• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Aveiro e Óbidos: por que valem a pena

Interior da Porta da Vila, em Óbidos. Para uma entrada triunfante.

Nos últimos dias, tenho sentido uma estranha saudade de Portugal e me dei conta que ainda não tínhamos nada no blog sobre duas cidades encantadoras desse país. Já falamos de Lisboa e do Porto, grande urbes deliciosas e imperdíveis, assim como o entorno da capital portuguesa. Mas faltava registrar visitas a Aveiro e Óbidos.

Para informações gerais sobre Portugal, clique aqui.

Vai para Lisboa? Estas são suas principais atrações.

Para day trips saindo de Lisboa, confira estas dicas.

Vai também para o Porto? Então dê uma olhada neste post.

Elas não estão próximas e não têm muito em comum. A primeira é beirã, fica perto de Coimbra, e a segunda está na Estremadura e pode ser visitada numa day trip de Lisboa. Estão reunidas aqui por uma razão pessoal: ver suas fotos me transmite imediatamente as cores, a luz e o sabor de Portugal, elementos que muitas vezes não são percebidos quando visitamos localidades “obrigatórias” de um país.

É bem verdade que Óbidos entra em diversos roteiros turísticos, inclusive de pacotes. Mas infelizmente nem todo mundo considera uma visitinha a essa cidade de ladeiras e casinhas brancas. Começamos com ela.

Ginjinha em Óbidos: é impossível tomar uma só

ÓBIDOS

Por que ir? Antes de entrar nos quesitos óbvios, uma curiosidade simpática. Isabela de Aragão, ao passar pelas muralhas medievais da cidade, ficou tão encantada que disse a Dinis I (1261 – 1325), conhecido como o Rei-Poeta, que preferia “ganhar” a cidade em vez de uma coroa cravejada de joias. Dito e feito. Óbidos virou “presente” de casamento não só de D. Dinis, mas de diversos outros príncipes que o sucederam, inaugurando uma “tradição” de presentes de boda. Mas Óbidos vale por sua vista linda, suas casas brancas, suas ruas e construções de pedra, com flores nas sacadas.

O que ver A Porta da Vila, entrada da cidade, já anuncia o que vem pela frente com seus azulejos impressionantes – tão lindos e tão frequentes na arquitetura portuguesa. Lá dentro, vale registrar ângulos que combinem as muralhas com o verde da paisagem. A Igreja de Santa Maria é uma das atrações, com seu interior de azulejos (de novo eles, adoro). Seu castelo também merece uma visita.

Comer e comprar É fácil encontrar um bom cozido português e pratos com frutos do mar, como a caldeirada. Não saia de lá sem provar a ginjinha, licor encontrado em outras cidades portuguesas, mas que é bem típico de Óbidos. Feito de ginja (lembra a cereja), pode ser servido em copinhos de chocolate (devidamente devorados em seguida). Também é uma cidade bacana para lembrancinhas, como objetos de louça branca e azul, encontradas na Rua Direita.

Como chegar Óbidos fica a 93 quilômetros de Lisboa. De carro, pegue a A8 no sentido Lisboa-Leiria e desça na saída 15. A viagem dura entre 40 e 50 minutos. Saindo do Porto, pegue a A1 até Leiria e ao chegar lá, pegue a A8. De ônibus (autocarro), existem passagens Lisboa-Óbidos que custam por volta de 10 euros e a viagem leva uma hora. O trem (comboio) proporciona uma viagem bonita, com belas paisagens, mas leva mais tempo (cerca de duas horas) e não te deixa na cara do gol, no centro, é preciso dar uma caminhadinha. Para ver horários, consulte www.cp.pt.

+ info – www.obidos.pt

Flores, pontes e barcos

AVEIRO

Por que ir? Aveiro é daquelas surpresas que te conquistam no meio da viagem. Pequenina, é comparada a Veneza por seus canais, com barcos ‘moliceiros’ (usados para pescar) e pontes arqueadas. Mas é uma Veneza tranquila, que me lembrou um pouco nossa Paraty, principalmente pelas casas de fachadas coloridas (na realidade, de arquitetura predominantemente flamenca). Arrozais, dunas, salinas e o rio Vouga emolduram a paisagem nos arredores da cidade.

O que ver Além de se deixar levar pelas ruas e casas coloridas, vale uma passada no Convento de Jesus, hoje Museu de Aveiro, considerado o melhor exemplo do estilo barroco em Portugal. Tem importância religiosa (com direito a mecha de cabelo de santa) e artística (com pinturas do século XV). Se estiver de carro, desbrave os arredores da região. Ílhavo está a apenas cinco quilômetros ao sul de Aveiro e lá você pode visitar o simpático Museu Marítimo, que descreve a vida dos pescadores das localidades. De Ílhavo, vale andar mais dois quilômetros e chegar a Vista Alegre, famosa internacionalmente por suas porcelanas. Para conhecer a história delas, visite a Fábrica Vista Alegre.

Comer e comprar As enguias são a especialidade da região. Mas, se você não curtir, caia de boca nos peixes e frutos do mar fresquinhos – afinal, é terra de pescadores. Nós aproveitamos uma boa espetada de camarões.

Como chegar Aveiro fica a 56 quilômetros de Coimbra e a 68 quilômetros do Porto. Saindo de carro do Porto, é necessário pegar a A1 e sair na A25, estrada que leva a Aveiro. De Lisboa, também é necessário pegar a A1 e descer na saída 15 (Aveiro-Sul/Águeda). Consulte os sites www.rede-expressos.ptwww.cp.pt, para viajar de  autocarro/ônibus ou comboio/trem, respectivamente, de qualquer uma dessas cidades.

Personal Trip

About the Author

Depois de três anos morando na Europa, Clarissa foi multada ao voltar ao Brasil. Motivo: excesso de bagagem. Mas não se arrepende. Afinal, eram muitas histórias e dicas para trazer na mala e ela não queria deixar nenhuma para trás.

2 Respostas para “ Aveiro e Óbidos: por que valem a pena ”

  1. Os moliceiros, barcos típicos da Ria de Aveiro, não eram utilizados para pescar, como se refere no artigo, mas sim para recolher o moliço. O moliço, do qual provém o nome de moliceiro, é uma alga que cresce na Ria e que era usada tradicionalmente para adubar os campos de cultivo.

  2. Acabei de conhecer este site e gostei muito, em junho irei para Portugal com meu marido e por isto estou pegando várias dicas. Parabéns pelo site!

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>