• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Belém express: um passeio rápido pela capital do Pará

Mercado Ver-o-peso Belém Pará

Quitutes, artesanato, temperos e até animais no Ver-o-Peso

Os cheiros e as cores de Belém são inesquecíveis. Dividindo com Manaus o posto de principal cidade da Amazônia Brasileira, a capital do Pará esbanja charme, cultura e paisagens lindas. Infelizmente, minha passagem por lá teve que ser bem corrida e só pude ficar um dia na cidade, depois de rodar o interior a trabalho. Mas isso não quer dizer que não tenha aproveitado a estada e apurado dicas de lugares que enchem os paraenses de orgulho e que valem a visita.

Mais sobre a Amazônia:

Amazônia Express: que passeios fazer pela floresta
As cores, os ruídos e a paz da Amazônia
Eu já dormi na selva Amazônica

Ver-o-peso – O ponto turístico mais tradicional é o mercado Ver-o-Peso. Lá você encontra tudo e mais um pouco, sem exageros. Você come comidas típicas feitas na hora a preços módicos de barraquinhas mil, legumes, frutas e verduras das mais variadas, artesanato e até galinhas e outros bichos. Mas o mais engraçado são as barracas de ervas e perfumes com TO-DAS as finalidades possíveis: pegar homem, afastar sogra, amansar o touro, ganhar dinheiro, além de outros nomes esdrúxulos como ‘sexo da bota’ ou ‘queira ou não queira, tem que querer’. As mesmas bancas oferecem também sabonetes medicinais, como os de açaí, aroeira e outras plantas amazônicas. São ótima opção para souvenirs.

Mangal das Garças Belém Pará

Lá no Mangal das Garças é possível ver vários animais soltos

Se você for daquele viajante que gosta mesmo de viver a cidade, tente chegar lá cedo e comece o passeio ultrapassando as fronteiras do mercado. Depois das barracas, no final, após passar pelos barcos, acontece a feira do açaí, onde é possível ver as embarcações abastecendo a cidade com balaios e mais balaios da fruta mais típica da região.

Mangal das Garças – Esse lugar tem que estar entre as prioridades em sua estada em Belém. É um parque ecológico à beira do Rio Guamá, que banha a cidade, feito para você aproveitar e conhecer a fauna e flora locais. Logo na entrada, as famosas araras azuis (aquelas do filme RIO), dão as boas vindas, soltas num viveiro. É só subir uma escada e um mirante à sombra pra você curtir o rio.

O legal lá é que tem áreas em que é só aproveitar o parque e há também atrações pagas. Por R$ 3 você conhece um dos maiores borboletários da América Latina, uma experiência linda, com várias espécies circulando entre as plantas e no meio dos visitantes. Pelo mesmo valor, você sobe no farol e tem uma visão panorâmica da capital paraense. Agora, se você quiser aproveitar tudo, paga R$ 9 e garante um passaporte. Lá tem quiosques e um restaurante e você pode ver tartarugas, garças brancas e vermelhas fluorescentes e outras aves de perto.

Casa das Onze Janelas - Belém Pará

Casa das Onze Janelas (Foto: www.belemdo para.tur.br)

Dicas extra – esse parágrafo é de dicas que recebi de paraenses, mas que não consegui tempo hábil pra conhecer. No mesmo dia do Ver-o-peso, dá para dar uma esticada e conhecer a Casa das Onze Janelas. Também me falaram muito bem e as fotos comprovam a fama do Museu de Arte Sacra, Museu da Gema, dedicado a minerais brasileiros, e do Parque dos Igarapés, onde você passeia de barquinho entre a vegetação do Rio Guamá.

ONDE COMER – Tacacá e Vatapá são algumas das comidas típicas de Belém. Eu adoro as duas, que levam camarão e temperos locais deliciosos. Em qualquer banquinha você encontra. Mas a capital paraense tem outras delícias. Entre elas, conciliar bons pratos com uma boa vista da natureza local. Localizado dentro do Hotel Beira Rio, o Marulho’s é aberto ao público e fica num deck sobre o rio, tem cardápio farto e música ao vivo à noite. A única observação é que pra lá é melhor pegar um táxi, porque o bairro, Guamá, não é muito bom nem seguro, segundo os locais.

As docas também são uma ótima opção, baseada na revitalização do porto. Mas quem quer um pouco mais de aventura, o Saudosa Maloca fica do outro lado do Rio. Para ir, é preciso pegar um barquinho – alguns saem do porto e custam R$ 5 ou você pode contratar um barqueiro para chamar de seu e fazer o seu horário. Se não conseguir ninguém pela cidade, liga pro restaurante (91 – 9982-3396), que a Neneca, a dona, te indica alguém. Lá é pra ir à vontade, tomar um banho de rio e curtir o dia. Nós pedimos dois pratos de pirarucu e foi suficiente pra quatro e tem preço honesto. Mas a especialidade da casa, que depende de época da safra, é a caipirinha de cacau.

Saudosa Maloca - Belém Pará

Acesso ao restaurante Saudosa Maloca

Agora, se você quiser comer bem e barato, também no Guamá, tem a Peixaria do Careca. O lugar é do tipo pé-sujo, sem ar-condicionado, mas com comida farta. Encaramos uma caldeirada, que serviu o grupo de quatro e estava uma delícia. A referência para chegar lá é a igreja de São Judas Tadeu, que fica em frente.

ONDE SE HOSPEDAR – Eu fui a trabalho e fiquei hospedada no Hotel Beira Rio. O bairro não é muito bom, mas a vista para o Rio e a piscina com cara de cenário de reality show compensam. Segundo os paraenses que conhecemos lá, os bairros mais bacanas da cidade são Nazaré e Batista Campos, então, acho que eles valem de referência para quem estiver á procura de lugar pra ficar.

Versão para impressão, clique aqui

Siga As Viajantes no Twitter

Personal Trip

About the Author

De moto, barco, carro, avião, trem ou ônibus, para Alícia o importante é viajar, conhecer lugares novos, sem deixar de desbravar o Brasil.

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>