• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Viagem de carro: do Rio à Praia do Rosa, em Santa Catarina

Praia do Rosa

Praia do Rosa

Acostumada com a beleza das praias nordestinas, demorei para desbravar o litoral do Sul do país. Mas é só chegar ao litoral catarinense para ter certeza de que o Brasil também guardou uma pontinha de paraíso para aquelas bandas. Nosso destino era a Praia do Rosa. Um lugar lindo, com uma vibe única e um astral maravilhoso.

Guarda do Embaú: sol, mar e vegetação

A escolha do Rosa foi uma conjunção de conveniências. Mas não podia ser melhor. Distrito de Ibituba, o Rosa é uma localidade com poucas ruas e muitas praias. Passamos cinco dias lá, mas é uma região em que se pode passar 15 dias conhecendo coisas novas.

Diferentemente da maioria dos balneários, o Rosa não tem uma orla, daquelas com o calçadão, em que é só atravessar pra ir à praia. Reduto de surfistas, as praias de lá podem ser acessadas por trilhas ou chegando de carro direto na areia. Por isso, por mais que muita gente encare os caminhos a pé, eu sugiro ou ir direto de carro alugar um em Floripa e seguir de lá.

ROTEIRO DE ESTRADA – Do Rio até lá, são cerca de 1.200 km. Há boas paradas, com banheiros limpos e lanchonetes grandes em postos da Rede Graal no caminho. Nossa opção foi Via Dutra e Regis Bittencourt, mas parece que há uma alternativa de pegar a Rodoanel em São Paulo, que faz o motorista fugir do trânsito paulista.

Apesar disso, as condições de asfalto e sinalização são boas, e só fica meio chatinho na serra para chegar a Santa Catarina. Nossas paradas foram em Resende / São Paulo / Curitiba / Florianópolis / Praia do Rosa.

Quem nunca fez o trajeto e quer ficar mais seguro pode imprimir um roteiro no site do Guia 4 Rodas ou Google Maps. Eles traçam o caminho, citando as estradas e cidades pelas quais você vai passar. Além de estimar um tempo de viagem.

Agora, reserve uma grana para os pedágios, são vários até lá. Do RJ até SP eles custam entre R$ 7 e R$ 9. Já no Sul, eles custam até, no máximo, R$ 3 (valores de dezembro de 2010).

 

Praia do Ouvidor - Rosa

Praia do Ouvidor

PRAIAS – Como só tinha cinco dias, não exploramos Floripa, que é uma cidade encantadora e merece pelo menos uns quatro dias rodando a ilha. Nos alternamos entre as praias do Rosa Sul, Rosa Norte, Ouvidor e Ferrugem. Pra quem quer pegar onda, é só fazer u-ni-du-ni-tê. Se a ideia é azaração, o pico é Rosa Sul. Rosa Norte também é badalada, mas num clima mais família, e ouvidor é uma praia em que a estrada acaba na areia, de frente pro mar.

Isso faz do lugar um paraíso, se só houver o seu carro por lá ou um horror, se a praia estiver lotada com gente com seus porta-malas abertos e rádios ligados. O mesmo acontece na Ferrugem, que fica a cerca de 20 minutos de lá. Com tempo, uma vez na região é possível visitar ainda Garopaba, que tem umas dunas e, que o povo pratica sandboard, e Guarda do Embaú.

HOSPEDAGEM – Nós optamos por alugar uma casa e já saímos do Rio com tudo acertado. Mas, mesmo em alta temporada (fomos no Réveillon), vimos muitas placas de casas e quartos pra alugar, além de pousadas indicando que ainda havia vagas. O importante é só checar que o lugar fica próximo à rua principal e perto do acesso à Praia do Rosa em si.

praia do rosaNOITE – Para  quem gosta de noitada, a região tem para todos os gostos. De barzinho com gente em pé bebendo na calçada, música ao vivo e boates. Rosa, os mais cheios são Beleza Pura, que é um bar com música e o Mar del Rosa, que é uma boate. No caminho pra Garopaba tem a Bali Hai (eu não fui, mas é enorme, com várias pistas e fica bem cheio).

Para comer também há várias opções, mas uma que vale dica pra almoço e nos foi dada por um local é o Restaurante do Geraldo, tem bufê e à la carte, com bom tempero e preço honesto.

DICAS GERAIS – A primeira coisa é levar dinheiro. Não há caixa eletrônico no Rosa. Tem muito lugar que aceita crédito e débito, mas é melhor não contar com isso, sobretudo na praia.

Nós alugamos uma casa e foi um erro não termos feito compra de supermercado em Florianópolis. Os mercadinhos lá são caros e não têm muita variedade de marcas e produtos.

SURFE – Tanto pra quem surfa quanto pra quem quer aprender, é um bom lugar pra aproveitar. Quem não quiser despachar prancha de avião ou não tiver rack pra ir de carro, não se preocupe, não é difícil achar lugar pra alugar pranchas, desde as mais amadoras, até as mais bacanas.

Personal Trip

About the Author

De moto, barco, carro, avião, trem ou ônibus, para Alícia o importante é viajar, conhecer lugares novos, sem deixar de desbravar o Brasil.

2 Respostas para “ Viagem de carro: do Rio à Praia do Rosa, em Santa Catarina ”

  1. O Brasil é lindo. E tem pequenos paraísos bem espalhados. Com as suas dicas, na próxima viagem será mais fácil escolher o destino.

  2. Acompanho o blog de vocês e adoooro suas dicas.
    Estou precisando de uma ajudinha de vocês: eu e minha família vamos passar 7 meses na Europa, a partir de julho deste ano. Ficaremos 4 meses em Madrid (estudando) e depois rodando o resto da Europa. Criamos um blog, publicamos um roteiro prévio e adoraríamos contar com opiniões de pessoas experientes como vocês. Se possível, dêem uma passadinha lá http://muitasviagens.wordpress.com/2011/02/28/faltam-4-meses/.
    Obrigada,
    Cláudia

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>