• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Roots ou conforto, as diferentes maneiras de acampar

A chegada ao camping de Pincinguaba

A chegada ao camping de Pincinguaba

Quem acompanha o blog já deve ter percebido que eu amo acampar, né? Então, esse post vai pra quem, como eu, gosta de fazer comidinhas no fogareiro, dormir em colchão inflável só pelo prazer de se embrenhar no meio do mato ou dormir com o som das ondas batendo. Para isso, vou juntar aqui duas experiências bacanas e bem diferentes: acampar no meio de uma reserva ecológica, onde só se tem, além do camping, praia, mato e cachoeira e acampar podendo utilizar a estrutura de um ecoresort.

PICINGUABA – Minha experiência no primeiro exemplo foi em Picinguaba, no Parque Estadual Serra do Mar, na divisa entre Rio e São Paulo. Lá, dentro de um núcleo de estudos de biologia, um camping perfeito para quem quer natureza em estado bruto.

Para se chegar no camping, é preciso andar uns metros com o carro na areia da praia. Com muitas árvores, o espaço organiza locais para acampar delimitados por lotes e tem vestiários grandes, com tomada e água quente. Mas o gerador é desligado às 22h.

O melhor de lá é que dá para curtir praia, rio e cachoeira. Mas é preciso caprichar no abastecimento, porque não há absolutamente nada, a não ser que se pegue o carro e vá até a vila de pescadores. Mas se o objetivo é se isolar do mundo, prefiro a ideia de imersão total. Quando fui fomos num grupo de cinco casais, alguns que nunca tinham acampado, e foi ótimo.

Itamanbuca: ao lado o Rio e na frente, o mar

Itamambuca: ao lado o Rio e na frente, o mar

ITAMAMBUCA

Itamambuca fica mais próximo à cidade de Ubatuba. É um ecoresort. Escolhemos o destino por uma indicação de uma amiga porque procurávamos um lugar para levar meu enteado para uma aventura de camping pela primeira vez.

A escolha não poderia ter sido melhor para o grupo que incluía dois pré-adolescentes. Na praia, pranchas de surfe para alugar eram uma das atrações. Além de um Rio que desembocava no mar e formava uma gostosa piscina com pedras para pular.

No rio, o hotel disponibilizava caiaques para alugar e, à beira dele, uma pequena trilha de ecoturismo onde era possível ver esquilos, cobras, carangueiros e diversos pássaros, tudo num caminho com corrimão de madeira e deck. As crianças adoraram.

Natureza e conforto para acampar

Natureza e conforto para acampar

A poucos metros dos luxuosos quartos do hotel, áreas demarcadas também como em lotes, com valas e postes de luz com pontos de tomada. No meio do caminho, salão de jogos, quadra de esportes, piscina, sauna e vestiário.

Quartos de chalés são um meio termo para quem não tem muita grana e nem disposição para barraca. Entre uma área e outra, choupanas com mesa e banco de alvenaria para almoço e lanche. No resort, um restaurante com uma comida deliciosa,  bem pensada e nem tão cara pelo o que é.

Versão deste post para impressão.

Personal Trip

About the Author

De moto, barco, carro, avião, trem ou ônibus, para Alícia o importante é viajar, conhecer lugares novos, sem deixar de desbravar o Brasil.

4 Respostas para “ Roots ou conforto, as diferentes maneiras de acampar ”

  1. É uma entrada bem perto de trindade. Como já tem uns anos que fui, não me lembro bem qual é o km da entrada. O ideal é entrar nesse link do camping e dar uma ligada pra lá ou ver se no site tem um mapinha.

    bjo

  2. Claro que todo mundo gosta de conforto, mas quando você tem a oportunidade de conhecer lugares tão lindos economizando um troco para os passeios, o camping vale muuuito a pena!!!
    Me digam, esse camping de Picinguaba, como faz para chegar?

    Bjo, meninas. Até!

  3. Acampar não é a minha, mas estou até pensando em rever isso… Dormir com o barulho do mar é tudo na vida.

  4. Picinguaba é paraíso meeesmo.
    Naquele camping entao…

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>