• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Rio de Janeiro: um roteiro de cultura, história e vista para o mar

Foto aérea Orla Rio de Janeiro

Essa vista dispensa comentários, né?

O Rio de janeiro continua lindo, continua sendo, muito além de fevereiro e março…  O Rio de janeiro é Bossa Nova, é samba, é futebol e muito mais. E nós, apesar de sermos seis cariocas da gema, até hoje não tínhamos um post só daqui , com dicas gerais da nossa querida cidade maravilhosa  (shame on us). Mas, antes tarde do que nunca. O Rio é um destino obrigatório para quem quer começar a desbravar o Brasil e é viagem para várias versões: só de fim de semana, para uma semana inteira (pelo menos cinco dias é o ideal), ou até para quem tem as férias inteiras pela frente.

Veja mais do Rio aqui:
Rio de Janeiro: cinco programas que muitos turistas não conhecem

Se você vai ter os 30 dias que a legislação trabalhista permite, pode vir sem medo, que programa não vai faltar. O estado tem belezas singulares como Angra e Paraty, no litoral sul, Búzios, Cabo Frio e Arraial do Cabo, na Região dos Lagos, e Petrópolis, que conta boa parte da nossa história e pode ser uma daytrip.

PASSEIOS
Cristo Redentor e Pão de Açúcar – Não adianta, mesmo os que tentam fugir dos destinos turísticos mais clichês, têm que ir. Os dois lugares são lindos de emocionar e dá pra fazer no mesmo dia. Se puder escolher, opte pelos dias de semana e tente deixar a visita para dias de sol. Já aconteceu comigo de chegar lá e uma nuvem se fixar na cara do Cristo, não dá nem pra tirar foto.

Você pode chegar até o trenzinho que leva ao Cristo de ônibus ou integração do metrô (é um lugar meio ruim de estacionar carro), no Cosme Velho. Se for de carro, dá pra ir também até o meio do caminho e já na floresta da tijuca pegar uma van. Mas é importante saber que não é mais possível chegar até o santuário direto de carro.

Pão de Açúcar é visita obrigatória (Foto: Luciola Villela)*

Pão de Açúcar é visita obrigatória (Foto: Luciola Villela)*

Pão de Açúcar fica na Urca, que é um bairro fofo, praticamente só de casas (Ah, pra quem gosta de ver famoso no Rio, é lá que mora o Roberto Carlos). Então, quando for, aproveite para almoçar por lá. Dentro do Forte (no canto direito da Praia Vermelha), tem um restaurante a quilo bem honesto e com uma vista incrível. E no pé do Pão de Açúcar tem o Zozô, que é bacaninha e, se tiver calor, Sorveteria Brasil é obrigatória. Os mais aventureiros, ou durangos, podem subir a primeira parte do passeio, até o Morro da Urca por uma trilha que fica na pista Claudio Coutinho. A trilha é bem sinalizada, demora meia hora mais ou menos, mas é íngreme, então, pode dar uma canseira. Quem optar por fazê-la e quiser subir até o Pão de Açúcar (que é o morro mais alto), deve comprar na bilheteria os bilhetes do bondinho correspondentes ao trecho.

Museus e Centro Histórico – O Rio foi durante muito tempo a capital do Brasil, então o que não falta aqui são prédios históricos lindos e museus bacanas (são mais de 30 espalhados pela cidade). Eu separaria um dia inteiro pra isso. Mas se seu roteiro tiver apertado, deixa pelo menos meio turno pro Centro. E aí, prepara a lista: Paço Imperial (era casa dos governadores da capitania e de despachos do imperador), Centro Cultural Banco do Brasil (tem sempre ótimas exposições), Real Gabinete Português de Leitura (lindo de morrer, mas tem que entrar), Museu Nacional de Belas Artes, Museu Histórico Nacional.

Teatro Municipal Rio de Janeiro

O Teatro Municipal tem visitas guiadas (Foto: Luciola Villela)*

Outro passeio bem bacana saindo do Centro é a Ilha Fiscal, que é uma construção maravilhosa no meio da Baía de Guanabara. Foi lá que aconteceu o último baile do império e hoje é da Marinha. O acesso é feito por uma escuna e, em dias de sol, é  imperdível. Teatro Municipal e Catedral Metropolitana também podem rechear sua passagem pela região.

Na Zona Norte, um passeio bacana é ir na Quinta da Boa Vista e no Museu Nacional. Lá era a sede do império, o palácio é lindo e tem um monte de relíquia da época da monarquia e uma parte importante sobre histórica natural. Bem bacana pra conhecer melhor a nossa história e para levar as crianças. Outra dica  é o Museu da República, no Catete. Foi lá que Getúlio vargas de matou, tem um monte de coisa legal da história da nossa república e um jardim delicioso. Em todos esses lugares, tirando a Ilha Fiscal, dá pra chegar fácil de ônibus ou metrô.

Lapa e Santa Teresa – A Lapa é uma ferveção e é pra quem gosta de burburinho nas ruas. À noite o bairro bomba com shows, boates, sambas e inúmeros barzinhos. De dia, uma vez por mês rola uma feira de antiguidades bem bacana. Mais detalhes você pode ver nesse post aqui: A Democracia bate ponto na Lapa.

Por lá é possível também subir as ladeiras de Santa Teresa. O bairro é uma delícia, tem um monte de ateliês, restaurantes e uma vista linda. Um lugar que eu amo lá é o Parque das Ruínas. O bairro abriga uma vez por ano o evento Santa Teresa de Portas Abertas, que é bem legal, os ateliês ficam abertos, tem DJ na rua e um clima bacana. Vale verificar as datas quando agendar a sua viagem.

Arcos da Lapa Rio de Janeiro

A Lapa reúne cultura e boemia no coração do Rio (Foto: Luciola Villela)*

Favelas – Depois da pacificação das principais favelas da cidade, é um programa para conhecer de perto a rotina carioca. No Santa Marta, tem sambinha, mirante e a laje do Michael Jackson. Ainda na Zona Sul, você vai ver vistas bem bonitas da cidade no Cantagalo (entre Copacabana e Ipanema), Rocinha e Vidigal (São Conrado e Leblon). Em Laranjeiras, a Tavares Macedo abriga a sede do Bope (aquele batalhão do filme Tropa de Elite e tem um hostel que faz um jazz bem bacana). Para comer, vale Bar do David, no Chapéu Mangueira, com comida boa farte a barata, e a laje da Tia Léa, no Vidigal, que tem uma feijoada maravilhosa.

PRAIAS – Tudo bem, sou daquelas cariocas que se pudesse andava de crachá. Mas mesmo se não fosse daqui, recomendaria: a não ser que uma frente fria te impeça, vá a praia. Elas são lindas e representam um evento social. Tente viver a experiência carioca, sem mesas na areia, como se fosse um restaurante. Use a sua canga ou uma cadeira de praia, peça pra alguém olhar suas coisas na areia enquanto você vai lá dar um mergulho, coma biscoito Globo e beba mate ou limonada de latão. Nesse post aqui, a gente te ajuda a escolher que praia combina mais com você: Rio de Janeiro: qual é a sua praia?

HOSPEDAGEM – Como as opções são muitas, a gente escreveu um post inteiro para ajudar você a escolher que região da cidade combina mais com o seu tipo de viagem e o seu estilo de viajante: Onde se hospedar no Rio de Janeiro

BOEMIA E GASTRONOMIA – Não tem jeito. Estar no Rio e não tomar um chope ou uma caipirinha gelados num boteco é quase como não carimbar o passaporte na imigração. A gente tem uma série bem detalhada com dicas que vão desde os botequins clássicos, até aqueles que só quem é daqui sabe onde fica.
Boemia Carioca: chope e quitutes na badalada Zona Sul do Rio

Boemia Carioca: aventure-se pelos botecos da Zona Norte do Rio 
Boemia Carioca: listamos bares clássicos do Centro e Santa Teresa
Boemia Carioca: os bares clássicos que viraram redes de botecos

* As fotos desta post foram gentilmente cedidas pela fotógrafa (e companheira de viagens a trabalho) Luciola Villela

 

Personal Trip

About the Author

De moto, barco, carro, avião, trem ou ônibus, para Alícia o importante é viajar, conhecer lugares novos, sem deixar de desbravar o Brasil.

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>