• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Bolonha e Parma: onde a vida não é light

‘Prosciutto di Parma’: para comer sem medo de ser feliz. Foto: Scienze Gastronomiche

Molho à bolonhesa, queijo parmesão, presunto de Parma, vinagre de Modena… Já parou para pensar de onde vêm? Pois da Emília-Romanha (ou Emilia-Romagna), região no norte da Itália apelidada de la grassa (“a gorda”). Trata-se de um dos melhores lugares do mundo para comer. E sem culpa, por favor. Se você pretende um dia mandar os regimes às favas, esta é a região ideal. E, uma vez dentro da Itália, dá para chegar nela facilmente de trem, já que a rede da Trenitalia liga Bolonha e Parma com as principais cidades do país.

As carnes, queijos e presuntos defumados da Emilia-Romanha são conhecidos no mundo todo: parmigiano-reggiano, salame de Javali, presunto cozido (prosciutto cotto) e o presunto de Parma (prosciutto crudo) são alguns dos destaques. Por lá, também é fácil encontrar o delicioso vinagre aromático (aceto balsamico) feito em Modena (cidade “rival” de Bolonha). Ele é envelhecido por até 14 anos em barris de carvalho, ficando suave e escuro. É muito usado pra temperar sopas, guisados e saladas.

BOLONHA, CHARME UNIVERSITÁRIO

Panorâmica de Bolonha com a Piazza Maggiore no centro

A primeira vez que ouvi falar de Bolonha, capital da Emília-Romanha, foi quando uma colega de trabalho me contou que escolheu essa cidade para passar seis meses estudando italiano. Voltou 10 quilos mais gorda, mas totalmente encantada com essa que é conhecida como a capital da gastronomia italiana. Diferentemente da culinária rústica de algumas partes do país, os bolonheses apresentam pratos mais elaborados, com ingredientes como creme, carnes especiais (carne de caça, presunto de Parma e mortadela), além dos bons queijos. Mesmo que sua intenção não seja arrebentar com a balança (sempre se pode compensar a comilança com uma saladinha – e as de lá também são fantásticas), vale muito a pena visitar esta cidade.

Prédios de tijolo, palácios medievais e pórticos formam o centro histórico da intelectual Bolonha, que tem como uma de suas principais atrações sua universidade. Mas a Università de Bologna não é uma instituição qualquer. É a mais antiga da Europa (fundada em 1088), onde estudaram Dante Alighieri e Copérnico. Atrai milhares de estudantes de mundo inteiro, não só por sua tradição, mas porque mantém a excelência recrutando professores como Umberto Eco.

Palácios medievais rodeiam suas praças centrais, a Piazza Maggiore e a Piazza del Nettuno, limitadas pelas igrejas de San Petronio e San Domenico (onde está enterrado São Domingos, debaixo de uma arca gigantesca ). Mas o cartão-postal de Bolonha são as torres inclinadas Asinelli e Garisenda, conhecidas como Le Due Torri. No século XII, as famílias tradicionais de Bolonha construíram torres representando os clãs (havia cerca de 200 torres). Dante mencionou duas delas em seu Inferno. Pouco a pouco, as torres foram derrubadas para dar espaço ao progresso. Hoje só restam estas duas.

Se topar com alguma padaria no caminho, aproveite para provar pães e biscoitos de formas e sabores inéditos. Fico com água na boca só de lembrar. Também vale uma visita a Basílica de Santo Stefano, onde há uma pia que, segundo a lenda, seria a que Pôncio Pilatos teria usado para sua famosa toilette depois de condenar Jesus Cristo. Vá também à de San Petronio, a mais famosa de Bolonha. O santo que lhe dá o nome foi bispo de Bolonha no século V e ela foi projetada para ser maior que a Basílica de São Pedro, em Roma. Por falta de dinheiro, acabou ficando assimétrica, com colunas a mais de um lado. Este desperdício financeiro teria sido um dos motivos para Martinho Lutero ter ficado contra a Igreja Católica. É a basílica perfeita para você se redimir dos pecados da gula cometidos por lá :-). Aliás, perto dela fica a simpática trattoria Da Gianni (Via Clavature 18), boa pedida para almoçar ou jantar.

Os ‘tortellini’ bolonheses são imperdíveis. Foto: TripAdvisor

Observações gastronômicas: na Itália, o famoso molho à bolonhesa é conhecido como ragù. Os primi piatti normalmente são massas e os secondi piatti, carnes. Se achar que não vai aguentar, não peça o menu e sim um prato único porque é uma gafe danada deixar comida no prato. Outro detalhe: é difícil ver um italiano comendo massa com colher. “É com o garfo e ponto. Com colher é coisa de turista ou de caipira”, dizia Cristiana, minha ex-professora de italiano, nascida em Roma. Falando em talheres (coperti), eles são cobrados à parte, como parte do serviço.

A noite pode começar (ou terminar) no bairro universitário, em algum bar da Via Mascarella.  Eu fiquei em um hotel perto dela, chamado Hotel Accademia.

PARMA, CIDADE-DELICATESSEN

Parma é uma boa day trip de Bolonha, mas também vale a pena passar pelo menos uma noite nesta cidade fofíssima, em cujas ruas flanavam Verdi e Paganini. Reduto cultural, Parma conta com uma das melhores casas de ópera da Itália (o Teatro Regio), além de pinturas, esculturas e edifícios medievais em suas igrejas e museus. O charme se completa com lojas elegantes, bares e restaurantes estilosos.

Parmigiano-reggiano 36 meses, cujo preço por quilo pode chegar a 30 euros na Itália. Fora dela, muito mais.

Mas a minha principal motivação para ir a Parma foi minha obsessão por queijos (já descrita no meu post da Croácia quando citei o queijo de Pag). Imagine se eu não iria querer provar o parmigiano. O mais famoso queijo italiano pode vir em duas formas: parmigiano-regiano e grana (este de qualidade inferior). São feitos com técnicas quase inalteradas ao longo dos séculos. Por outro lado, o Gui, meu marido, foi seduzido pela oportunidade de degustar in loco o prosciutto crudo, o famoso presunto de Parma. A carne vem de porcos engordados com o soro restante da produção de queijo parmesão e exige um pouco mais de sal e pimenta do que outros presuntos. Eles são curados por até 10 meses pela brisa das colinas de Langhirino (sul de Parma).

Portanto, a primeira coisa que fizemos ao chegar lá foi procurar um lugar para comer esses dois produtos. E a pizzaria La Duchessa (Piazza Garibaldi, 3) foi uma boa. Lá descobri que a felicidade pode ter gosto de parmigiano-reggiano curado em 25 meses, adocicado por um vinagre balsámico de Modena mais viscoso e mais adocicado do que os aceti que encontramos no Brasil.

Depois do festim, fomos passear pela cidade. Começamos pela Piazza Duomo, com sua catedral e seu batistério octogonal. Depois, caminhamos até a rua Garibaldi e demos de cara com os jardins do Palazzo Pilotta, delicioso para lagartear. Vimos até um grupo de capoeira se apresentando por ali. Dentro do Palácio, fica a Galleria Nazionale, com obras de Fra Angelico e El Greco. Também vale uma passada na Igreja renascentista de Santa Maria della Steccata e no gostosinho Parque Ducale, onde fizemos uma sesta depois do almoço.

Imprima este post aqui.

Siga As Viajantes no Twitter.

Personal Trip

About the Author

Depois de três anos morando na Europa, Clarissa foi multada ao voltar ao Brasil. Motivo: excesso de bagagem. Mas não se arrepende. Afinal, eram muitas histórias e dicas para trazer na mala e ela não queria deixar nenhuma para trás.

3 Respostas para “ Bolonha e Parma: onde a vida não é light ”

  1. Engordei uns dois quilos só de ler. 🙂

  2. Oi, Ana. Pois é, infelizmente só comi nos restaurantes de Parma e Bolonha mesmo, não fiz os passeios. Mas acredito que não sejam muito baratos, não. Eu achei este link que tem algumas sugestões de turismo enogastronômico na região, veja se ajuda:
    http://www.parmavisiteguidate.it/links.htm
    Quanto às outras cidades, elas estão descritas em outros posts (menos Positano), dê uma olhada na nossa lista: http://asviajantes.com/europa/italia-europa
    Boa parte delas está no post geral da Itália: http://asviajantes.com/viagem/italia-o-pais-inesgotavel
    Bjs!

  3. Ola Clarissa!!
    Semana q vem estamos por lá e eu estava querendo muito conhecer as fabricas de queijo e presunto, vc nao fez isso?
    pq com guia achei meio caro 240 euros, pp, eu e meu marido somos 2 ratinhos rsrsrs
    obrigada
    Ana
    ps adorei a dica da toscana esta gravadinho, pena q teremos 3 dias p bolonha, florença, pisa e siena depois vamos p napole- positano 2, e depois roma 2 dias e tchau bela!! vc teria dicas desses lugares?
    bjss obrigada

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>