• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Rio de Janeiro: qual é a sua praia?

Ipanema com os Dois Irmãos no fundo

Quando um turista pensa no que visitar no Rio o que vem imediatamente à cabeça? Os tradicionais certamente falarão Corcovado e Pão de Açúcar. Quem é fanático por por futebol talvez inclua o Maracanã. Bem, não importa os seus interesses ou gostos, a verdade é que nada é tão característico do Rio de Janeiro do que… praia! Isso porque vir à Cidade Maravilhosa significa ver o mar, ainda que seja de dentro de um táxi ou de um ônibus a caminho do aeroporto ou da rodoviária.

Então, surge a pergunta que deixa qualquer carioca sem resposta: mas qual é a melhor praia? Depois de alguns anos de areia e de muita discussão, nós finalmente chegamos a uma resposta: todas! Tudo depende do seu interesse.

E é bom lembrar que no Rio não é só escolher a praia que você vai visitar. O trecho onde você vai abrir seu guarda-sol pode significar uma experiência completamente diferente. Por isso, num post a doze mãos, As Viajantes listaram as dicas e boas de cada pedacinho de areia pra você descobrir, afinal, qual é a sua praia.

Importante! Não saia de casa sem antes conferir as condições de balneabilidade das praias. O Instituto Estadual do Meio Ambiente (Inea) faz boletins regularmente. Confira aqui.

Veja também cinco programas no Rio que muitos turistas não conhecem!

Ver o pôr-do-sol das pedras do Arpoador: um programa clássico.

PARA PAQUERAR E VER GENTE BONITA

A praia é o programa mais democrático da cidade. Nas areias, ricos e pobres, gordos e magros dividem o mesmo espaço sem traumas ou qualquer tipo de separação. Mas, se você tem o objetivo certo de se dar bem, existem alguns trechos bem demarcados. É bom saber que todos eles também são os preferidos de grande parte dos cariocas e por isso enchem muuuito, mesmo durante a semana. Um turista desavisado pode não entender como a praia pode estar insuportavelmente lotada num trechinho e logo vinte passos adiante deparar com um belo espação. Não se assuste, há grande chances dali ser um point da juventude bronzeada carioca.

*Ipanema, no posto 9 ou no Coqueirão – É o ponto de encontro clássico da juventude carioca. Termômetro dos modismos da cidade, hoje esse trecho é onde o povo antenado pega sol, mas já foi o point de hippies e doidões em outras épocas (ainda há alguns por lá). Só que nos fins de semana fica tão, tão cheio, que às vezes você não consegue nem ver os Dois Irmãos (morros à direita da praia) da sua canga. Evite ir de carro. É muito difícil estacionar perto do trecho, em qualquer dia da semana.

*Ipanema, na altura da rua Farme de Amoedo – a Farme, como é conhecida pelos cariocas, é o maior point gay da cidade e certamente um dos maiores do Brasil. Lá, casais homossexuais paqueram e namoram sem pertubação. Logo na chegada o visitante já dá de cara com um monte de barracas com a bandeira arco íris. O trecho ganhou fama internacional e muitos gringos também batem ponto lá.

*Arpoador – Bem no encontro de Copacabana e Ipanema, a praia do Arpoador virou point de mergulho noturno no verão. No cantão da praia, próximo às pedras, surfistas encaram as ondas enquanto uma turma fina toma espumante e outros drinques no bar do hotel no calçadão. Nas noites de verão o movimento pode ser tão intenso quanto nos dias da estação.

*Barra, em frente ao Pepê – Logo no comecinho da praia fica o quiosque do Pepê. Lá é um point no estilo juventude dourada e malhada, com gente que quer ver e ser vista.

*Leblon, na altura da rua Cupertino Durão – Outro ponto de encontro de gente bonita e descolada. Mas ali o público costuma ser mais adolescente. Se você está ainda está no colégio ou acabou de entrar na faculdade, já sabe onde ir.

O calçadão de pedras portuguesas em forma de ondas não deixa dúvida: você está em Copacabana.

PARA CURTIR COM A FAMÍLIA

Quem vai à praia com a família normalmente quer um pouco mais de tranquilidade, afinal, é preciso espaço para toda a tralha das crianças, sem falar no guarda sol e cadeiras. O Rio não tem praia sem ondas, por isso é bom ficar atento às bandeirinhas vermelhas que são colocadas pelos bombeiros perto de alguns trechos do mar. Ali, o banho deve ser evitado porque pode haver correnteza ou buracos perigosos.

*Copacabana – É a praia com a faixa de areia mais larga da cidade e por isso perfeita pra quem não gosta de lutar por um espaço. De manhã cedinho a praia é principalmente dos idosos e das crianças. Além disso, o mar costuma ser mais calmo do que nas demais praias da Zona Sul como Ipanema e Leblon.

*Leme – A praia do Leme é um extensão de Copacabana. A rua Princesa Isabel é o que separa as duas. Com as mesmas características de Copacabana, o Leme é ainda mais tranquilo. Perfeito pra quem não quer perder as crianças de vista. Além disso, lá é certo de conseguir um quiosque que tenha chuverinho, o que refresca mesmo aqueles que tem medo de mar.

*Barra, na altura do hotel Sheraton ou do condomínio Golden Green – A Barra é a maior praia da cidade, então, a não ser que você opte por um point específico, dificilmente vai ter problema de espaço. Esses dois trechos são bastante procurados por famílias. Na Barra é também onde bate mais vento e por isso mais fresco. Bom pras crianças que nem sempre aguentam dias muito abafados.

O Recreio ainda tem trechos que lembram praias selvagens

PARA QUEM VAI COM BEBÊS

Se, além de crianças, a sua tropa viajante tem um bebê como integrante, talvez você prefira lugares com estrutura para eles. E, sim, aqui no Rio vários quiosques se especializaram nisso e lideram as preferências das recém mamães.

*Leblon, na altura da rua General Venâncio Flores – Lá é o famoso Baixo Bebê. Tudo começou com um quiosque que criou um cercadinho para que os pequenos brincassem em paz na areia. Hoje, a área é toda dominada pelos pequenos. Além do tal cercadinho com brinquedos, há também aquele chão de borracha próximo ao calçadão e um cardápio especial no quiosque com frutas, sucos e água de coco.

*Leme – Mais pro meio da praia há também quiosques com brinquedos e completa estrutura pra receber mamães e bebês. Além de gentilezas como lugar para estacionar os carrinhos e prioridade nas mesas que têm sombra.

*Recreio –Fica no fim da Avenida Sernambetiba, depois da Praia da Barra. Mais tranquila que sua vizinha, é uma praia de extensa faixa de areia, ideal para espalhar os brinquedinhos e a piscininha. O bairro atualmente é um dos preferidos dos jovens casais com filhos pequenos que sonham em morar perto da praia, já que os apartamentos são mais baratos do que os da Zona Sul e Barra.

PARA QUEM GOSTA DE ESPORTES

Surfe, kitesurf, altinho, frescobol. Praia também é sinônimo de esporte. Se esse é seu forte, veja aonde ir.


*Prainha – Point número 1 dos surfistas cariocas. A praia é super, hiper, ultra isolada e linda com o azul do mar e um lado e o verde da floresta de outro. Para chegar lá a melhor forma é de carro e a primeira dica é: se for lá num fim de semana, acorde cedo. As vagas de estacionamento são poucas e você pode simplesmente não conseguir parar e ter se deslocado pra tão longe à toa. Chegando lá, além de curtir o paraíso você vai ter as melhores ondas do Rio. Para os amantes de treking, o parque estadual em frente à praia tem um monte de trilhas.  (Existe um ônibus que passa por toda a orla – o Surf Bus– e vai ate lá mas pra pegá-lo é preciso paciência. Infos do surf bus aqui).

Prainha: natureza profunda

*Macumba – É a praia que fica entre o Recreio e a Prainha. Tem ondas super fortes e também é amada pelos surfistas. Pode ser uma boa opção se a Prainha estiver lotada.

*Reserva – Fica entre a Barra e o Recreio, tem cerca de quatro quilômetros e é uma das praias mais preservadas da cidade, já que abriga uma reserva biológica, incluindo a Lagoa de Marapendi. Ela começa no Píer. As ondas poderosas atraem muitos surfistas.

*Barra, na altura do Pepê – Em frente ao quiosque do Pepê, que fica no início da Barra, a areia e o mar é dominada pela galera do kitesurf. Os ventos são perfeitos para o esporte e no fim da tarde o mar fica tomado pelas velas. Se você está com crianças é bom ficar atento. Já vimos alguns acidentes por lá. O próprio quiosque do Pepê, que tem um dos mais clássicos sanduíches naturais do Rio, já é um convite e tanto pros esportistas.

Vôlei, frescobol e altinho são encontrados por toda a orla. É bom lembrar que, por lei, esses esportes só podem ser praticados na faixa de areia próximo ao calçadão. Pertinho da água só depois das 17h. Quem curte corrida, skate e bicicleta deve optar pelas ciclovias que estão em toda a orla.

PARA QUEM AMA NATUREZA SELVAGEM

A maior parte das praias cariocas é urbana. Mas há pequenos paraísos, praticamente intocáveis, escondidos a alguns minutos de carros ou ônibus. São praias com menos estrutura – leia-se poucos quiosques, dificuldade para estacionar e quase nenhum ambulante.

*Prainha e Reserva – Você não é surfista? Nem mulher/marido de surfista? Não tem problema. A Prainha e a Reserva também recebem bem quem quer só apreciar sua beleza.

*Grumari – Depois da Prainha, seguindo pela estrada, você chega a Grumari, praia extensa, com ondas fortes, águas limpas e clarinhas. É uma praia bem família e nos fins de semana costuma ficar cheia delas. Os surfistas preferem dia de semana. Subindo mais um pouco a estrada, de carro, a gente chega ao restaurante Point de Grumari, clássico da região, conhecido pelos frutos do mar e pela vista linda da Restinga da Marambaia. Programão ver o pôr-do-sol lá, fazendo aquele “almojanta”.

*Joatinga – Sabe aquele lugar escondido da sua cidade que você guarda só para surpreender os amigos de fora? A Joatinga é um deles. Pequenininha, ela é parada certa para levar gringos e convidados de outros locais do Brasil. Também é uma das preferidas dos surfistas e das famílias (algumas vão com seus cachorros, apesar de ser proibido). Só que a faixa de areia é tão pequena (em comparação com as outras) que é preciso chegar cedo para garantir o lugar (pricipalmente nos fins de semana). Nos dias de outono e inverno, por volta das 15h o sol já se esconde atrás dos costões rochosos.  Encontrá-la também não é muito fácil. O acesso é pela Estrada do Joá (que liga os bairros de São Conrado e Barra da Tijuca) e é preciso entrar num condomínio que fica em um recuo, numa curva bem acentuada. Se tiver dúvida, pergunte no caminho. A entrada no condomínio é livre, mas às vezes os guardas perguntam aonde você vai. É só dizer que vai para a Joatinga.

Praia de Botafogo: cartão postal

PARA QUEM QUER VER BELAS PAISAGENS

Infelizmente nem toda a orla do Rio é própria para banho. As praias banhadas pela Baía de Guanabara frequentemente estão poluídas, mas isso não significa que elas não mereçam uma visita. É delas que você conseguirá tirar algumas das fotos mais lindas da cidade.

*Botafogo – Aquela foto clássica de cartão postal do Pão de Açúcar será feita na praia de Botafogo. O lugar é caminho para os aeroportos e da rodoviária, por isso é raro encontrar com algum turista que não se encante com a paisagem de lá. A praia vale uma visita mas nem pense em estender a canga na areia e muito menos entrar na água. Botafogo é das praias mais sujas do Rio é nunca está balneável.

*Vermelha – Aos pés do Pão de Açúcar, é outra que facilmente é incluída em qualquer roteiro turístico. Além de permitir a vista de ângulos inéditos dos morros, tem ao seu lado direito a pista Cláudio Coutinho, que vale muito uma visita. Também sofre com a poluição e o mar só fica limpo depois de muitos (mas muitos) dias sem chuva. E lá ainda há outro problema grave: a areia também costuma não passar nos testes de qualidade.

*Flamengo –É banhada pelas águas da Baía de Guanabara e dificilmente está liberada para banho. Mas para admirar a vista, é uma praia como poucas. De lá, se vê o Pão de Açúcar, a Ilha Fiscal e acompanha-se o vaivem dos aviões que transitam pelo aeroporto Santos Dumont. O acesso é via Parque do Flamengo, onde todos os dias centenas de pessoas se exercitam na ciclovia. Aos domingos, a praia ganha um bônus: as pistas do Aterro, ali do lado, liberadas para pedestres. Famílias se divertem com crianças jogando bola, soltando pipa ou só gastando energia correndo. Alugue uma bicicleta e encerre seu passeio com uma água de coco na areia.

São Conrado, onde pousam as asa-deltas da Pedra da Gávea


*São Conrado – Uma praia linda e até doi pensar que quase nunca está balneável (não se engane pelos surfistas que se arriscam por lá). Ela abriga hotéis caros (ou seja, não se hospede neles se a ideia é dar um mergulho por perto) e é perfeita para uma caminhada ou corrida. Dá acessso à Avenida Niemyer, uma das estradas mais impressionantes da cidade, com vistas espetaculares.

AS CLÁSSICAS

Não visitá-las é como não ter passado pelo Rio. Todas já foram citadas acima. Copacabana é a praia mais famosa do mundo. Vinícius e Tom despertaram a curiosidade mundial sobre Ipanema. E o Arpoador assistiu – e incentivou – à transformação de uma geração que cresceu naquelas areias.

MAS EU QUERIA SÓ IR À PRAIA…

Depois de ler tudo isso você deve estar pensando: mas por que carioca pensa tanto antes de ir à praia? A gente não pensa tanto. É que a relação do carioca com a praia vai além da relação com a natureza. No Rio, ir à praia é uma atividade social. As praias urbanas são as mais frequentadas, jovens costumam ter seu point preferido na areia e é comum terem amigos da praia. Lá a galera bota o papo em dia, programa a noitada, pratica esportes, rola azaração ou só descansa recuperando a ressaca ou se preparando para encarar a próxima semana. Estas são as praias onde vocês encontram As Viajantes nos fins de semana de folga: Ipanema, Leme, Copacabana e Barra.

Boa praia!

Mais dicas do Rio aqui!

Joatinga: pequena e escondidinha

Personal Trip

About the Author

2 Respostas para “ Rio de Janeiro: qual é a sua praia? ”

  1. Estive um dia no Rio. Visitei o Pão de Açúcar, o Cristo Redentor e a Praia de Copacabana. Achei tudo muito bonito. Pretendo voltar ao Rio novamente, ficar mais dias para conhecer melhor a cidade.

  2. as praias naturais que temos aqui no rio sao lindas. joatinga e´uma delas.

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>