• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Pizza em Nápoles: uma experiência inesquecível #ficaadica

 

A fila anda na Da Michele

A fila anda na Da Michele

Uma pizza é nada mais que uma pizza, certo? E, como gostam de dizer os paulistas, em São Paulo estão as melhores do mundo, superando até mesmo as da Itália. Mas vamos dar um desconto para a megalomania dos brasileiros e, com todo respeito ao inegável talento de muitos pizzaioli de Sampa, que tal abrir os sentidos para a mundialmente conhecida como ‘vera’ pizza?

Há controvérsias, eu sei. Porém, enquanto alguns dizem que a ideia de achatar e assar a massa foi coisa dos chineses, boa parte do globo considera que a redonda foi inventada em Nápoles, terra que reúne condições climáticas perfeitas para os ingredientes de uma pizza espetacular. E foi isso que eu provei por lá.

Veja aqui um roteiro pela Itália

Primeiros passos na Itália 

Em um relacionamento sério com a margarita

Em um relacionamento sério com a margarita

Nápoles é uma cidade caótica, suja, barulhenta, frenética, que mais lembra as grandes cidades latino-americanas do que uma localidade europeia. Porém, é onde estão alguns dos italianos mais simpáticos com quem cruzei ao longo da vida. E como são autênticos! Não duvide que parte do sucesso da pizza napolitana se deve a esse ingrediente extra da personalidade daquele povo.

Provar a tal pizza napolitana é programa mais que obrigatório. Principalmente se for na badalada L’Antica Pizzeria Da Michele, em cartaz desde 1870 e provavelmente formando filas desde aquela época. Mas não se assuste com a multidão na porta, pois ela anda relativamente rápido. É que a Da Michele não tem nenhuma frescura e os clientes não costumam demorar por lá. Não é recomendável, inclusive, esquentar lugar só batendo papo sem consumir nada, sob pena de ser flechado por olhares hostis dos garçons.

Considerada a melhor da cidade, a pizza do Da Michele (se pronuncia Miquéle) é enorme – e vale lembrar que pega mal dividir, pois o normal é servi-las individualmente. Você olha aquilo e pensa que não vai conseguir comê-la inteira, mas consegue. É de lamber os dedos, literalmente, pois se come com a mão. Os talheres estão à mesa, mas são dispensáveis, pois a massa é tao fininha que os cortes feitos previamente pelo pizzaiolo são mais que suficientes para puxá-la e enrolá-la, facilitando o ato de devorar.

O ambiente informal (as bebidas são servidas em copos de plástico) facilita esse labor. Só há dois sabores no cardápio: margarita (ou margherita, com tomate fresco, mussarela branca e manjericão) e marinara (tomate fresco, azeite extra-virgem, alho e orégano). Os herdeiros de Michele, e lá se vão cinco gerações, são puristas, e esses são os sabores considerados originais de Nápoles.

Homenagem em napolitano

Homenagem em napolitano

Na boca, a pizza é uma explosão deliciosa. O molho de tomate é levemente adocicado, a mussarela e as ervas são fresquíssimas, provando que a alta qualidade dos produtos é de fato o segredo das receitas bem-sucedidas italianas. Como se sabe, a procedência de ingredientes é caso sério no país. Aí vai o pedigree da pizza: tomates da variedade San Marzano (cultivados nas encostas do Vesúvio); mussarela fior di latte, produzida na centenária leiteria d’Agerola, e a farinha de trigo “Tipo 00”.

Vai também para a Toscana? Então confira nosso roteiro aqui e aqui

Procida, uma ótima day trip de Nápoles 

Como a vontade de comer pizza cresce exponencialmente a cada dia que se passa em Nápoles, vale também provar a versão de outras casas famosas da cidade, como a Trianon da Ciro (Via Colletta Pietro, 42/46), famosa por sua pizza de salsiccia e friarielli (espécie de brócolis local), e a Brandi, conhecida por sua margaritaMas, se você perguntar a um napolitano uma dica, certamente ele apresentará mais umas cinco opções diferentes. Dentro de cada habitante mora um especialista no tema.

Os calzoni e os ripieni (algo entre o pastel grande e uma pizza dobrada, com recheio) também vão contribuir para sua dieta altamente calórica. E uma dica: para acompanhar, peça cerveja ou algo não alcoólico. Muitos italianos consideram a combinação vinho com pizza coisa de turista ou mesmo uma ofensa.

Provamos cervejas na Toscana… e curtimos!

Quer comer mais pela Itália? Não deixe de ir a Bolonha e Parma

Personal Trip

About the Author

Depois de três anos morando na Europa, Clarissa foi multada ao voltar ao Brasil. Motivo: excesso de bagagem. Mas não se arrepende. Afinal, eram muitas histórias e dicas para trazer na mala e ela não queria deixar nenhuma para trás.

3 Respostas para “ Pizza em Nápoles: uma experiência inesquecível #ficaadica ”

  1. Nossa! Estou apaixonada pela Itália, louca para conhecer tudo, e um post como esse é tentador…vou ali rapidinho dar uma olhadinha nas passagens…
    Abraços!

  2. Oi, Dani. Sim, a original é feita com molho de tomate, mas o ideal é que não seja o industrializado nem muito menos extrato, e sim o natural, molho de tomate fresco. Não sei por que seus amigos dizem isso, aqui no Rio todas levam também. 🙂
    Existem algumas pizzas especiais sem molho de tomate (no Uruguai, há uma pizza al tacho que é assim, por exemplo) e, dependendo do sabor, não combina, mas historicamente a pizza leva molho de tomate.
    Abs,

  3. Eu sempre tive essa dúvida, acho que você pode me responder. xDD
    A pizza, originalmente, é feita com molho de tomate? Acontece que sou de SP e meus amigos de fora de SP (inclusive meu namorado, mineiro), dizem que paulistano é estranho por comer pizza com molho de tomate e que é nojento.
    Mas como SP tem um número altíssimo de descendentes de imigrantes italianos, eu tenho quase certeza que os errados são eles. xD
    Então: com ou sem molho de tomate?