• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Uma versão etílica e consumista de Londres

A gente tinha apenas três dias para conhecer a capital inglesa. O voo entre Mumbai e o Rio de Janeiro faria escala em Londres e como nós temos amigos lá resolvemos explorar a cidade sexta, sábado e domingo. A combinação tempo curto e guias locais fez com que nós abríssemos mão de todos os museus e pontos turísticos. Nossas lembranças de Londres? Apenas feiras, pubs e cervejas.  Abaixo estão as que não foram apagadas pela bebedeira, claro.

AS FEIRAS

 

Todo tipo de comida...

Borough Market – Esse lugar é definitivamente um programaço! É uma feira gastronômica que rola quinta, sexta e sábado, entre 12h e 17h nos dias de semana e das 08h às 17h aos sábados. O melhor horário pra ir lá é obviamente quando você estiver com fome. Na feira você encontra dezenas de barraquinhas que vendem milhares de tipos de comida diferentes. O melhor é que em todos os lugares você pode pegar uma provinha, então a dica é circular primeiro e depois – se você ainda estiver com fome mesmo depois de comer taaanto de graça – decidir onde vai comprar o seu almoço. No entorno rolam uns pubs que têm cervejas perfeitas para acompanhar quem optar por apenas um petisco. Os amantes  de vinho podem se deliciar nas barracas que vendem a bebida. O lugar é perfeito também pra fazer comprinhas de supermercado. Foi lá que eu vi os tomates mais lindos da minha vida. (Dica pro amigo  Pedro Landim, o maior defensor  dos vermelhinhos e da boa comida.) A localização também ajuda, fica entre a London Bridge e Borough. Ou seja, você pode dar uma passadinha na feira quando estiver planejando uma visita ao Tate Modern ou ao Globe’s Theatre, que é o local onde Shakespeare apresentava suas peças. Se quiser ir de metrô direto a estação é London Bridge.

 

Descanso merecido no Hyde Park

Portobello Road Se você estiver em Londres em algum sábado esse definitivamente tem que ser o seu programa. A feira, que lota as ruas do famoso bairro de Notting Hill, é perfeita pra quem gosta de roupas, antiguidades, objetos para casa, acessórios, sapatos, discos ou simplesmente ver gente. São centenas de barraquinhas que vendem coisas incríveis e com certeza você vai fazer alguma boa compra. Uma parte da feira é só dedicada à comida, você pode programar um almoço por lá mesmo. E em várias esquinas você também encontrará diversos pubs, então não se preocupe com a cerveja. Se você for abençoado com um dia de sol,  peça seu pint em um copo descartável e relaxe um pouco sentado no meio fio mesmo, exatamente com os londrinos. A melhor hora pra ir até lá é logo no começo da manhã, mais perto do almoço começa a ficar bem cheio e difícil de ver as barraquinhas. As estações de metrô são Ladbroke Grove ou Notting Hill Gate. Portobello também pode ser um bom programa casado com o Hyde Park e o Kensington Gardens, que nao ficam tão longes e são lugares perfeitos para um descanso depois de tanto bater perna.

A feita gastrônomica do lado de fora de Bricklane

A feita gastrônomica do lado de fora de Bricklane

No domingo nosso programa foi Brick Lane market. Eu sei que o texto é repetitivo mas novamente foi sensacional. O lugar é uma espécie de mercado de pulgas com várias coisinhas cool. A feira funciona em um antigo galpão e de todos os markets, Brick foi pra mim o retrato do imaginário que se tem de Londres. (Foi lá que eu comprei o relógio mais lindo do mundo que hoje habita a estante da minha sala) 🙂 De novo a parte gastronômica merece destaque. Lá você encontra pratos de todos os cantos do mundo. Até as comidas típicas das Ilhas Maurício estavam lá. Junto com a feijoada e o guaraná brasileiros. Nossa pedida foi uma espécie de panqueca japonesa – pra comprovar que nem só de shushi e sashimi vive a cozinha nipônica. Do lado de fora também tem uma segunda feira de comidinhas do mundo todo. O lugar lotou no fim de tarde em que estivemos lá. E perto de Brick, pra variar, mais pubs que se encarregarão de suprir sua abstinência por cerveja. A feira funciona domingo das 08h às 14h. Do lado de fora, as barraquinhas ficam abertas até o fim da tarde.

Pertinho de Brick Lane market fica o Spitalfields market. Segundo nossos amigos locais, o galpão onde funciona a feira foi reformado recentemente. E realmente o lugar é lindo e está tinindo de novo. Lá mais barraquinhas legais. Spitalfields é especialmente bom para os meninos que adoram camisas transadinhas com estampas engraçadinhas. Nós fizemos mais compras mas acabamos gastando mais tempo em um pub centenário que fica bem em frente.  A gente não teve tempo de ir, mas pertinho de Brick e Spitalfields fica o Columbia Road, que é um mercado de flores e antiguidades.

CERVEJA

 

Pub com jardim!

 

Beber cerveja é programa obrigatório em Londres. E não se preocupe quanto a isso, em quase toda esquina, literalmente, você vai achar um pub. Se você der sorte de pegar um dia de sol, a dica é procurar um que tenha jardim. Eles são lindinhos e super agradáveis. Como a Dani já falou, os pubs em Londres fecham cedo. Mas antes das 11h já é possível encontrar gente com os trabalhos iniciados. Outra dica é fazer como os londrinos: uma cerveja, no máximo duas, e seguir para o próximo pub. Ao contrário de nós brasileiros (ao menos dos cariocas que adoram um bar pra chamar de seu), ingleses não curtem passar o dia todo no mesmo bar. Em alguns pubs as mesas também são daquelas grandonas, estilo refeitório. Isso é uma ótima oportunidade pra quem está sozinho se enturmar. Outra dica é pedir a cerveja do próprio pub. Muitos fabricam a própria bebida que costuma ser sempre a melhor pedida. (Principalmente na hora da indecisão causada por tanta opção…).

Guiness: pra terminar o dia e o post

Guiness: pra terminar o dia e o post

Pras meninas há também opção de cervejas com frutas. Por experiência própria, meio pint dessas costuma ser suficiente. Eu bebi um pint inteiro e fiquei enjoada. Aliás, meio pint é sempre uma boa dica pra quem quer participar da maratona etílica mas não é tão resistente à bebida. Pra finalizar: Guiness. É assim que a maioria dos londrinos termina as rodadas nos pubs. Eles dizem que a Guiness só deve ser bebida a partir das cinco da tarde e que ela é a melhor pedido pra se despedir.

Mais Londres aqui

Esse site também é legal pra saber o que está rolando agora na cidade agora.

Versão deste post para impressão.

Personal Trip

About the Author

Destinos exóticos e desconhecidos. É em lugares assim que Reba prefere passar as férias. Isso deve ser uma desculpa para poder passar os outros 11 meses do ano planejando a viagem.

3 Respostas para “ Uma versão etílica e consumista de Londres ”

  1. Achei ótimo optar pelos mercados e bares. Sem dúvida, os melhores programas de Londres!

  2. As cervejas. Ah, as cervejas…

  3. adoro esses mesões de refeitório, eles são ótimos mesmo! em Munique conheci um casal de velhinhos fofos, ele alemão e ela da América Central (não lembro de onde agora) e ficamos um tempão conversando! Ele era supercurioso pra saber como era o Brasil, o carnaval… Foi muito divertido! 🙂

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>