mas verifique antes de comprar se é bom negócio mesmo. É um mercado muito voltado para o turismo. Recomendo uma passada antes na Zara e na Falabella, a maior loja de departamento deles. Os preços são como os do Brasil, mas a diferença é que o peso argentino vale metade do nosso dinheiro, então é como se a loja estivesse com 50% de desconto para brasileiros. Outra loja que talvez valha a visita é uma versão argentina da Virgin Records chamada Musimundo, com filial também na Florida. Na mesma rua estão também as Galerias Pacífico, normalmente recomendadas para compras, o que eu discordo. Não percam seu tempo.

Se puderem esperar, sugiro que invistam em compras no bairro Palermo. Além de inúmeros ateliês e lojas descoladas, há as famosas feirinhas. Algumas acontecem dentro de lojas ou terrenos divididos em baias, para que cada novo estilista venda seu trabalho. Mas é preciso peneirar para separar o joio do trigo.

NO CENTRO HISTÓRICO

A Catedral

A Catedral

No Centro de Buenos há uma série de prédios históricos, antigos, com cara de Europa. Nesse roteiro central estão a Plaza de Mayo, Casa Rosada, a Catedral, o Cabildo, o Obelisco e o Teatro Colón, entre outras atrações. Não deixem de visitar o Café Tortoni, que tem o clima centenário da Confeitaria Colombo, do Rio de Janeiro. Há shows de tango no local, mas é preciso fazer reservas antecipadamente. Mesmo que dispensem o espetáculo, vale a pena uma torrada acompanhada de uma Quilmes, a cerveja. O ambiente é muito legal, antiguinho mesmo.

RECOLETA E PALERMO

Cemitério da Recoleta

Cemitério da Recoleta

O bairro da Recoleta é considerado o mais chique, embora os quarteirões de Retiro tenham me parecido um lugar mais sofisticado. Para quem curte grifes de luxo, esse é o lugar para torrar as economias. Há uma feirinha de artesanato razoavelmente famosa que considero dispensável. Mas vale andar pelos parques, praças, sorveterias, cemitério, Basílica Nossa Senhora do Pilar e museus. Recomendo o Museo Nacional de Bellas Artes (MNBA) e o Malba (Museo de Arte Lationamericano).

O MNBA tem os grandes mestres europeus, enquanto que o Malba tem novos artistas e os já consagrados latinoamericanos, como Diego Rivera, Frida Khalo, Tarsila do Amaral e Hélio Oiticica. Também vale uma foto a Plaza de las Naciones Unidas, que tem uma flor robótica gigante no meio, cujas pétalas se abrem durante o dia e se fecham à noite.

Um roteiro rápido para percorrer a Recoleta é visitar pela manhã o cemitério, a Basílica, o Centro de Design e a feirinha. Depois vale descer pela Avenida Figueroa Alcorta até o Malba, passando pela Plaza de Las Naciones.

Dali do Malba, se embrenhando em direção à Avenida Santa Fé, está Palermo. Além das butiques e dos bons restaurantes, Palermo tem muitos parques. Gostei muito do Jardim Japonês, que é fechado (experimente dar ração às carpas do lago), e do Jardim Botânico. Parece que o Jardim Zoológico também é ótimo, com animais passeando soltos entre os visitantes.

A Santa Fé é a principal avenida comercial e atravessa também a Recoleta. Acho cansativo ir às compras por lá, mas há uma livraria chamada El Ateneo (Avenida Santa Fé 1860) que vale a visita, nem que seja para um café.

Palermo é dividido em Chico, Viejo, Soho e Hollywood. Da última vez descobri também Las Cañitas. Só acho difícil saber exatamente onde acaba um e começa outro. O bairro como um todo é ótimo não só para comer, mas também beber e bater perna, principalmente nos fins de semana, quando há feirinhas. O nome da praça principal é Plaza Cortázar (ou Plaza Serrano). Os bares em volta da praça ficam cheios e alguns não aceitam cartão de crédito. Tenha sempre algum dinheiro vivo. Mas, de qualquer maneira, acho melhor explorar as ruas ao redor para procurar melhores opções de restaurante.

LA BOCA, SAN TELMO E PUERTO MADERO

Caminito

Caminito

Quanto aos bairros de La Boca, San Telmo e Puerto Madero, dá para visitar os três no mesmo dia, até numa mesma manhã ou tarde. Em La Boca, é legal ir ao estádio do Boca Juniors (La Bombonera), visitar o Museo de la Pasión Boquense (o museu do estádio) e percorrer o Caminito para tirar fotos. Mas é coisa rápida. Também dá para matar um pouco da vontade de ver tango pelas ruas mesmo. Vários casais dançam em troca de moedas.

La Bombonera

La Bombonera

Já a San Telmo é preciso ir, obrigatoriamente, no domingo, dia da badalada feirinha, cheia de ambulantes nas ruas vendendo antiguidades, artesanato e badulaques. É a melhor feira de Buenos Aires, na minha opinião. O Mercado Central também pode ser uma experiência interessante, mas tem muita velharia tentando se passar por preciosidade. Os souvenirs costumam ser mais baratos lá do que em Caminito.

Não muito longe de San Telmo fica Puerto Madero, o porto que foi revitalizado e virou centro gastronômico. Há um cassino por perto, que funciona num barco, e vale a visita. Mas as pessoas vão ao lugar mesmo é para comer e passear na beira do rio. São várias as opções de restaurantes ao longo de quatro antigos diques.
Puerto Madero

Puerto Madero

No canto esquerdo de Puerto Madero, mas na margem oposta do rio, há mais opções de restaurantes, só que dessa vez mais caros e refinados. Fazem parte de um bairro novo, sofisticado, que tem um parque interessante atrás.

BALADAS

Para quem gosta de pegar mais pesado, as baladas em Buenos são sensacionais, totalmente ao estilo espanhol. Começam tarde, por volta de 1h da madrugada, e só acabam de manhã, por volta de 7h ou 8h, às vezes 9h. Claro que cada dia da semana há um lugar que bomba mais. Mas uns folhetos distribuídos em pontos turísticos e culturais ajudam a identificar quais os lugares da moda para dançar.

Casa à beira d'água no Tigre

Casa à beira d'água no Tigre

PASSEIO DO DELTA DO TIGRE

Para quem tiver tempo, vale a pena pegar o trem turístico que sobe o Rio Paraná até a sua foz, o Delta. O trem dá direito a descer em todas as paradas até o destino final, o que significa conhecer várias cidades fofas nos arredores de Buenos Aires.

O destino final é Tigre, onde um barco ou lancha leva o visitante para percorrer as ilhas do lugar com suas casinhas à beira d’água. A companheira de blog Flávia Motta dará mais detalhes em breve sobre esse excelente passeio.

Quer imprimir esse post? Clique aqui.

Siga As Viajantes no twitter.

Personal Trip

About the Author

Nada de sombra e água fresca. Daniela gosta mesmo é de explorar o mundo, os países, as cidades por onde passa. Mal acabam as andanças das últimas férias e já começam os planos para o próximo destino.

7 Respostas para “ Um roteiro por Buenos Aires: o que ver e fazer na capital argentina ”

  1. Obrigada pela contribuição, Denis!
    Abraços,
    Daniela

  2. Pessoal, vai aí uma dica que foge dos padrões tradicionais.
    Conheçam o Centro Cultural Islâmico em Palermo.
    As visitas são guiadas por um religioso, gratuitas e somente ao meio dia.
    Nela vc vai conhecer tudo sobre a religião islâmica; significados, símbolos e mesquitas.
    Não pode entrar de bermuda.
    Quem tá no centro, basta pegar o metrô linha verde na estação 9 de julio e descer na estação Palermo. Em seguida siga pela Av. Intendente Bulrich.
    Vale a pena !

    Abraço e boa viagem … Denis.

  3. Vale a pena conhecer o restaurante mais “loco” de BA: Te Mataré Ramirez (Calle Paraguay 4062)www.tematareramirez.com. Com atmosfera sexy e pratos deliciosos. Mas tem que reservar!

  4. Cara, amei esse post… me ajudou MUITO com informações diretas e precisas pra eu fazer meu roteiro de passeios…
    Já virei fã das viajantes…

  5. Excelente post! Fui para Buenos Aires verão passado e me apaixonei pela cidade! Quem nunca visitou, precisa visitar, a comida, a paisagem, o portenho, é tudo d+…
    Bue encanta!!!

  6. MARAVILHOSAS INDICACOES DE LUGARES PARA SEREM VISITADOS EM BA!!!
    ÓTIMO , CURTO E EFICAZ !
    MAS , E AS CASAS DE TANGO ???AMEI !!!

    Teresa Cristina

  7. Meninas, to adorando o site, mas to sofreeeendo!! Esse post de Buenos Aires me deixou com mais e mais vontade de ir, super completo.
    Parabéns a todas! =)

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>