• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Parque Nacional do Itatiaia: o primeiro parque do Brasil

A cachoeira Véu da Noiva (Foto: Lalo de Almeida / Folha Imagem)

Eu confesso que tenho um fraco por parques nacionais. No meu mundo ideal de viajante, eu tenho roteiros para visitar os 31 parques brasileiros abertos ao público. Um feriado de quatro dias me pareceu o ideal para eu iniciar o sonho de conquistadora desses tesouros brasileiros. O destino? O primeiro parque nacional do Brasil: o Parque Nacional do Itatiaia.

Criado em 1937, ele abrange áreas do Rio de Janeiro e de Minas Gerais. Apesar de a divisa entre os dois estados ficar perdida no meio dos 30 mil hectares de mata nativa, o visitante vai ter que optar entre entrar pelo parque pela parte mineira ou fluminense, dependendo do seu interesse.

Isso porque o parque é dividido em duas partes: baixa, que tem entrada pela cidade fluminense de Itatiaia, e alta, cujo o ponto de partida para visita é a cidade de Itamonte, em Minas. Na parte baixa estão as cachoeiras e piscinas naturais. Na parte alta, os atrativos são caminhadas e o ponto culminante do Parque: o Pico das Agulhas Negras.

Chegando ao Parque

Tanto na parte baixa quanto na alta, o acesso é feito por uma entrada onde se paga R$ 11 (estrangeiros pagam R$ 22). Menores de 12 anos e maiores de 60 estão isentos da taxa. Há descontos para quem pretende ficar mais tempo dentro do parque ou visitá-lo em dias seguidos. Pela tabela de preços, ir ao parque sábado e domingo custará R$ 16,50 por pessoa e para um fim de semana com um feriado de um dia cada visitante vai desembolsar R$ 17,60. Não há cobrança de estacionamento.

Confira se houve mudança no preço na página oficial do Parque

A parte baixa do parque abre às 08h e a alta às 07h e os visitantes podem ficar lá até 17h e 18h, respectivamente. Quem pretende visitar apenas a parte baixa consegue aproveitar bem todas as cachoeiras e piscinas naturais em um dia, desde que chegue cedo, claro. Já na parte, como o programa são as caminhadas e travessias, é preciso de mais do que um dia mesmo.

O carro, no entanto, é item praticamente obrigatório em qualquer que seja a visita. Na parte alta não há transporte que chegue até a entrada. Já na parte baixa, a distância entre a entrada do parque e as cachoeiras é de 9 km (com subidas).

A sinalização é ótima e as trilhas são super bem demarcadas. No entanto, as estradas de circulação dentro parque são vergonhosamente precárias. Não chega a ser necessário veículos 4×4, mas qualquer pessoa com o mínimo de amor ao próprio carro vai ter dificuldade de passar a terceira marcha. A estrutura também é ruim em termos de alimentação. Quando estive lá, o único quiosque da parte baixa – que fica no caminho para o Lago Azul – estava fechado. Dessa forma, o visitante que passa o dia no parque tem duas alternativas: ou leva a própria comida ou apela para os restaurantes dos hoteis que ficam dentro do parque e estão abertos mesmo para quem não é hóspede. Nesse caso, é o preço que muitas vezes não é muito convidativo.

As atrações

Paraíso de cachoeiras. (Foto: espacoturismo.com)

Mas se a estrutura do parque nem sempre ajuda, as atrações valem qualquer esforço. O Parque do Itatiaia é simplesmente deslumbrante.

Na parte baixa o forte são as cachoeiras: a piscina natural da Maromba e a cachoeira do Itaporani são ótimos lugares para mergulhar e com quedas também possíveis de ser aproveitadas, o Lago azul e a cachoeira da Poranga (que estavam fechadas quando estive lá) além do Véu da Noiva, onde não é possível mergulhar mas que, na minha opinião, é a mais bonita. Todas as cachoeiras ficam a, no máximo, 600 metros de caminhada desde o local onde o carro fica estacionado. As trilhas são bem fáceis, não exigem qualquer preparo físico e podem ser feitas, inclusive, por crianças.

Outro programa popular com as crianças é o Centro de Visitante, que reúne uma pequena exposição de  animais empalhados mostrando todos as espécies de aves e mamíferos que tem o Parque como habitat natural.  Há ainda paineis com informações gerais sobre o parque.

Quem gostar de caminhada pode encarar a trilha dos Três Picos. São 6km mas o caminho é íngreme e por isso o trekking dura o dia todo. A recompensa é uma linda vista do vale do Paraíba, da Serra da Mantiqueira e da Serra do Mar. A entrada da trilha é super bem demarcada.

Agora quem é fã de caminhada deve investir na parte alta do Parque do Itatiaia. A grande atração é o Pico das Agulhas Negras que tem 2.791 metros de altitude. O trekking deve ser feito em dois dias e o visitante dorme no Abrigo Rebouças que fica dentro do Parque. A caminhada até o Pico das Agulhas exige experiência pois a subida é puxada e exige também o uso de cordas de escalada em alguns pontos. Além disso, há outras duas caminhadas: o maciço das prateleiras e a pedra do altar. As duas também exigem experiência e pernoite no Abrigo Rebouças.

Quem tiver disposição pode ainda fazer travessias que cruzam as duas parte do Parque. São três: a Ruy Braga, a Serra Negra e Rancho Caído.  É bom dizer que as caminhadas são longuíssimas e exigem um excelente preparo físico além de uma bagagem equipada.

Todas as travessias necessitam de autorização prévia e devem ser iniciadas até 10h. Há uma limitação do número de visitantes. A regra da reserva também valem para quem quiser pernoitar no Abrigo Rebouças, que é o abrigo de montanha mais alto do Brasil. Há também um camping ao lado do abrigo. As reservas podem ser feitas pelo email reservas.pni@icmbio.br

A melhor época para visitar a parte alta do parque é durante o inverno quando o tempo é mais seco mas as temperaturas podem chegar perto de zero, no pico do parque até neva! Quem gosta de entrar nas cachoeiras deve visitar a parte baixa no verão quando o clima deixa a água um pouco menos gelada. Mas também é preciso tomar cuidado com as trombas d’água. Nos dias de chuva forte, os acessos para as cachoeiras são interditados.

Hospedagem

A escolha mais óbvia é se hospedar na cidade de Itatiaia. Mas eu optei por ficar em Penedo porque achei que lá eu poderia aproveitar o Parque mas também curtir os restaurantes que a cidade oferece. De Penedo até a porta do Parque do Itatiaia são 17 km, num caminho super simples.

Veja mais dicas de Penedo aqui

Mas para quem quer uma imersão completa, a dica é se hospedar nos hoteis que ficam dentro do Parque. 

Personal Trip

About the Author

Destinos exóticos e desconhecidos. É em lugares assim que Reba prefere passar as férias. Isso deve ser uma desculpa para poder passar os outros 11 meses do ano planejando a viagem.

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>