• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Rio de Janeiro: cinco programas que muitos turistas não conhecem

Que venha 2016!

Que venha 2016!

Sim, nós, como cariocas, estamos super orgulhosas com a vitória da nossa cidade pra ser a sede das Olimpíadas de 2016!! E para comemorar o momento histórico e homenagear a cidade maravilhosa a gente resolveu fazer um post para ajudar quem não quer esperar sete anos para vir ao Rio! Bem, como temos gostos diferentes, a gente tem pauta até o fim dos tempos sobre a nossa cidade. Mas para inaugurar a série de posts sobre o Rio de Janeiro resolvemos fazer uma lista com cinco ótimos programas turísticos que muitos turistas não conhecem. Pra explicar melhor: as dicas são basicamente de programas onde você vai  encontrar muitos turistas mas que fogem do circuito clássico Cristo-Pão de Açúcar-Lapa-Copacabana.

Viva essa paixão e seja bem-vindo à nossa casa!

Veja mais dicas do Rio de Janeiro aqui.

*O café da manhã no parque Lage – É difícil pensar em um outro

Além do parque tem o prédio que também é liiindo!! Foto: site oficial

Além do parque tem o prédio que também é liiindo!! Foto: site oficial

programa melhor para começar o dia do que tomar café da manhã no Parque Lage. O lugar por si só já vale o passeio. O Parque Lage fica bem pertinho do Jardim Botânico e é um pouco menos badalado do que o irmão que dá o nome ao bairro (e um pouco mais abandonado também). Mas isso faz dele menos conhecido e também menos cheio. Passear por lá é um programa escolhido por muitas famílias cariocas nas manhãs de sábado. Quem quiser fazer o passeio completo por começar tomando café no Cafe du Lage, uma espécie de bistrô que fica dentro de um lindo casarão no meio do Parque. Algumas mesinhas são baixinhas com imensos almofadões o que dá um clima mais especial ao café da manhã, que também tem o chorinho como trilha musical. O casarão também é o lar de uma famosa escola de artes visuais e por isso às vezes rolam exposições bacanas com os trabalhos dos alunos de lá. O café da manhã não é dos mais baratos e nem dos mais fartos, é verdade. Mas quem não quiser pagar pelos pães artesanais, geléias caseiras, frutas e sucos pode optar por um café ou chocolate quente. A comida é ótima mas o passeio vale principalmente pelo ambiente, vista e pelo clima. Há mesas cobertas mas o programa fica ainda mais especial se não estiver chovendo, até porque ele pode vir acompanhado de um passeio no parque depois. É bom lembrar que o café da manhã funciona apenas nos fins de semana e até as 11h da manhã. Ah, e não aceita cartão. Como não há bancos perto, vá preparado com dinheiro ou cheque.

Serviço

Parque Lage – Rua Jardim Botânico 414

Pra entrar no parque e no café é de graça. O local tem um estacionamento que costuma lotar no fim da manhã.

*O Pão de Açúcar a pé – O Pão de Açúcar todo mundo conhece, afinal o programa é um clássico. Mas é daqueles clichês que realmente valem a pena. A vista lá de cima é de tirar o fôlego (para continuar com os jargões) e o

O início da trilha / Foto CS Ecoturismo / adventure

O início da trilha / Foto CS Ecoturismo / adventure

passeio de bondinho é uma delícia. É verdade que o preço não é dos mais convidativos para os bolsos mochileiros: turistas e cariocas desembolsam R$ 44 pra subir e descer. Quem quiser economizar mas, principalmente, fazer um programa diferente e conhecer uma nova visão de um dos pontos mais famosos do Rio, pode subir a primeira montanha – o Morro da Urca –  a pé. O programa não exige muito preparo físico e é comum encontrar até crianças fazendo a trilha. A subida deve demorar por volta de 40 minutos em um caminho que, apesar de não sinalizado, é  muito bem marcado, a chance de alguém se perder é praticamente nula. Não é preciso saber escalar, nem ter qualquer equipamento especial, mas um tênis e uma garrafinha de água são bem-vindos porque o terreno é irregular e, como a trilha é no meio da mata, costuma ser úmido e quente. O mais complicado do programa é achar o início da trilha. O primeiro passo é andar até a Praia Vermelha, a mesma onde está localizado o bondinho do Pão de Açúcar. Do lado esquerdo é o início da pista Claudio Coutinho, a trilha até o Morro da Urca tem início no meio da pista. O local não está sinalizado mas é fácil encontrar pessoas iniciando o passeio e perguntar também ajuda, os frequentadores da pista – que uma vista linda por sinal – conhecem o caminho. Chegando ao topo  você pode curtir a vista e optar por pagar apenas o ticket para descer ou fazer o passeio completo e subir até a montanha do Pão de Açúcar. Desta vez de bondinho, já que a outra opção é escalando a pedra mesmo.

Serviço

Pista Cláudio Coutinho – Urca

De graça

*O jazz na favela – Sim, a Maze está dentro da Favela Tavares Bastos, QG do

Olha o Pão de Açúcar no fundo! Foto: site oficial

Olha o Pão de Açúcar no fundo! Foto: site oficial

Bope (o batalhão de operações da PM e protagonista do filme Tropa de Elite), portanto securíssima, e, sim, o albergue-casa-de-shows vive cheia de turistas, principalmente gringos. Mas pode ficar tranquilo, você não vai se sentir visitando um zoológico. Principalmente porque o dono do estabelecimento, o artista plástico inglês Bob Nadkarni, vive há trocentos anos na favela do bairro do Catete e tem o jeitinho brasileiro para misturar culturas. Chegar lá já é parte do programa. Como não existe transporte público oficial, você pode pegar um mototáxi no asfalto, esperar uma van – pirata, claro – ou simplesmente subir a pé e apreciar a lenta degradação dos espaços públicos abandonados pelo poder oficial. Lembre-se que o Bope nem sempre esteve ali. A Maze foi construída no estilo, ou melhor, na falta de estilo, das casas da região, o que pode deixar muito arquiteto intrigado. Parece um… labirinto (maze, em inglês). O que é, no mínimo, divertido. Escadas que terminam em corredores que levam apenas para outras escadas. Salões escuros. Falta de acabamento. Grandes terraços, vários andares e a vista. Ah, a vista. Como em todos os morros cariocas é espetacular. Dentro, música (na noite que fui tocou jazz ao vivo, mas parece que rola bandas de rock também), mesões e gente de todos os cantos do mundo. Tudo muito cool, sem ser blasé. Como todo grincarioca quer ser.

Serviço

Rua Tavares Bastos, 414 / casa 66 – Catete

Telefone: (21) 2558-5547

*O chorinho nas praças

O músicos! Foto: site oficial

O músicos! Foto: site oficial

Em Laranjeiras, bairro superagradável da Zona Sul, dois programas musicais são imperdíveis. A praça General Glicério
por si só já é um ótimo passeio, mas para melhorar, todos os sábados
ela recebe o Choro na Feira, grupo de chorinho que toca lá há anos… E aí é isso: ouvir boa música, comer pastel e caldo de cana… Pra quê mais? Todo sábado, por volta de meio-dia. Ah sim, não rola show com chuva. Pertinho dali, na praça São Salvador – outro endereço delicioso escondido no bairro – uma vez por mês o Bagunça meu Coreto ensaia, claro, no coreto da praça. É só chegar e aproveitar o sambinha. A boa é comprar a cerveja em alguns dos
bares próximos (muitos deixam você levar a garrafa pro meio da praça). No fim, é de bom tom colaborar com o “chapéu” dos músicos, ou seja, deposite alguma quantia em dinheiro. Lá, o som começa à tarde e termina cedo, para não atrapalhar os vizinhos com o barulho.

Serviço

Praça General Glicério / Praça São Salvador

Sábado e uma vez por mês

de graça

Esse site é legal pra acompanhar os ensaios do Bagunça meu coreto e dos outros blocos de carnaval do Rio
*Feijoada com gosto de carnaval – Se a ideia é fazer um programa tipicamente carioca, a dica vem do outro lado da cidade. Na quadra da

Olha amultidão! Foto: site oficial

Olha a multidão! Foto: site oficial

Portela, em Madureira, todo primeiro sábado do mês é dia de feijoada. Você deve estar pensando “ir tão longe pra uma feijoada”? Pode ter certeza que vale a pena! A comida é feita pelas ‘tias’ da escola de samba, sempre tem um show bacana (você pode dar a sorte de ouvir uma canja do Paulinho da Viola), sem falar no clima animadíssimo dos frequentadores. É bom chegar cedo pois enche e a comida acaba mesmo! Para chegar, aconselho pegar o metrô linha 2 até Irajá e de lá pegar um táxi (já é uma boa economia). Divirta-se!

Serviço

Quadra da Portela – Rua Clara Nunes, 81 – Madureira

R$ 7 para entrar / A feijoada custa R$ 10 por pessoa

Clique aqui para imprimir este post.

Personal Trip

About the Author

Destinos exóticos e desconhecidos. É em lugares assim que Reba prefere passar as férias. Isso deve ser uma desculpa para poder passar os outros 11 meses do ano planejando a viagem.

12 Respostas para “ Rio de Janeiro: cinco programas que muitos turistas não conhecem ”

  1. Olá Bianca e Gleice,
    Os mototáxis são serviços muito utilizados nas favelas cariocas por conta da falta de transporte nesses locais. As ruas costumam ser estreitas e, por isso, os ônibus e vans tem dificuldade de circular. Durante muitos anos, as comunidades também enfrentaram problemas de violência e serviços como os táxis tinham dificuldade de atuar por lá. Os mototáxis acabaram sendo a única opção para os moradores. Mas o serviço não é legalizado então é muito difícil termos informações ou confiáveis ou qualquer dado oficial sobre esse serviço.

    Beijos

  2. olá, somos alunos do 5ºano do ciep profª philomena m.m.rossett america-sp estamos fasendo uma pesquisa sopre moto taxi eu soua aluna bianca minha ajudante é a gleice eu ja fui ao rio de janeiro gostei muito ja vi os motos taxi mas nunca andei gostaria que colacase pesquisas sobre eles tchal…

  3. Amo viajar pelo Rio. As praias da Barra em direção ao Recreio, sao paradisíacas. Amo o jardim botânico do RJ. Quem pode visita-lo em dias de semana é tranquilo e sossegado.
    Parabéns pelas informações, Alicia.

  4. Adorei o post!

    Mais uma dica pra trilha da Urca: andar até a praia da urca, onda fica a antiga TV Tupi. O bairro é muito charmoso e tranqüilo.. e foi onde o rj nasceu..

    Parabens pelo blog!!

  5. Fui há duas semanas fazer essa trilha do Morro da Urca e queria completar duas coisas: Quem sobe a pé e quer descer de bondinho ou subir até o Pão de Açúcar (R$ 33), não perca tempo para comprar os ingressos lá embaixo. Para quem sobe a trilha só são vendidos lá em cima mesmo. A outra coisa é que quem mora no Rio e Grande Rio tme desconto se levar um comprovante de residência.

  6. Maravilha de cidade!!!!!!!
    Já provei todas as dicas e assino embaixo!!!!!

  7. Adorei as dicas sobre o Rio!!! Estou fora da cidade há 2 anos e me dá muita saudade desses programas fantásticos que só o Rio tem!!!

  8. Só um adendo sobre o choro em Laranjeiras: também rola todo domingo pela manhã na Praça São Salvador e é um programa suuuuperfamília, cheio de crianças no parquinho. Dá para tomar café da manhã no supermercado em frente (é ótimo) ou, quem chegar mais tarde, pode se jogar nos petiscos do Bar Brasil ou na cerveja de garrafa de outros bares. E ainda tem o quiosque da caipirinha, do mesmo cara que vende na General Glicério.

  9. Meninas!!!
    Amei o post! Esse é o tipo de texto que eu procuro muuuito na internet e é difícil achar: textos sobre lugares que não estão nos guias comerciais de viagens! Esses lugares parecem preciosos e deu mesmo vontade de conhecer! Quando eu estiver no Rio, seguirei as dicas. Valeu!!!

    Abraço e beijo!

  10. “Saudade” é muito amplo. Quis ser mais específica: Os dois casos significam “saudade do lar” ou “saudade do lugar de origem”. 🙂

  11. Que tal “saudade”?

  12. Amei!! Me deu homesickness… Ou ‘morriña’, como dizem os galegos.

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>