• RSS
  • As Viajantes no Facebook
  • Siga-nos no Twitter

Bairros Boêmios: a democracia bate ponto na Lapa

Arcos Lapa
Os famosos Arcos da Lapa: símbolo

Pergunte a qualquer turista – brasileiro ou não – o que ele faz questão de conhecer no Rio de Janeiro e um bairro certamente estará na ponta da língua: Lapa. Música, cerveja, petiscos e uma grande concentração de gente querendo se divertir – assim é a democrática noite desse bairro boêmio que já teve momentos altos e baixos na história do Rio de Janeiro.

A Lapa é o primeiro bairro da série Bairros Boêmios, que começamos hoje, e que contará também com a Vila Madalena, em São Paulo, e com o Rio Vermelho, em Salvador. A ideia é que a gente reúna aqui as dicas que nós demos no programa Encontro com Fátima Bernardes, que irá ao ar no dia 7 de janeiro e pelo qual nós esperamos ansiosamente. 🙂

Confira aqui a nossa série sobre botecos do Rio

A Lapa teve seu primeiro apogeu nos anos 20 e 30, quando ficou famoso por seus cabarés, casas de jogos e hospedarias. Entrou em decadência nos anos 40, quando a boemia começou a migrar para Copacabana. Foi só no fim dos anos 90 e início dos anos 2000 que a região começou a se revitalizar. Isso foi possível, especialmente, depois da abertura de casas de samba, que atraíram um novo público boêmio para a região.

26.11 Lapa noite
Sextas e sábados as ruas fecham. Foto: blog Lá na Lapa

Hoje, a região ainda é bastante conhecida pelas casas de samba, mas podemos dizer, com tranquilidade, que a Lapa é o bairro que possui a noite mais democrática do Rio de Janeiro. Você encontra desde o samba tradicional a grandes casas de show de rock, música latina, bares do tipo “pé sujo” e “pé limpo”, restaurantes tradicionais. Se o dinheiro estiver curto, ainda é possível apenas caminhar pelas ruas bebendo cerveja comprada nos ambulantes.

Ruas fechadas – O projeto do prefeito Eduardo Paes que entrou em vigor em julho de 2010 é uma eterna polêmica. Ele prevê o fechamento das principais ruas do bairro – a Rua do Richuelo e a Rua Mem de Sá – nas noites de sexta-feira e sábado a partir das 22h e até às 5h. Há quem defenda que as ruas fechadas melhoram a circulação dos visitantes, mas para os moradores tudo fica muito pior. Sem falar no trânsito, que fica impraticável no período entre 22h e 0h. Por isso, uma dica: evite ir a Lapa de carro. Há poucos estacionamentos e os que existem, custam caro. Se não houver jeito, chegue cedo para garantir sua vaga, mas prepare-se para desembolsar uma grana. Ônibus e táxis também são boas opções.

Feira Rio Antigo
Feira do Rio Antigo vende móveis a céu aberto

Lapa by day – Engana-se quem pensa que a Lapa é só noite. De poucos anos para cá, o espírito boêmio do bairro vem cedendo espaço a um lado mais residencial. Em maio, a Lapa se tornou oficialmente um bairro e hoje apresenta uma vida de serviços que não deixa a desejar aos moradores. Há uma oferta de mercados, bancos, academias, restaurantes que não deixa a dever a outros bairros. Sem falar que chega-se a pé ao Centro do Rio em apenas alguns minutos.

Na hora de escolher onde se hospedar, saiba que bairro combina mais com você clicando aqui.

Para conhecer o outro lado da boemia, planeje-se também para visitar o bairro de dia. A principal atração é a Feira Rio Antigo, que acontece no primeiro sábado de cada mês, das 10h às 19h, desde 1996. Lá é possível comprar móveis antigos e de design, brinquedos infantis, artigos de brechó, pequenas lembrancinhas. A boa é chegar cedo e aproveitar um dos restaurantes da rua para almoçar (feijoada?) e ficar observando o movimento. A feira reserva apresentações de música ao longo de sua extensão.

Outra atração da Lapa diurna é a Escadaria do Selarón (ou melhor, Escadaria do Convento de Santa Teresa), que liga a Lapa a Santa Teresa. Ela ganhou o nome porque é obra do artista chileno Jorge Selarón, que mora por ali. É decorada com mais de 2000 azulejos, o que dá um visual incrível ao local. Em 2005 foi tombada como patrimônio da cidade e recebe visitantes diariamente. Vá de dia para conseguir ver a beleza da escultura a céu aberto e também por ser mais seguro.

26.11 escada selaron
A Escadaria do Selarón coberta por azulejos

Por falar em segurança, como em qualquer bairro turístico e boêmio, tome sempre cuidado com seus pertences, especialmente quando transitar pelas ruas, onde as aglomerações de pessoas são inevitáveis. Esse alerta vale especialmente para as noites.

Para se localizar – As ruas do fervo são as Ruas do Riachuelo, Mem de Sá e a Rua do Lavradio. Andando por elas, você pode ter certeza que conheceu as principais atrações da região. Para ficar pela rua mesmo, consumindo nas barraquinhas, atravesse os Arcos e você terá uma dezena de opções de drinks e comidas de rua: de cachorro quente (o famoso podrão) a yakissoba. As barracas são uma atração à parte, com suas misturas de luzes e cores.

UPDATE: Veja as dicas que Isabella Motta deu sobre a Lapa na nossa participação no programa “Encontro com Fátima Bernardes”

Aqui você encontra outros posts sobre o Rio de Janeiro.

Personal Trip

About the Author

Pelo Brasil ou exterior. Sozinha ou acompanhada. O negócio é botar o pé na estrada. Tem coisa melhor?

2 Respostas para “ Bairros Boêmios: a democracia bate ponto na Lapa ”

  1. Rio é o lugar dos bairros boemios. Vale a pena.

  2. oi boa tarde adorei o blog de vocês,eu só passo carnaval na lapa adoro esse bairro.

Deixe uma resposta

Você pode usar estas tags xHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>